“Adiar significa derrota, adiar significa ruína”. Boris Johnson lança campanha

Neil Hall / EPA

Boris Johnson lançou esta quarta-feira oficialmente a sua candidatura à liderança do Partido Conservador, alegando que adiar o Brexit será uma derrota e que é preciso o Reino Unido continuar a preparar-se para uma saída da União Europeia sem acordo.

O antigo presidente da câmara de Londres e ex-chefe da diplomacia britânica avisou, de acordo com o Diário de Notícias, que adiar novamente o Brexit será uma derrota, comprometendo-se com a data prevista de 31 de outubro.

“Nós não conseguiremos um resultado se dermos a impressão de que queremos continuar a chutar a bola mais para a frente e aprovar mais atrasos. Adiar significa derrota, adiar significa ruína”, referiu aquele que é o favorito à sucessão de Theresa May, que oficializou a sua saída da liderança dos Tories a 7 de junho mas continuará como líder interina até à eleição do sucessor.

“A cada semana e mês que passa e que deixamos de cumprir a nossa promessa, temo que nos alienemos não apenas os nossos apoiantes naturais, empurrando-os para os braços dos partidos insurgentes, mas qualquer um que acredita que os políticos devem cumprir as suas promessas”, disse, alegando que adiar significa entregar o país a Jeremy Corbyn, o líder da oposição trabalhista.

Questionado sobre um Brexit sem acordo, Boris Johnson deixou claro: “Não estou a apontar para um resultado sem acordo. Acho que não vamos acabar com uma coisa assim, mas é responsável prepararmo-nos vigorosa e seriamente para um não-acordo. De facto, é surpreendente que alguém possa sugerir dispensar essa ferramenta vital na negociação.” Johnson recusou comprometer-se a demitir-se se o Reino Unido ainda estiver na União Europeia depois de outubro.

“A melhor forma de evitar um Brexit desordenado é fazer preparativos agora que vão permitir-nos sair de forma ordenada se tivermos que sair. Mas acima de tudo, se fizermos agora os preparativos, vamos passar a convicção aos nossos amigos e parceiros de que seremos capazes de ter uma saída assim se tivermos, se tivermos coragem, se formos obrigados a ir por esse caminho, que, obviamente, seria de último recurso, não algo que qualquer um deseja, mas como a nossa última opção”, disse.

O ex-chefe da diplomacia de May acredita que com um novo governo, “com um novo mandato, um novo otimismo e uma nova determinação” poderá conseguir um novo acordo da União Europeia.

“Agora é hora de unir este país e esta sociedade”, disse, alegando que “não podemos começar nessa tarefa até termos respondido ao primeiro pedido das pessoas, a grande coisa que nos pediram para fazer. Após três anos e dois prazos falhados, temos que sair da União Europeia a 31 de outubro”.

Johnson recusou voltar a falar do facto de ter experimentado cocaína quando era estudante, alegando que um “relato canónico” do que ocorreu quando tinha 19 anos já foi bastante falado e que as pessoas querem focar-se na sua visão de futuro. As pessoas querem focar-se nos temas e “tudo o resto, francamente, acho que corre o risco de nos afastar do caminho”, disse, quando questionado sobre uma entrevista em 2007.

A admissão de um dos seus adversários, Michael Gove, de que consumiu cocaína quando era jornalista, há mais de 20 anos, causou-lhe problemas.

Questionado diretamente se alguma fez tinha feito algo ilegal, Johnson respondeu: “Não posso jurar ter sempre cumprido o limite de velocidade de 70 milhas por hora”.

Sobre o seu estilo de comunicação e os riscos que este implica, o deputado conservador defendeu que “é vital que os políticos se lembrem que uma das razões pelas quais o público se sente alienado de nós todos enquanto uma raça, os políticos, é porque muitas vezes sentem que estamos a conter e a abafar a nossa linguagem, não falando aquilo que achamos, cobrindo tudo em burocracia, quando o que eles querem ouvir é o que pensamos genuinamente”.

Boris Johnson lembrou o seu currículo e os seus sucessos como presidente da câmara de Londres para defender que as promessas que faz enquanto político são para cumprir – por exemplo,a diminuição dos crimes com armas brancas durante o seu mandato, falando de uma redução de 32% na violência juvenil quando estava no cargo.

O Partido Conservador começa esta quinta-feira uma série de votações para escolher um novo líder, que vai assumir também o posto de primeiro-ministro britânico no final de julho, sucedendo a Theresa May. Dez candidatos conseguiram as oito nomeações necessárias para serem admitidos na eleição interna, conduzida pelo chamado Comité 1922, cuja primeira fase está reservada ao grupo parlamentar.

A primeira volta da eleição decorre entre as 10h00 e 12h00 locais e os resultados são esperados por volta das 13h00, determinando as regras que os candidatos com 16 votos ou menos sejam eliminados ou, se tal não acontecer, é afastado aquele com menor número de votos.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. O mentirosão-mor a dizer que quando promete é pra cumprir.. Este homem tem um palmarés inigualável de mentiras e promessas não cumpridas no seu currículo e vem-me com esta conversa. Epá… Vai pra casa, texugo oxigenado.

      • É natural que sim… Tanto ele como Jacob Rees-Mogg e Nigel Farage têm negócios pessoais com milhões em Off-Shore e fogem aos impostos como cães. Numa altura em que a UE anda a apertar com a evasão fiscal e lhes anda a fechar o cerco, é natural que esteja na disposição de sacrificar a população Britânica pelos seus interesses pessoais.

