Rodrigues dos Santos quer dar a mão ao PSD para derrotar Medina em Lisboa

José Coelho / Lusa

Francisco Rodrigues dos Santos considera que uma coligação PSD/CDS-PP nas eleições autárquicas é a “única hipótese” para derrotar o atual presidente da Câmara de Lisboa, o socialista Fernando Medina, mas recusa adiantar quem poderá ser o candidato.

Em entrevista à Lusa por ocasião do primeiro aniversário da sua eleição como presidente do CDS-PP, no último congresso do partido, Francisco Rodrigues dos Santos defendeu que, “atendendo ao quadro político” da capital, PSD e CDS têm “tudo a ganhar” em “entender-se para apresentar listas conjuntas”.

“Parece-me a única hipótese de derrotar Fernando Medina e o socialismo e, como esse é o grande objetivo, acho que temos de trabalhar e dialogar para encontrar a melhor solução possível”, salientou.

O líder do CDS considerou que o presidente do PSD, Rui Rio, também tem dado sinais que “vão nesse sentido, de que existe de facto a perceção de que o centro-direita forte e uma direita unida, uma frente de centro-direita pode derrotar o socialismo”.

“Por isso, temos de dialogar para chegarmos a um entendimento e um candidato que seja capaz de unir o nosso espaço e a nossa família política”, frisou.

Porém, se os dois partidos não chegarem a acordo, não haverá “dificuldade nenhuma em liderar uma candidatura CDS”, assegura o líder centrista.

“Nós fomos sozinhos há quatro anos e lideramos a oposição em Lisboa, portanto, o CDS não tem medo nem receio de ir sozinho, e temos várias hipóteses no partido e até na sociedade civil que estão disponíveis para ser candidatos pelo CDS na Câmara Municipal de Lisboa”, destacou, excluindo-se dessa equação.

Respondendo aos que o apontaram como possível candidato a presidente da câmara da capital, como o deputado e líder da distrital de Lisboa, João Gonçalves Pereira, Francisco Rodrigues dos Santos afirmou que “não tem que ir a todas” e considerou que isso daria a ideia de que o CDS “está seco de figuras e órfão de protagonistas, o que não é o caso”.

“O partido tem várias personalidades e figuras de qualidade, de prestígio, de competência, nós não somos um partido unipessoal, temos também que dar espaço a outras figuras dentro do CDS, e centrar o presidente naquilo que é essencial, na oposição ao Governo socialista para que se construa uma alternativa de centro-direita para derrubar António Costa”, advogou.

Questionado sobre quem poderá encabeçar essa coligação PSD/CDS-PP em Lisboa, Francisco Rodrigues dos Santos assinalou que “há vários bons nomes”, mas recusou “desvendar muito a estratégia” para não “comprometer os convites e a possibilidade de se materializar essa melhor solução”.

Reiterando que “o CDS estará, com toda a certeza, disponível” para “alianças pré-eleitorais” com o PSD, o presidente centrista adiantou que “têm sido tomadas algumas diligências nesse sentido” não só relativamente a Lisboa, como a nível nacional, com um “acordo chapéu”.

“Eu espero que possa estar concluído e assinado a breve trecho”, referiu, mas escusou-se a estimar quando poderá ser conhecido o acordo, ressalvando que “isto também depende das negociações entre os dois partidos”.

Rodrigues dos Santos estabeleceu ainda como objetivos nas autárquicas deste ano “apresentar listas fortes”, “reforçar a malha de autarcas” do CDS e ainda “derrotar o socialismo no maior número de concelhos do país”.

Questionado sobre ter dito que irá tirar as suas “próprias ilações” do resultado do partido nas eleições autárquicas, o presidente democrata-cristão defendeu que “os balanços têm sempre de ser feitos”, e disse estar “objetivamente otimista“. “Eu não coloco a hipótese de as coisas correrem mal”, frisou, advogando que “o CDS se bate bem nas eleições autárquicas”.

Em 2017, o CDS-PP conseguiu aumentar a sua representação na Câmara de Lisboa para quatro vereadores, enquanto o PSD conta com dois eleitos.

“Entendimentos à direita sem o CDS são altamente instáveis”

O líder centrista alerta que entendimentos para um Governo de direita que não incluam o seu partido serão “altamente instáveis” e admite que o partido tem de “ganhar mais músculo” para “reforçar o seu peso eleitoral”.

“Portugal precisa de um CDS mais forte” para, “no quadro das soluções tradicionais, de quem acredita na democracia, nos valores do humanismo, da moderação, da preferência social pelos mais vulneráveis, encontrar-se uma plataforma capaz de derrotar o socialismo”, referiu.

Questionado se alinha numa solução governativa que inclua o Chega, responde estar a “trabalhar para que o CDS ganhe peso e dimensão para, por si próprio, em diálogo estruturado com o PSD, poder formar uma solução governativa” e defende que “entendimentos à direita sem o CDS são altamente instáveis, inviáveis e perigosos para a vida do país”.

Ainda assim, reitera que o CDS não rejeita “um voto pela sua proveniência porque isto é o que acontece todos os dias no parlamento”.

