A capital do Irão está a ser devorada por fendas e buracos enormes

wsrmatre/ Flickr

Vista de Teerão, capital do Irão

Buracos gigantescos e fissuras estão a surgir ao redor do Teerão, a capital do Irão. E segundo a Associated Press, ameaçam casas e infraestruturas locais.

O chão do Teerão está a abrir. Segundo a Associated Press, os buracos e as fendas estão a surgir na capital do Irão graças a uma crise de seca, que conta já com três décadas de desertificação contínua.

Segundo um relatório de 2018 do Circle of Blue, uma organização sem fins lucrativos voltada para questões hídricas, o problema foi agravado à medida que a população da cidade cresceu para cerca de 8,5 milhões de pessoas.

A água bombeada de aquíferos subterrâneos tem ficado mais salgada, uma vez que a cidade tem dependido cada vez mais dessas fontes de água subterrânea, em oposição à água da chuva. Em simultâneo, uma grande parte do fornecimento de água é desviado para uma agricultura ineficiente.

Como resultado, a terra está a cair sobre si mesma, relata a AP. O solo ao redor do Teerão está a diminuir, em média, 22 centímetros por ano, segundo o Governo iraniano.

O afundamento da cidade tem provocado a quebra de canos de água, abertura de gigantescos buracos na terra e fissuras de quase um quilómetro de comprimento. Os moradores temem, inclusivamente, que os seus prédios colapsem, colocando a sua vida em risco. O aeroporto, a refinaria de petróleo, as estradas e a ferrovia estão também ameaçados.

O problema é, em parte, a consequência das sanções internacionais aplicadas ao país desde a sua revolução, adianta a AP. O Irão tem procurado produzir alimentos suficientes para alimentar toda a sua população em tempos de crise, e isso tem causado sérios problemas no que diz respeito ao fornecimento de água.

Alguns danos podem ser permanentes, já que, mesmo após períodos de chuva, a terra não “incha” novamente. Esse problema sugere que as rochas daquela área podem ter perdido a capacidade de absorver tanta água quanto a que absorviam antes.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Mais um exemplo da ganância e do desinteresse humano pela vida e biodiversidade no planeta, cidades gigantescas, população a mais para o território é o que acontece em muitos países sobretudo asiáticos e que estão a asfixiar o planeta ao ponto de daqui por algum tempo já não haver possibilidades de retorno. O ser humano parece não ter entendido ainda que é necessário saber equilibrar a quantidade populacional com o resto da vida e fauna que os rodeia e nem todos os lugares poderão ser tomados por igual devido às diferenças climáticas e naturais.

  2. Isso é fim de mundo gente, quem quiser escapar tem que fazer um bucker de 300 metros de profundidade para se livrar das bombas nuclear

RESPONDER

Banco Alimentar recolhe 1.605 toneladas de alimentos no fim de semana

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1.605 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais, anunciou a presidente do Banco Alimentar contra …

Sérgio Conceição apontado à Lazio

A imprensa italiana aponta esta segunda-feira o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, à Lazio. O técnico português, recorde-se, passou pelo emblema italiano em duas ocasiões como jogador de futebol. O jornal italiano Il Messaggero adianta …

Filial portuguesa de multinacional alemã envolvida em subornos em Angola

A sucursal portuguesa em Angola da multinacional alemã Fresenius Medical Care, que actua na área médica, esteve envolvida num esquema de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que renderam 124 milhões de euros …

CGD acaba com empresa que criou há quase 20 anos com a PT

Criada há quase 20 anos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) e pela Portugal Telecom (PT), a Caixanet foi liquidada no início deste ano, bem como a Caixa Tec e a Sogrupo, duas outras empresas …

MB Way. Bancos "fecham" aplicação para cobrar comissões diferenciadas nas transferências

Em pleno arranque do 'open banking', os bancos estão a substituir a aplicação MB Way por soluções próprias que "amarram" os clientes, com o propósito de cobrar comissões diferenciadas nas transferências através do telemóvel. Segundo noticiou …

A abstenção venceu. É a mais alta de sempre

A abstenção foi a grande figura das eleições europeias deste domingo, tendo 68,7% dos portugueses optado por não votar. A abstenção em Portugal voltou a atingir um novo recorde, enquanto que a taxa de participação …

Neurocirurgia do Hospital de São João deixa os contentores ao fim de 12 anos

O novo serviço de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, está a funcionar desde este sábado. Ao fim de 12 anos, os serviços de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, deixaram de …

Derrota histórica para o PSD. O PS resiste, o Bloco chega-se à frente e o PAN estreia-se

A derrota do PSD, com uma desvantagem de mais de 10 pontos percentuais sobre o PS que foi o vencedor da noite eleitoral, o reforço do Bloco de Esquerda como a terceira força política e …

Sindicalista que parou o país vai representar seguranças privados

O vice-presidente do Sindicato Nacional de Motoristas e Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, vai acumular este cargo com a vice-presidência de um outro sindicato, o Sindicato de Segurança e Vigilantes de Portugal (SSVP), que …

Uber, táxis e Tuk-Tuk vão estar na mira da GNR

Os Ubers, táxis e Tuk-Tuk vão estar na mira da GNR que inicia, esta segunda-feira, uma operação de fiscalização intensiva aos transportes individuais de passageiros em todo o país. A fiscalização do licenciamento e a certificação …