        É pena é que depois não veja com os mesmos olhos a saida da Escócia do Reino Unido e tudo faça para lhes vetar esse direito. Dois pesos e duas medidas. Mas isso já são outros 500…

        • Mas isso tudo que diz já foi provado? Há alguém preso ou anda apenas a delirar?! Parece-me que o MMQ evidencia uma falta de uma estrutura lógica de pensamento sobre este tema e enfia num mesmo saco de tudo um pouco à espreita de que algo sirva enquanto argumento.
          Para comentar a realidade inglesa sugiro-lhe que venha para cá viver e trabalhar como eu que já aqui sou professor universitário há mais de 15 anos. Iria perceber melhor o que pretende esterilmente comentar.

          • Chama-se à sugestão que você acabou de fazer, perder uma excelente oportunidade de estar calado:

            1. Vivo no Reino Unido há vários anos, onde tirei Mestrado e rabalho na Indústria Cinematográfica… E onde também trabalho ocasionalmente como “lecturer” em universidades Escocêsas.

            2. Toda a gente sabe bem o que se passa em termos de evasão fiscal com os negócios de Farage e de Rees-Mogg na Isle of Man. Tenha paciência que, vir com conversas de trânsitos em julgado nem é sério da sua parte. É pura desonestidade intelectual.

            https://www.youtube.com/watch?v=_HDFegpX5gI

            De resto, não sou eu que meto tudo no mesmo saco… É você que escolhe os independentismos “a la carte”. Mas o seu problema é típico dos Portugueses. Não há emigra Português que não seja invejoso e não diga aos outros Portuguêses “epá não venham que isto não é assim tão bom como dizem…”. Como você já está cá há 15 anos, já deve ter “settled status” ou mesmo cidadania… E por isso até lhe dá jeito o Brexit à boa maneira Portuguesa de entrar no barco e puxar a escada aos que vêm atrás.

          • Se o ZAP não se entretesse a bloquear todas as várias tentativas de resposta que eu já postei… É de facto uma vergonha a censura praticada por estes “pequenos poderes”.

            Apesar de saber que a razão de ser do tráfego do site ser maioritáriamente a possiblidade de comentar, depois tratam assim quem lhe mete o pão na mesa.

            • Agradeço a publicação dos comentários, cuja demora me levou a crer que não fossem ser publicados. Não há pois necessidade de manter o comentário acima, nem o que está abaixo deste, que é quase igual ao que está dois acima.

  2. Chama-se à sugestão que você acabou de fazer, perder uma excelente oportunidade de estar calado:

    1. Vivo no Reino Unido há vários anos, onde tirei Mestrado e rabalho na Indústria Cinematográfica… E onde também trabalho ocasionalmente como “lecturer” em universidades Escocêsas.

    2. Toda a gente sabe bem o que se passa em termos de evasão fiscal com os negócios de Farage e de Rees-Mogg na Isle of Man. Tenha paciência que, vir com conversas de trânsitos em julgado nem é sério da sua parte. É pura desonestidade intelectual.

RESPONDER

Quase metade do rendimento das famílias na Grande Lisboa é para pagar renda

A prestação derivada da compra de uma casa na Área Metropolitana de Lisboa (AML) representa uma taxa de esforço de 28% para as famílias. Contudo, arrendar é ainda mais dispendioso, com as rendas a representarem …

Portugal conquista ouro no basquetebol nos INAS Global Games

Portugal conquistou hoje quatro medalhas no último dia dos INAS Global Games, competição mundial para atletas com deficiência intelectual, através da seleção de basquetebol (ouro) e do ciclista Carlos Carvalho (três medalhas de prata). A equipa …

Benfica e FC Porto doam receitas ao Cova da Piedade e Coimbrões

O Benfica e o FC Porto decidiram entregar a sua receita, correspondente à bilheteira e à transmissão televisiva, aos seus adversários da terceira eliminatória da Taça de Portugal. Na semana passada, jogou-se a terceira eliminatória da Taça …

Nova lei de registo dos animais vai levar freguesias a perderem receita

O objetivo da nova lei é criar uma base única de dados nacional de registo dos animais e acaba com a obrigatoriedade da licença para os cães. O presidente da maior freguesia do distrito de Bragança, …

Vem aí um novo ecoponto (e vai ser castanho)

A partir de janeiro de 2024, todos os Estados-membros da União Europeia vão ser obrigados a ter um quarto contentor para a recolha seletiva do lixo. Desta vez, será castanho e passará a estar nas ilhas …

Federação Portuguesa de Futebol condena jogadores por viciação de resultados

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol condenou dois futebolistas e dois treinadores por manipulação de resultados no âmbito do caso "Jogo Duplo". O Público chama-lhe "uma decisão histórica". No âmbito do caso "Jogo …

Diferendo entre Galp/REN e ERSE pode custar 179 milhões de euros aos consumidores

As empresas de gás da Galp e da REN Portgás voltaram a impugnar as tarifas reguladas publicadas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e avançaram com o décimo processo judicial. Caso vençam, os clientes …

Salário mínimo de 700 euros "é perfeitamente razoável", diz líder da CIP

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, considerou que é "perfeitamente razoável" que o salário mínimo nacional (SMN) alcance os 700 euros durante a próxima legislatura. “Parece-me tão razoável como pode parecer outro …

Descoberto caminho de peregrinos mandado construir por Pôncio Pilatos em Jerusalém

Um caminho em pedra que terá sido usado há cerca de 2000 anos por peregrinos e mandado construir por Pôncio Pilatos foi descoberto perto do Monte do Templo, em Jerusalém, com uma centena de moedas …

Canadá. Trudeau luta por segundo mandato depois de meses de casos polémicos

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, corre o risco de perder a maioria nas legislativas de segunda-feira, tornando-se o primeiro chefe de governo canadiano apoiado por uma maioria parlamentar a falhar a reeleição desde 1935. Para …