Boris Johnson pode não participar nos debates com candidatos à liderança do Partido Conservador

O favorito a suceder Theresa May na liderança do Partido Conservador britânico, Boris Johnson, poderá ser representado por uma cadeira vazia no debate entre os vários candidatos no Channel 4 caso recuse participar.

Boris Johnson, anterior ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, tem optado por uma estratégia de pouca interação com a imprensa — e os seus oponentes estão a usar isso como vantagem, tendo assinado um comunicado conjunto a comprometer-se com a participação num debate televisivo.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, desde o início da campanha, Boris Johnson só respondeu a seis perguntas de jornalistas — e tem recusado sucessivamente todos os pedidos da imprensa para dar entrevistas.

Esta quinta-feira, Johnson ganhou a primeira volta da eleição interna, reunindo 114 votos entre os 313 deputados conservadores que estão habilitados a votar. Os deputados do Partido Conservador vão participar numa série de votações com o objetivo de reduzir os candidatos a dois favoritos — que serão depois escolhidos pelos militantes do partido através de voto por correspondência.

Os oponentes de Johnson que ainda se encontram na corrida — Jeremy Hunt, Michael Gove, Dominic Raab, Sajid Javid, Matt Hancock e Rory Stewart — assinaram esta semana um comunicado em conjunto no qual se comprometeram a participar em debates televisivos. “O próximo líder conservador, e primeiro-ministro, terá a tarefa crucial de unir o Reino Unido sob uma nova visão — não apenas para cumprir o Brexit, mas para definir o que vem depois”, lê-se no comunicado citado pela imprensa britânica.

“Esta corrida à liderança é uma oportunidade importante para debater, formar e definir as ideias que vão sustentar essas visões em competição. É por isso que nos comprometemos a participar nos debates televisivos no Channel 4 este domingo e na BBC na próxima terça-feira”, continua o comunicado.

Os candidatos vieram falar publicamente sobre a opção de Boris Johnson de recusar contactar com os jornalistas, apelando diretamente à participação do candidato nos debates televisivos. Jeremy Hunt, que ficou em segundo no primeiro dia de votações, diz que Johnson tem de ser “mais corajoso”. “Esse debate só pode acontecer se o nosso principal candidato nesta campanha for um pouco mais corajoso para aparecer nos media e participar em debates”, disse.

O ministro dos Negócios Estrangeiros inglês chega mesmo a invocar Winston Churchill para questionar o porquê de o principal candidato se recusar a participar em debates. “Se quer ser primeiro-ministro, tem de se mostrar e provar a sua ideia. O que diria Winston Churchill se alguém que quer ser primeiro-ministro do Reino Unido se esconde dos media e não participa nestes grandes eventos?”, disse Hunt.

O atual secretário de Estado para o Desenvolvimento Internacional, Rory Stewart, um dos candidatos com menos votos, veio mesmo questionar o que é que Boris Johnson tem a esconder ao optar por não falar com jornalistas.

O porta-voz de Boris Johnson disse que o candidato está “em conversações” com as emissoras televisivas com vista à possível participação nos debates.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Líder do assalto às armas de Tancos libertado

João Paulino estava preso preventivamente desde 28 de setembro de 2018. Esta segunda-feira foi libertado por excesso de prisão preventiva. O ex-fuzileiro João Paulino foi hoje libertado por excesso de prisão preventiva. A notícia foi confirmada …

Investigadores desenvolvem tecnologia que permite datar as impressões digitais

Encontrar as impressões digitais numa cena de crime nem sempre é suficiente para haver condenação, podendo os suspeitos alegar que as mesmas foram deixadas antes de o crime ocorrer. Essa realidade pode estar prestes a …

Coronavírus abala mercados mundiais. Petróleo derrapa mais de 3%

A preocupação com as consequências económicas da propagação do coronavírus na China está a ter um efeito devastador nos mercados. A derrapagem nos mercados acontece numa altura em que o número de mortos pelo surto de …

Prémio Tyler 2020: Defensores de políticas verdes ganham "Nobel do Meio Ambiente"

O Prémio Tyler 2020, também conhecido como o "Nobel do Meio Ambiente", foi atribuído à bióloga Gretchen Daily e ao economista ambiental Pavan Sukhdev, foi hoje anunciado. A bióloga especialista em conservação e o economista são …

Subsídios estão a ser pagos e aumento de 15% no ordenado "não é realista", diz a Ryanair

A Ryanair está a pagar os subsídios de férias e Natal, afirmou hoje um responsável da companhia, salientando que o sindicato dos tripulantes de cabine tenta “forçar” aumentos salariais de 15%, o que “não é …

Tia de Kim Jong-un faz a primeira aparição pública em mais de seis anos

Kim Kyong-hui, tia paterna do líder norte-coreano Kim Jong-un, reapareceu em público este sábado pela primeira vez em mais de seis anos, escreve a BBC. A emissora britânica, que avança a notícia citando a Agência Central …

Coronavírus. Madeira está a preparar-se para eventual surto

Região da Madeira “já está a delinear” quartos com pressão negativa e áreas isoladas, além de “fármacos, oxigénio, fatos protetores, máscaras e capacidade laboratorial”. O presidente do Instituto de Saúde (Iasaúde) da Madeira anunciou esta segunda-feira …

Luanda Leaks. Isabel dos Santos vai processar o consórcio de jornalistas

Depois de Rui Pinto ter assumido a autoria da divulgação dos documentos do caso Luanda Leaks, Isabel dos Santos avança que vai processar o consórcio de jornalistas. A empresária angolana Isabel dos Santos vai processar o …

Portugal vende cinco F-16 à Roménia por 130 milhões de euros

O ministério da Defesa Nacional oficializou hoje, na Base Aérea de Monte Real, no distrito de Leiria, a venda de cinco aviões militares F-16 à Roménia, num negócio de 130 milhões de euros. "Com este processo …

Pedro Proença e a violência no futebol: "É chegada a altura de o Governo assumir responsabilidades"

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol (LPFP), Pedro Proença, disse esta segunda-feira, depois de uma reunião no Ministério da Administração Interna (MAI), que o governo deve assumir responsabilidades sobre os recentes casos de violência …