Recebido em protesto, Boris Johnson reitera que não se demite para evitar novo adiamento do Brexit

Will Oliver / EPA

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, voltou a garantir que o Brexit vai mesmo acontecer a 31 de outubro, recusando demitir-se para evitar um novo adiamento na saída do Reino Unido da União Europeia.

“Assumi a função de liderar o meu partido, no meu país, num momento difícil e vou continuar a fazer isso. Acho que é a minha responsabilidade fazer isso e julgo que é a nossa função resolver o Brexit, no dia 31 de outubro, mas avançar com o país”, afirmou o líder conservador em entrevista à BBC, citado pela SIC Notícias.

Boris Johnson, que disse nesta entrevista que tem sido um exemplo de contenção, reiterou que o Brexit vai mesmo acontecer a 31 de outubro não explicando, contudo, como é que pretende contornar a lei que exige ao Parlamento que peça nova extensão do prazo caso não chegue a acordo com Bruxelas até 19 de outubro.

“Acho que as pessoas se deviam acalmar todas”, começou por dizer Boris. Incluindo o senhor?, questionou o jornalista da emissora britânica.

“Julgo que tenho sido um exemplo de contenção. Acho que todas as pessoas se deviam acalmar. Sob quaisquer circunstâncias iremos permitir que o Reino Unido fique preso na proposta existente [de Bruxelas] com estas condições. Que fiquemos retidos na estrutura de tarifas da Europa, retidos na união alfandegária, retidos no Mercado Único, mas sem uma palavra a dizer sobre essas condições. Temos de nos livrar do chamado mecanismo de salvaguarda. Foi isso que eu sempre disse e é isso que vamos fazer”, insistiu.

Na chegada às instalações da BBC, em Manchester, Boris foi recebido com protestos, tendo os manifestantes acusado o primeiro-ministro de mentir à Rainha e ao Parlamento. “Porque mentiu ao Parlamento, Boris? Porque mentiu à Rainha? Quando se vai demitir, Boris? Mentiroso!”, ouviu-se na sua chegada.

Tal como recorda a SIC Notícias, Boris tem sido criticado depois de o Supremo Tribunal do Reino Unido ter declarado ilegal a suspensão do Parlamento. O pedido foi feito pelo primeiro-ministro para, alegadamente, preparar o novo programa legislativo.

Boris sempre negou que a suspensão dos trabalhos fosse para impedir que o Parlamento tomasse medidas para travar um Brexit sem acordo.

Boris, recorde-se, tem reiterado que o Brexit tem que acontecer até 31 de outubro. O primeiro-ministro britânico tem repetido esta intenção, tendo afirmado mesmo que prefere “morrer numa valeta” a pedir novo adiamento do Brexit.

Berlim já admite adiamento mas com condições

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão mostrou-se no domingo disponível para um eventual novo adiamento da saída do Reino Unido da UE, ainda que sob condições.

“Procuramos o objetivo claro de alcançar um acordo com o Reino Unido“, afirmou o ministro Heiko Maas, em declarações publicadas no domingo no jornal alemão Welt am Sonntag, citado pela agência Lusa.

Heiko Maas ressalvou, no entanto, que esta medida deveria estar “vinculada a uma perspetiva” do que se deseja durante esse período extra e o que vai acontecer, porque não poder encerrar o capítulo ‘Brexit’ também é problemático para a Alemanha e UE.

“A insegurança é um fardo crescente para a nossa economia e capacidade de ação da UE”, alertou o ministro, acrescentando que “uma nova extensão só é concebível com uma razão realmente convincente, como novas eleições ou um segundo referendo”.

Na opinião do social-democrata Achim Post, segundo no grupo parlamentar, “uma nova extensão só é concebível com uma razão realmente convincente, como novas eleições ou um segundo referendo”. Uma nova extensão para continuar “a política de dar e receber em Londres” não deve ser permitida, indicou.

O atual prazo do Reino Unido para deixar a UE – que já é uma extensão – termina em 31 de outubro e o primeiro-ministro do país, Boris Johnson, está disposto a deixar a UE mesmo sem acordo. A posição da Alemanha, preocupada com as repercussões de um ‘Brexit’ sem acordo sobre a sua economia, está longe da posição de Paris, onde o Presidente, Emmanuel Macron, tem sido cético quanto à possibilidade de uma nova extensão.

Boris Johnson é contra alguns termos do acordo de saída da UE assinado pela sua antecessora, Theresa May, e em particular em relação à “salvaguarda irlandesa”.

No entanto, o primeiro-ministro está numa posição difícil, depois de ter perdido a maioria na câmara baixa e de o Parlamento ter aprovado uma lei que exige nova extensão se não chegar a acordo até 19 de outubro.

TP, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Esta notícia não leva em linha de conta que já está a ser preparada uma moção de censura contra Boris. Os Lib Dems, SNP e Labour, já estão a chegar ao consenso de colocar o orgulho de parte e deixar Corbyn ser o PM interino até novas eleições. Tal moção de censura ganhará sem problemas e depois é só pedir pra adiar o Brexit.

    Que Boris e toda a sua pandilha de bandidos, mentirosos e sem caracter, sejam totalmente excluidos da vida política, depois de quão queimados ficaram nesta curta prestação palhaça.

  2. A U.E. foi a coisa mais bonita e sensata q os políticos conseguiram fazer neste século. O q se dizia impossível foi feito e, com muitas dificuldades pelo meio, tem sido um sucesso. De Gaule tinha razão sobre os ingleses.

    • Talvez seja uma afirmação um pouco exagerada (e já foi no século anterior (séc. XX)) mas, pensado bem, tudo o resto é pior…. !…
      E, toda a gente tinha razão sobre o ingleses, que sempre foram uns piratas peritos em roubar e minar meio mundo (incluindo os “amigos”!) – e assim conseguiram construir um império, que agora se resume a viver de transacções comercias manhosas, com lavagens de dinheiro na city londrina (russos, árabes, chinocas, etc, que o digam) e paraísos fiscais em algumas ilhas controladas pela coroa britânica…

Responder a Eu! Cancelar resposta

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …

"A profissionalização é fundamental". Este ano já morreram quatro bombeiros, todos voluntários

Nos incêndios deste ano já morreram quatro bombeiros. O último ano tão mortífero foi 2013, em que sete bombeiros perderam a vida. Em comparação, nos incêndios de 2019, não se registaram vítimas mortais entre esses profissionais. Como …

Portugal só tem 4 fiscais da ferrovia (e cada um tem de inspecionar 811 quilómetros)

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) tem apenas quatro técnicos afetos à fiscalização do setor. O organismo está a pedir o reforço destes profissionais desde 2014. De acordo com a edição desta quarta-feira do …