Borrell acusa Rússia de desinformação para vender a sua vacina

European Parliament / Flickr

Josep Borrell, o Alto Representante da UE para a Política Externa

O Alto Representante da União Europeia para a Política Externa criticou esta segunda-feira a desinformação sobre a covid-19 por parte de meios “controlados pelo Estado russo” dirigida a países onde a Rússia tem interesse em “vender a sua vacina”.

“Os meios multilingues controlados pelo Estado russo troçam abertamente daqueles que desenvolvem as vacinas ocidentais”, afirmou Josep Borrell em mensagem no seu blogue, acrescentando que essas “narrativas são aparentemente dirigidas a países onde a Rússia quer vender a sua própria vacina, a Sputnik V”.

O chefe da diplomacia europeia enfatizou que “qualquer tentativa de instigar tais dúvidas infundadas ameaça a saúde pública” e advertiu que “organizações terroristas como o Daesh (o grupo extremista autodenominado Estado Islâmico) também usaram a confusão da situação da covid-19 para espalhar a sua própria propaganda”.

“Durante a infodemia de covid-19, temos visto quão generalizadas e o quão danosas as ingerências estrangeiras e a desinformação podem ser para a nossa segurança, democracia e sociedades”, disse.

No seu blogue, o chefe da diplomacia europeia destacou ainda que a desinformação “não é um desafio novo” e alertou que “alguns atores estatais, como a Rússia e a China, participam ativamente nessas atividades” para “minar e deslegitimar os sistemas democráticos e valores de liberdade, pluralismo e sobre os controles e equilíbrios em que se baseiam”.

O Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE) tem equipas de trabalho para fazer seguimento da desinformação a favor do Kremlin e publicou a quinta edição do seu Relatório Especial sobre desinformação da covid-19 que, segundo Borrell sublinhou no seu blogue, “pode causar danos consideráveis durante uma crise de saúde global”.

Ainda esta segunda-feira, o diretor do Centro Gamaleya da Rússia, Alexandr Guintsburg, previu que uma vacina criada a partir da Sputnik V e da britânica AstraZeneca poderá proporcionar dois anos de imunidade contra a covid-19.

“Como resultado do uso de uma vacina híbrida de dois componentes, as células de memória vão formar-se muito melhor e a vacina obviamente vai proteger a pessoa vacinada não por três ou quatro meses, mas por pelo menos dois anos, embora precise de algum trabalho adicional para provar isso experimentalmente”.

Borrell destacou também o trabalho da UE contra a desinformação através de ferramentas como o Sistema de Alerta Rápido ou o Plano de Ação para a Democracia Europeia da Comissão Europeia, apresentado no início de dezembro, que “se entra na integridade das eleições, o pluralismo dos meios e a luta contra a desinformação”.

Ao mesmo tempo, expressou a confiança de que “as regras e respostas” da UE, como a Lei de Serviços Digitais e a Lei dos Mercados Digitais, apresentadas em 15 de dezembro pelo Executivo Comunitário, vão “proporcionar os instrumentos necessários para uma melhor responsabilidade, transparência e controlo das ações das plataformas” na luta contra a desinformação e a ingerência estrangeira.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.765.049 mortos resultantes de mais de 80,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …

Nuno Graciano "disponível" para acordo com Carlos Moedas

Nuno Graciano, candidato à Câmara Municipal de Lisboa pelo Chega, disse que há "condições" para conversar com Carlos Moedas, em caso de vitória do social-democrata. Em entrevista ao Diário de Notícias, Nuno Graciano, candidato do Chega …

Jogos Olímpicos: 4 modalidades estiveram em todas as edições

Curiosamente, em Tóquio também se vão estrear quatro modalidades (mais duas vertentes). Há desportos que só estiveram nos Jogos uma vez. Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 já arrancaram oficialmente. Depois do início de algumas modalidades, na …

Rússia "desconectada com sucesso" da Internet mundial em nova ronda de testes

A Rússia se "desconectou com sucesso" da rede mundial de Internet durante novos testes da sua tecnologia 'RuNet', informou o site de notícias RBC. De acordo com o site, que cita fontes não identificadas no setor …

Depois das cheias, Alemanha tem outra luta em mãos: limpar montanhas de lixo

Foram as cheias mais devastadoras da Alemanha nos últimos 60 anos, mas os problemas não acabaram com as chuvas. O país terá agora de lidar com montanhas de lixo, frigoríficos estragados e carros destruídos, amontoados …

Síndrome de Guillain-Barré apontada como efeito "muito raro" na vacina da Janssen

Infarmed justifica a decisão com os resultados da investigação feita pela Agência Europeia do Medicamento, iniciada após os reguladores norte-americanos terem dado o alerta para o "risco acrescido de se desenvolver uma condição neurológica rara …