Boris Johnson lança campanha para suceder May na liderança dos conservadores britânicos

Boris Johnson, apontado como o favorito para suceder à primeira-ministra Theresa May na liderança dos conservadores britânicos, lançou esta segunda-feira oficialmente a sua campanha, reiterando que o Brexit irá acontecer a 31 de outubro “com ou sem acordo” com Bruxelas.

“Se eu entrar [no número 10 de Downing Street, a residência oficial da primeira-ministra britânica], sairemos [da União Europeia] com ou sem acordo a 31 de outubro. É isso que faremos”, garante o político no primeiro vídeo de campanha, divulgado através da rede social Twitter.

“Devemos ter a coragem de dizer às pessoas deste país que podemos fazê-lo se o quisermos realmente”, prossegue Boris Johnson no mesmo vídeo, que mostra o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros britânico e ex-presidente da câmara de Londres a abordar na rua várias pessoas, como, por exemplo, um casal de idosos.

Desgastada com o longo e conturbado processo do Brexit, Theresa May deixa na sexta-feira, dia 7 de junho, a liderança do Partido Conservador britânico. A primeira-ministra britânica adiou a data do Brexit – inicialmente prevista para 29 de março – para 31 de outubro, depois do acordo que fez com Bruxelas ter sido rejeitado três vezes pelos deputados britânicos.

May irá assegurar a transição até que os conservadores britânicos designem um novo líder, até 20 de julho, entre 13 candidatos. Boris Johnson foi um dos rostos da fação que apoiou o Brexit no referendo de 23 de junho de 2016.

“Se há uma lição do referendo de 2016 [em que 52% dos eleitores votaram a favor do Brexit], é que muitas pessoas sentem que foram deixadas para trás, que não podem participar plenamente nas oportunidades e nos sucessos” deste país, acrescentou o ex-chefe da diplomacia britânica no mesmo vídeo.

Muito apreciado pelos militantes de base do Partido Conservador, Boris Johnson, de 54 anos, é caracterizado por muitos como um político inteligente, carismático e controverso. Já entre os deputados conservadores, o político suscita reações díspares.

Coincidência ou não, o lançamento oficial da campanha de Boris Johnson acontece no primeiro dia da visita de Estado ao Reino Unido do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O líder norte-americano, que no fim de semana voltou a envolver-se no debate do Brexit e que recomendou ao Reino Unido uma saída da União Europeia sem acordo, já declarou que Boris Johnson é o seu favorito para suceder a Theresa May.

Trump também elogiou o populista e eurocético, Nigel Farage, líder do Partido Brexit, força política que ganhou as recentes eleições europeias. Antes de iniciar a viagem até ao Reino Unido, Trump admitiu um eventual encontro com estes dois políticos, com quem tem “relações muito boas”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Escócia e Gales querem eleições se houver adiamento do Brexit

Os chefes dos governos da Escócia e de Gales defenderam hoje eleições antecipadas no Reino Unido no caso de uma extensão do prazo de saída do país da União Europeia. “Quero que se realizem eleições gerais. …

Governo grego apresenta legislação mais restritiva do direito de asilo

O Governo grego enviou na terça-feira ao parlamento uma proposta de lei que endurece os procedimentos para concessão de asilo, reforça os poderes de detenção e acelera as deportações, noticiou a imprensa. A proposta, de 250 …

Libertadores. Jesus veta acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino

Escreve a imprensa brasileira que Jorge Jesus vetou o acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino que antecede o jogo com o Grémio para a Libertadores, que vai decidir um dos finalistas da competição. …

Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros …

Rede de imigração ilegal no SEF. Denúncias de corrupção eram antigas, mas ficaram na gaveta

A inspectora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que foi detida nesta semana, por pertencer alegadamente a uma rede de imigração ilegal, já tinha sido identificada num inquérito interno desta entidade, devido às mesmas …

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …

Pouco poder, mas algum. Deputados únicos podem desencadear revisão da Constituição

Os deputados únicos não têm poder para pedir a votação do programa de Governo, ao contrário dos grupos parlamentares, nem podem sozinhos censurar o Executivo, mas podem desencadear, como qualquer parlamentar, um processo de revisão …