Canadá. Trudeau luta por segundo mandato depois de meses de casos polémicos

World Bank / Flickr

Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, corre o risco de perder a maioria nas legislativas de segunda-feira, tornando-se o primeiro chefe de governo canadiano apoiado por uma maioria parlamentar a falhar a reeleição desde 1935.

Para os analistas, o líder do Partido Liberal, de 47 anos, é “vítima” de uma combinação de polémicas à sua volta e das elevadas expectativas que criou, segundo informou no domingo a agência Lusa.

A primeira polémica, como noticiou o Público, envolveu a sua ministra da Justiça e procuradora-geral, Jody Wilson-Raybould, em março, por causa de um julgamento de uma empresa de engenharia suspeita de em 2001/2002 subornar o líder da Líbia, Muammar Kadhafi, para ganhar contratos lucrativos neste país.

O primeiro-ministro queria que houvesse um acordo em que a empresa pagava uma multa em vez de ir a julgamento. Jody Wilson-Raybould, que não quis pôr em causa a decisão dos procuradores levarem o caso a julgamento, acusou Justin Trudeau de a ter pressionado e de ter recebido ameaças veladas de pessoas próximas do primeiro-ministro.

Justin Trudeau não negou ter conversado com Jody Wilson-Raybould para tentar esta solução, mas nega que tenha havido pressões, como acusa a ex-procuradora.

O segundo episódio foi em junho, quando o Governo aprovou o projeto de expansão do oleoduto Trans Mountain, visto pelos ambientalistas como um passo atrás na política do Canadá reduzir emissões.

A principal medida ambiental do Governo de Justin Trudeau foi um “imposto de carbono”, que aumenta impostos sobre fontes de energia conforme as emissões de CO2 (o carvão é taxado para ficar mais caro que o gás natural, por exemplo).

Sébastien Jodoin, professor da Universidade McGill (Montréal), disse que se o Governo continuar apenas com as políticas atuais, isso será “insuficiente” para cumprir as metas do Acordo de Paris. Mas, apesar disso, acredita que as medidas de Justin Trudeau foram “as mais ambiciosas que já houve no Canadá”.

O terceiro caso foi a vinda a público de várias fotografias de um jovem Justin Trudeau em festas em que aparece mascarado, com a cara pintada de negro ou castanho. Uma prática conhecida como ‘blackface’, que em especial no mundo anglo-saxónico remete para os espectáculos no século 19, num período de racismo institucionalizado e escravatura, em que brancos faziam papel de negros com as caras pintadas e com características físicas exageradas e estereotipadas. O primeiro-ministro pediu desculpas.

A oposição criticou-o, começando pelo conservador Andrew Scheer, que o acusou de “uma total falta de discernimento e integridade”, para concluir que “não está apto a governar o país”. Uma acusação que não soou convincente, porque este tem sido acusado por manter candidatos que fizeram comentários racistas ou homofóbicos – desde que tenham pedido desculpas, Andrew Scheer não diz ver motivos para os afastar.

“Não penso que ele seja completamente rejeitado, só que não é visto com o interesse, como o líder, se quiserem, que as pessoas queriam e esperavam”, explicou à AP o professor de história canadiana e relações internacionais da Universidade de Toronto Robert Bothwell, citado pela Lusa.

O principal adversário de Justin Trudeau, Andrew Scheer, de 40 anos, é um político de carreira descrito pelos seus próximos como brando e reservado, traço que pode agradar aos eleitores mais cansados do atual primeiro-ministro fulgor.

Andrew Scheer acusou Justin Trudeau de falsidade e criticou-o por não ser sequer capaz de dizer quantas vezes pintou a cara de escuro. Prometeu eliminar a taxa de carbono e reduzir a despesa pública, incluindo a ajuda externa, 25%.

Mas Andrew Scheer também tem tido percalços, tendo sido criticado por “embelezar” o currículo e por ter dupla nacionalidade canadiana e norte-americana, como foi revelado este mês pelo jornal Globe and Mail.

Em 2015, Justin Trudeau reafirmou a identidade liberal do país depois de quase 10 anos de governo conservador e é considerado pelos liberais como uma luz de esperança na era Trump, sobretudo desde de aparecee na capa da revista Rolling Stone sob o título “Porque não pode ser ele o nosso Presidente?”.

