Casa Branca declara guerra ao impeachment de Donald Trump. Inquérito de destituição é “inconstitucional”

A Casa Branca informou esta terça-feira o Congresso dos Estados Unidos que se recusa a participar no inquérito em curso para um eventual processo de destituição do Presidente Donald Trump.

A administração Trump considera que o órgão legislativo não tem legitimidade para liderar tal processo e decidiu cessar a entrega voluntária de testemunhos e documentos.

“As ações sem precedentes [do Congresso] deixaram o Presidente sem escolha”, escreveu Pat Cipollone, advogado e conselheiro da Casa Branca, numa carta enviada Nancy Pellosi, a democrata que é presidente da Câmara dos Representantes. “Para poder cumprir as suas obrigações para com o povo norte-americano, a Constituição, o poder Executivo e com todos os futuros ocupantes da Presidência, o Presidente Donald Trump e a sua administração não podem participar neste inquérito parcial e inconstitucional sob estas circunstâncias”, pode ser lido na carta de oito páginas a que o The New York Times teve acesso.

A decisão pode antever uma guerra constitucional. A carta foi divulgada horas depois do cancelamento da entrevista de Gordon Sondland, o embaixador norte-americano para a União Europeia, uma testemunha-chave no processo de destituição de Trump após a revelação da transcrição da conversa entre o presidente norte-americano e o homólogo ucraniano. As ordens partiram do Departamento de Estado, de acordo com o advogado de Gordon D. Sondland, mas foi corroborada por Donald Trump no Twitter.

“Adoraria enviar o embaixador Sondland, um bom homem e um grande americano, para testemunhar, mas infelizmente ele estaria a testemunhar perante um tribunal de cangurus [expressão coloquial usada para designar julgamentos sem provas], onde os direitos dos republicanos foram apagados e os factos verdadeiros não são mostrados ao público”, escreveu.

Democratas acusaram o governo norte-americano de obstrução. O diretor do Comité de Informações da Câmara dos Representantes, o democrata Adam Schiff, disse que o impedimento é “mais uma forte prova da obstrução das funções constitucionais do Congresso” por parte do governo de Donald Trump.

Adam Schiff acrescentou ainda que o Departamento de Estado bloqueou também o acesso por parte daquele comité a mensagens no telemóvel privado do diplomata.

“Sabemos que o embaixador tem mensagens e emails num aparelho pessoal que foram dadas ao Departamento de Estado. Embora tenhamos solicitado essas mensagens ao embaixador, o Departamento de Estado está a guardá-las”, disse Adam Schiff.

Líder democrata critica Casa Branca

A recusa da Casa Branca em cooperar na investigação para um eventual processo de destituição do Presidente dos EUA é uma “tentativa ilegal de ocultar os factos”, defendeu esta terça-feira a líder democrata no Congresso. O anúncio da Casa Branca é “simplesmente outra tentativa de esconder os factos sobre os esforços descarados do Governo [de Donald] Trump de pressionar as potências estrangeiras a interferirem nas eleições de 2020”, afirmou Nacy Pelosi, em comunicado.

“É a última tentativa (…) para camuflar a traição da nossa democracia”, frisou a política norte-americana que lidera a Câmara dos Representantes. Algumas horas antes, a Casa Branca anunciara a sua recusa em cooperar com a investigação do Congresso norte-americano, com o argumento de que as investigações sobre o caso ucraniano conduzidas pelos democratas eleitos não eram legítimas nem imparciais.

O Presidente norte-americano foi acusado de pressionar o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, a investigar o seu rival político e ex-vice-Presidente Joe Biden.

Esta chamada, cuja transcrição foi revelada na última semana após a queixa de um denunciante, levou os democratas a darem início a um processo de impeachment presidencial. Na segunda-feira, o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, recebeu uma intimação relacionada com os seus contactos com as autoridades ucranianas.

Mais tarde, o Governo australiano confirmou que houve uma segunda chamada, em que Donald Trump pressionou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, para que este o ajudasse a descredibilizar a investigação do procurador especial Robert Mueller. O governo australiano confirmou que a chamada aconteceu e que o primeiro-ministro concordou em ajudar.

A Casa Branca restringiu o acesso à transcrição da conversa telefónica entre o Presidente dos EUA e o primeiro-ministro da Austrália a um pequeno grupo de assessores. A decisão é invulgar mas semelhante à que foi tomada no caso da chamada com o Presidente da Ucrânia.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

"Não sou condicionável por coisa nenhuma". Tomás Correia diz que não sai do Montepio

O presidente da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), António Tomás Correia, afirmou esta quinta-feira que não é “condicionável por coisa nenhuma”, recusou estar a ser afastado da mutualista e reiterou que não sairá no dia …

Ministra da Saúde quer enfermeiro de família para todos os portugueses

A ministra da Saúde, Marta Temido, quer que todos os portugueses tenham um enfermeiro de família atribuído até ao final da próxima legislatura, à semelhança da meta traçada para os médicos de família. Na abertura do …

Rei de Marrocos indulta jornalista marroquina condenada por aborto

O rei de Marrocos, Mohamed VI, indultou a jornalista Hajar Raissouni, recentemente condenada a um ano de prisão por "aborto ilegal" e "relações sexuais fora do casamento", segundo um comunicado oficial. A mulher, de 28 anos, …

Morreu Elijah Cummings, um dos democratas que investigava Trump

O congressista norte-americano Elijah Cummings, uma das figuras do Partido Democrata mais respeitadas na oposição pela sua frontalidade e por acalmar protestos violentos e desentendimentos entre adversários, morreu esta quinta-feira, aos 68 anos. A notícia da …

Risco de pobreza em Portugal é o mais baixo de sempre. Mas há 330 mil menores em risco

O ano de 2017 trouxe melhorias às condições de vida da população, com o risco da pobreza a atingir 17,3% dos residentes em Portugal. É a taxa mais baixa desde que este indicador é tratado, …

Maria Martins conquista bronze nos Europeus de ciclismo de pista

Maria Martins venceu nesta quarta-feira a medalha de bronze no “scratch” feminino dos Europeus de ciclismo de pista, que nesta quarta-feira arrancaram em Apeldoorn, na Holanda. Depois de várias medalhas em Europeus sub-23, a ciclista de …

Carlos César: Firmar um acordo com o Bloco descriminaria os restantes partidos de esquerda

O dirigente socialista Carlos César mostrou-se esta quarta-feira confiante que o novo Governo será para quatro anos, considerando ainda que firmar um acordo com o Bloco de Esquerda seria discriminar os restantes partidos de esquerda. …

Médico que deixou bebé nascer sem rosto tem quatro processos na Ordem

O obstetra que não detetou malformações graves num bebé que acabou por nascer sem rosto no início deste mês, em Setúbal, tem quatro processos em curso no conselho disciplinar da Ordem dos Médicos. A informação foi …

Tensão na Catalunha afeta realização do Barcelona-Real Madrid

A violência dos protestos na Catalunha está a fazer com que a Liga e a Federação de futebol espanholas repensem a ideia de o clássico entre Barcelona e Real Madrid se realizar em Camp Nou. O …

Assis critica novo Governo do PS. É "muito António Costa" e feito só para dois anos

O ex-eurodeputado do Partido Socialista (PS) Francisco Assis não poupou nas críticas ao novo Governo, que António Costa apresentou ao Presidente da República na terça-feira ao final do dia, considerando que este é um executivo …