E eu quero que o CDS ganhe esta força, e estou concentrado em investir todos os meus esforços para que o CDS ganhe esta dimensão. Admitir outro cenário era estar à partida a reconhecer que não serei capaz de o fazer, e eu quero acreditar, e os dados que tenho recebido são encorajadores, de que o CDS conseguirá certamente reforçar o seu peso eleitoral”, sublinha.

Apontando o objetivo de o partido continuar a ser “a primeira força à direita do PSD”, Rodrigues dos Santos admite que o CDS tem de “ganhar mais músculo, ter uma comunicação mais arrojada”.

No que toca às sondagens que antecipam um baixo resultado para o partido nas próximas eleições legislativas, Rodrigues dos Santos lamenta que haja quem “há muitos anos” se “dedique a esse desporto que é o anúncio da morte do CDS”, mas “falharam sempre” e foram “desmentidos pelas urnas”.

Admitindo que nem tudo está a “correr num cenário ideal”, o líder centrista concorda que há “coisas a melhorar”, como por exemplo “a forma de transmitir a mensagem”, mas afirma-se “convencido de que este é um trabalho de persistência e de resistência” nas “convicções e nos valores”.

Rodrigues dos Santos frisa que o CDS “é uma instituição e não uma moda”, não é “populista ou demagógico”, e deve “ser fiel a si próprio, por muito que isso custe”, e critica os políticos que “vendem a alma ao diabo para parecerem populares e ‘viram a casaca’ para agradarem a essas turbas mais insurretas e mais franjas dos eleitorados mais extremistas”.

“Não permito que o CDS se ‘travista’ e seja uma coisa que nunca desejou ser”, salienta.

Fazendo um balanço do primeiro ano do seu mandato, refere que herdou um CDS “com um dano reputacional elevado, uma vez que caiu para o pior resultado de sempre em eleições legislativas”, e com uma situação financeira complicada, e “um quadro político-partidário inédito” à direita “na história da democracia”, uma vez que tem “dois concorrentes diretos” que disputam eleitorado à direita — Iniciativa Liberal e Chega.

Como entraves que tem sentido, aponta a pandemia, que chegou a Portugal cerca de um mês depois de ter iniciado funções e não lhe permitiu fazer da rua o seu escritório, como tinha prometido no 28.º Congresso do partido, em Aveiro, e também “alguns anticorpos” por causa da sua idade, 32 anos.

Dos combates eleitorais, diz-se “bastante satisfeito” e destaca o facto de o CDS-PP integrar o Governo dos Açores e se ter mantido como “terceira força política”, e nas presidenciais ter contribuído “para uma maioria presidencial” com a reeleição de Marcelo Rebelo de Sousa.

O presidente do CDS tem apostado na defesa dos idosos, mas afirma à agência Lusa que quer também aproximar-se do eleitorado mais jovem. Nesse sentido, adianta que vai apresentar propostas dirigidas a esta franja da população, ao nível do combate à precariedade e emprego, políticas de habitação e reforma da Segurança Social.

Outra das propostas que o CDS passa pela limitação de mandatos para os deputados, para permitir uma renovação de protagonistas políticos.

Lamentando as críticas de que tem sido alvo internamente, o centrista não quis apontar “qual é o objetivo” destes dirigentes, mas realça que “isto não faz bem ao partido”. Lembra a propósito as circunstâncias que herdou da anterior direção, apontando que “gostaria que estivessem” no seu lugar “para perceberem o que é que fariam de diferente desta direção”.

Recusando ter inimigos dentro do CDS, mas “pessoas que pensam diferente”, Francisco Rodrigues dos Santos diz que quer começar ainda em janeiro a ouvir os ex-líderes do partido e também “várias sensibilidades que existem dentro do CDS” e até convidá-las para participar nas eleições autárquicas, porque a sua direção não quer “excluir ninguém”, mas advogou que as “minorias devem acatar a autoridade democrática das maiorias, coisa que não tem acontecido”.

Sobre o facto de não ser deputado, sublinha “não está neste momento em cima da mesa”, nem “é hipótese que coloque”, a sua ida para a Assembleia da República, uma vez que foi o segundo elemento da lista pelo círculo do Porto, atrás da deputada Cecília Meireles.

Reclama a ideia de que durante este ano de mandato conseguiu “fazer oposição ao Governo fora do parlamento”, salientando que desta forma está “solto e livre” para se dedicar às eleições autárquicas.

Quanto à relação com o grupo parlamentar, escolhido pela anterior direção de Assunção Cristas, o democrata-cristão afirma ter “uma boa relação”, de “lealdade institucional”, pelo que “não tem razões de queixa” dos deputados, a quem teceu elogios, e considera “natural que haja” divergências.

Lusa ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

"Uma cena da Idade Média". Refugiado encontrado morto e cercado de ratos em acampamento grego

O jovem, proveniente da Somália, foi encontrado morto dentro de uma tenda no início desta semana. No momento em que as autoridades chegaram ao local, cerca de 12 horas após a morte do rapaz, o …

Coreia do Norte alega que a covid-19 poderia flutuar em balões vindos do Sul

A Coreia do Norte pediu aos seus cidadãos que não leiam panfletos de propaganda enviados através de balões do Sul, alegando que a covid-19 poderia entrar no país através das gotículas. De acordo com a agência …