O ex-Presidente dos Estados Unidos Barack Obama manifestou publicamente o seu apoio, apelando aos canadianos que reelejam Justin Trudeau, um “líder eficaz e trabalhador” e “um progressista”, que não foge de “grandes questões como as alterações climáticas”.

Justin Trudeau tem defendido a diversidade e a igualdade de género e o seu governo reflete-o: metade dos membros do executivo são mulheres, dois ministros são de ascendência ‘sikh’ e o ministro da Imigração é um refugiado nascido na Somália.

Os seus esforços para encontrar um equilíbrio entre o desenvolvimento económico e a defesa do ambiente tem sido criticada tanto à direita como à esquerda, porque se por um lado adotou o imposto sobre o carbono, por outro recuperou um projeto estagnado para a expansão do oleoduto de Alberta.

Aquele que é considerado o seu maior feito é o acordo de comércio livre com os Estados Unidos. Já Andrew Scheer defende valores diferentes: fiscalmente prudente, pessoalmente contra o aborto e contra a legalização da ‘cannabis’ (que Justin Trudeau legalizou).

(dr) Green Party Canada

Elizabeth May

Todas as sondagens apontam para que nem Liberais nem Conservadores obtenham a maioria absoluta. O cenário mais provável é a de que venha a ser formado um governo minoritário, que terá de contar com alianças de pequenos partidos.

A câmara baixa do parlamento do Canadá é composta por 338 deputados. Para ter a maioria absoluta, um partido tem de eleger pelo menos 170 deputados. Um governo de coligação é teoricamente possível, mas improvável, dado não fazer parte da tradição e cultura política canadiana.

De acordo com o Público, nas sondagens, Justin Trudeau aparece praticamente empatado com Andrew Scheer, com cerca de 30% dos votos (a média das sondagens feita pela TV pública CBC dá 31,7% aos conservadores e 30,8% aos liberais).

Segue-se o Partido Nova Democracia, de Jagmeet Singh, com 18,8%, os Verdes, de Elizabeth May, com 8,3%, e o Bloc Québecois, que só existe no Quebeque, de Yves-François Blanchet.

Quem pode ter a vida facilitada pela importância da ecologia no debate eleitoral são os Verdes. Mas Elizabeth May, a líder do partido, não conseguiu capitalizar o interesse, e muitos neste país produtor de petróleo temem que as suas propostas sejam demasiado radicais e com uma aplicação demasiado rápida, revelou o New York Times.

Isto, apesar de as emissões de gases com efeito de estufa do Canadá estarem mais altas do que nos anos 1990, disse a BBC. O país de 37 milhões de habitantes está entre os dez que mais produzem gases com efeito de estufa e também é um dos que mais emitem ‘per capita’, apontou ainda a emissora britânica.

Elizabeth May não se comprometeu com um parceiro de coligação preferencial, dizendo que ouviria ambos os partidos potencialmente mais votados. Portanto, o cenário pós-eleitoral está aberto para várias possibilidades.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …

Com a ajuda de um radar, cientistas revelaram pegadas de mamutes e humanos pré-históricos

Espalhados pelo Monumento Nacional de White Sands, nos Estados Unidos, encontram-se os "rastos fantasma" de mamutes mortos há milhares de anos. Agora, investigadores conseguiram revelar pegadas de humanos. De acordo com o Science Alert, esta descoberta, …

A desertificação está progredir na Índia. Mas a solução pode estar no conhecimento tradicional

Quase 45% da área de Maharashtra está a transformar-se em deserto, assim como uma grande parte da Índia. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o ritmo da desertificação no país é agora …

Um dos videojogos mais famosos do mundo é acusado de propaganda anti-Rússia

Call of Duty é uma das franquias de maior sucesso na história dos videojogos, mas atualmente existem pedidos para boicotar o seu último lançamento devido à descrição de conflitos militares do jogo. Call of Duty: Modern …

Nova aplicação rastreia todos os seus passos em troca de descontos

Todas as pessoas gostam de aproveitar descontos, negócios e saldos. A Miles é uma nova aplicação que lhe oferece isso em troca de algo: a sua privacidade. A app rastreia todos os seus movimentos, disponibilizando descontos …