Demissão de Theresa May dá tiro de partida para eleição de novo líder conservador no Reino Unido

Andy Rain / EPA

Theresa May

A primeira-ministra britânica, Theresa May, formalizou hoje a demissão da liderança do partido Conservador anunciada em maio, desencadeando uma eleição interna para encontrar um sucessor.

Enquanto primeira-ministra, mantém-se em funções até que esteja em posição de dizer à rainha Isabel II quem esta deve nomear como sucessor, na sequência da eleição no Partido Conservador, noticiou o Sapo 24 esta sexta-feira, citando a agência Lusa.

O vencedor, enquanto líder do partido do Governo, torna-se também primeiro-ministro sem a necessidade de eleições legislativas.

Numa declaração à porta da residência oficial, em Downing Street, a 24 de maio, a primeira-ministra reconheceu que o fracasso em aplicar o ‘Brexit’ determinou a sua decisão de se demitir.

“É e será sempre motivo de profundo desgosto para mim não ter sido capaz de implementar o ‘Brexit’. Caberá ao meu sucessor encontrar um caminho que honre o resultado do referendo”, afirmou.

Theresa May disse ter feito o possível para convencer os deputados a aprovar o acordo que negociou com Bruxelas para fazer o Reino Unido sair da União Europeia (UE), mas, “infelizmente”, não conseguiu.

O documento foi chumbado três vezes na Câmara dos Comuns por margens elevadas devido não só à divergência da oposição e dos deputados anti-‘Brexit’, mas também por causa da discórdia por vários eurocéticos do seu próprio partido.

“É claro agora para mim que é melhor para o país que um novo primeiro-ministro lidere esse processo”, acrescentou.

A primeira-ministra britânica pretendia fazer uma quarta tentativa esta semana, mas a proposta de permitir uma votação sobre um novo referendo motivou desentendimentos dentro do próprio governo, desencadeando a demissão da ministra para os assuntos parlamentares, Andrea Leadsom.

Vencedor anunciado na semana de 22 de julho

Onze deputados conservadores estão na calha para substituir Theresa May. As candidaturas abrem às 10:00 (hora local, a mesma em Lisboa) de segunda-feira e terminam às 17:00 do mesmo dia, revelou o Expresso.

A data inicial para a saída do Reino do Unido da UE era 29 de março. Contudo, a mesma foi adiada – primeiro para 12 de abril e, mais tarde, para 31 de outubro – depois de não ter conseguido a aprovação na Câmara dos Comuns do seu acordo de saída.

Os candidatos à liderança dos ‘tories’ precisam do apoio de oito deputados, lembrou a BBC. Posteriormente, os deputados votarão nos seus candidatos preferidos numa série de votações secretas a realizar nos dias 13, 18, 19 e 20 de junho.

Na quinta-feira, Charles Walker, do comité que define as regras, disse que tenciona ter dois candidatos até 20 de junho. Os dois finalistas serão depois votados por membros do Partido Conservador numa votação mais ampla, devendo o vencedor ser anunciado na semana de 22 de julho.

Saída a 31 de outubro com ou sem acordo

O modo como o próximo primeiro-ministro consiga fazer aprovar um acordo de saída e se os candidatos aceitariam uma saída sem acordo têm sido as duas questões dominantes da campanha, que começa oficialmente depois de Theresa May renunciar, lê-se no Expresso.

O atual ministro do Ambiente, Michael Gove, um dos candidatos à liderança, afirmou que o Reino Unido não deve ficar preso a uma data “fixa” se precisar de mais algum tempo para conseguir um acordo. Outros candidatos, como Dominic Raab, antigo ministro, e Boris Johnson, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, insistem que o país deve sair a 31 de outubro, tenha ou não aprovado um acordo com Bruxelas.

A sugestão de Dominic Raab na quarta-feira de que estaria preparado para fechar o Parlamento para garantir que a saída acontecia na data prevista foi criticada pelos seus opositores. No dia seguinte, o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, disse que tal cenário “simplesmente não vai acontecer”.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, a economia portuguesa cresceu 2,2% em 2019 (mas está em desaceleração)

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu em alta, de 0,2 pontos percentuais, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português em 2019, situando-o em 2,2%, três décimas acima das previsões do Governo. Ainda assim, …

Deputado do PSD propõe referendo. "Concorda com a despenalização da prática da eutanásia?"

O deputado do PSD Pedro Rodrigues enviou na quarta-feira aos companheiros de bancada um projeto de resolução que propõe ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a convocação de um referendo sobre a eutanásia. De …

Alguém apostou no Placard num café fechado. Santa Casa perdeu dois milhões de euros

Durante quatro dias, a Santa Casa da Misericórdia registou o valor de dois milhões de euros em apostas, a partir de um café encerrado em Odivelas. Entre 9 e 12 de fevereiro, alguém apostou dois milhões …

Bairro da Jamaica. Novas suspeitas reabrem queixa contra agentes

Os moradores envolvidos nos confrontos de janeiro de 2019, no Bairro da Jamaica, pedem a reabertura do processo contra os agente da PSP. A defesa quer ver anulada a decisão do Ministério Público que acusou …

"Cuidados de morte." Governo acusado de cortar em cuidados paliativos para poupar dinheiro

A Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC) acusa o Governo de estar a cortar nos cuidados paliativos para poupar dinheiro. A TSF avança esta sexta-feira que a Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC) não tem dúvidas …

Novo Banco contrata detetives para seguir ex-líder da Ongoing

O Novo Banco contratou equipas especializadas compostas por investigadores privados para fazer o levantamento de todos os bens que possam ser associados a Nuno Vasconcellos, ex-líder da Ongoing. Segundo avança o Correio da Manhã esta sexta-feira, …

Eurobic nega que Teixeira dos Santos esteja a ser investigado pelo Banco de Portugal

Na quinta-feira, o jornal Público deu conta de uma investigação do Banco de Portugal (BdP) ao papel de Teixeira dos Santos no Eurobic no âmbito do caso Luanda Leaks. Agora, o banco vem a público …

Com Ferro Rodrigues "não acontecerá." Castração química não será debatida no Parlamento

Admitindo que as responsabilidades pela decisão de não admissibilidade do projeto de lei do Chega eram suas, Ferro Rodrigues deixou claro que, consigo na presidência da Assembleia da República, projetos de lei (provavelmente) inconstitucionais como …

Eleições para o Tribunal Constitucional suspensas. Boletins de voto estavam ilegais

A votação dos nomes para ocuparem as duas vagas no Tribunal Constitucional foi suspensa porque os boletins de votos que foram entregues aos deputados não estavam conforme manda a lei. De acordo com o jornal ECO, …

Chega já é a 5.ª força política em Portugal. CDS ultrapassado pelo PAN e Iniciativa Liberal

O PS mantém a distância para o PSD em fevereiro, segundo o Barómetro Político da Aximage para o Jornal Económico, que dá ainda conta que o CDS está em queda, posicionando-se apenas à frente do …