Caso de Setúbal. Omissão do Governo é “grave” e PS está a “abusar do poder”

4

Carlos Barroso / Lusa

Luís Marques Mendes

Luís Marques Mendes quer saber porque é que o Governo não informou as autarquias e a Alto Comissariado para as Migrações sobre as conclusões dos serviços de informações em relação a Igor Khashin, o russo responsável pela recolha de dados a refugiados ucranianos em Setúbal.

Na passada sexta-feira, o Expresso noticiou que o Serviço de Informações e Segurança (SIS) já monitorizava Igor Khashin ainda antes de a polémica de Setúbal se instalar.

Nestas situações, referiu Luís Marques Mendes, é habitual que os serviços entreguem os relatórios a responsáveis políticos, neste caso o primeiro-ministro, António Costa.

“O SIS transmite as informações que tem ao primeiro-ministro. Porque é que o Governo não informou as autarquias de que esta pessoa não era recomendável?”, questionou, no seu habitual espaço de comentário na SIC.

Para o antigo líder do PSD, a “omissão é grave” e tem de ser esclarecida de forma “rápida e cabal” por António Costa. Caso contrário, deve ser a Assembleia da República a exigir um esclarecimento ao governante.

“O primeiro-ministro é o único que pode dar essa informação, mesmo à AR porque só ele tem a tutela dos Serviços de Informações”, disse, citado pelo Expresso.

Além disso, o comentador destacou “outro facto grave”, que se prende com o “abuso da maioria absoluta” por parte do PS, que travou as audições do presidente da Câmara de Setúbal e da embaixadora da Ucrânia na Assembleia da República.

De que é que o PS tem medo? É desta forma que pretende usar a maioria absoluta? Isso não é exercer o poder, é abusar dele”, atirou.

“Tudo isto é muito estranho. Ou o PS impediu, o que significa que tem alguma coisa a escolher, ou quer agradar ao PCP, fazer um favor, porque este tema é incómodo ao PCP”, acrescentou, considerando que se trata de um “mau exercício de maioria absoluta“.

“Todos os partidos queriam esclarecer [a polémica] e o PS usa a sua maioria absoluta para impedir”, criticou Marques Mendes.

Este domingo à tarde, Luís Montenegro instou a oposição a constituir uma comissão parlamentar de inquérito sobre o caso, para tornar obrigatória a audição de certas personalidades e para que o Governo esclareça o que sabia sobre o caso.

O comentador aplaudiu a ideia do candidato à liderança social-democrata e deixou várias críticas à oposição que o PSD de Rui Rio está a fazer. Aliás, sobre o partido, Marques Mendes referiu mesmo que as eleições internas já deviam ter sido há mais tempo e que o PSD está em “autogestão” à espera de um “líder que ponha ordem na casa”.

  ZAP //

4 Comments

  1. “Luís Marques Mendes quer saber…”
    Hahahahaaa… desconfio que o tal russo ainda é mais “recomendável” do que este “mago do comentário político”!…

  2. É com gente desta, de que o PSD está superlotado, que faz com que o partido PSD em vez de marchar para a frente, não sai da marcha atras, estas personalidades são do tempo que bastava dizer que os comunistas comiam as criancinhas para se ganhar eleições, e se fizermos uma retrospetiva esta atitude tem sido repetitiva apesar do insucesso, era o comunismo depois o socratismo e assim continua com a marcha atras em atos eleitorais, agora o lema com que pretendem agitar as claques, qualquer candidato á sucessão de Rui Rio, é combater o Costa, é combater o PS, e assim se constata o marasmo da falta de ideias para os portugueses, para Portugal, a falta de politicas de ideias para Portugal, ainda agora foram coniventes com a eliminação do Ivoucher, ou sela, tínhamos o combustível caro, e o adocicar com o Ivoucher (o melhor sistema de todos os tempos para compensar a carestia de artigos) e assim continuamos com os combustíveis a galopar e sem o Ivouscher, enfim é possível que um dia peçam ao Costa para tomar conta do PSD, porque com estes dirigentes e candidatos não sairá do marasmo a não sairá da marcha atras, não adianta fazer politica para as claques que por aqui vagueiam, já que os votos destes nunca chegará para governar, nem mais ou menos.

  3. O ivoucher dos combustíveis foi como aquele rebuçado que se abana ao pé da boca da criança e depois se esconde e não se dá! As maroscas que eles, políticos, inventam para enganar o Zé!! Às empresas petrolíferas é que o governo acenou o rebuçado e enfiou-lho bem na boca! Coitados eles até precisam de uns lucrozitos para poderem investir! E nós salvamos bancos, aguentamos a troika, se for preciso outra vez, e enfrentamos a inflação com os combustíveis em escalada! Não há problema, passa-se fome! Isto é mesmo gozar com quem paga impostos a sério porque há para aí uns contribuintes aos quais se fazem uns descontozinhos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.