Boris confiante de que é possível um acordo com UE em julho

Neil Hall / EPA

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, está de volta a Downing Street, depois de ter estado infetado com o novo coronavírus

O primeiro-ministro, Boris Johnson, afirmou esta segunda-feira ser possível um acordo com a União Europeia sobre o relacionamento pós-Brexit em julho, garantindo que as posições de Londres e Bruxelas “não estão assim tão distantes”.

“O que dissemos hoje é que quanto mais depressa, melhor. Não há razão para não conseguir concluí-lo em julho“, afirmou Johnson, em declarações transmitidas pela estação Sky News após uma reunião por videoconferência com dirigentes europeus.

O chefe do governo britânico reiterou a recusa em aceitar a submissão a leis europeias ou ao Tribunal Europeu de Justiça e defendeu a prioridade em dar acesso às águas de pesca britânicas aos pescadores nacionais.

“Não penso que estejamos assim tão distantes. O que precisamos agora é ver um pouco de energia”, afirmou.

Boris Johnson participou esta segunda-feira numa reunião de alto-nível com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, para fazer um balanço do progresso das negociações sobre o futuro relacionamento.

Tendo ficado clara a decisão do Reino Unido de não solicitar qualquer extensão ao período de transição que acaba em 31 de dezembro de 2020, ambas as partes sublinharam, num comunicado conjunto, a “intenção de trabalhar arduamente para concluir um relacionamento que funcione no interesse dos cidadãos da União e do Reino Unido”.

Perante a falta de progresso e um impasse numa série de questões após o final da quarta ronda de negociações, os negociadores chefes europeu, Michel Barnier, e britânico, David Frost, já tinham decidido intensificar as reuniões nas próximas semanas e meses.

Johnson e os dirigentes europeus admitiram que é “necessário um novo impulso” e aprovaram os planos para intensificar as negociações a partir de julho de forma a “criar condições mais favoráveis para a conclusão e ratificação de um acordo antes do final de 2020”.

“Isto deve incluir, se possível, chegar mais cedo a uma compreensão dos princípios subjacentes a qualquer acordo”, vincaram.

O Reino Unido abandonou oficialmente a UE em 31 de janeiro passado, mas permanece dentro do seu espaço económico e regulatório até ao final do ano, durante o chamado período de transição.

Entre os entre os assuntos com mais divergências nas negociações estão o acesso equilibrado a ambos os mercados, a governança da futura parceria, a proteção dos direitos fundamentais e o setor das pescas.

O governo britânico tinha admitido, em fevereiro, abandonar as negociações para um acordo pós-Brexit se não encontrasse progressos até junho.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …

Bastonário dos Médicos sugere uso obrigatório de máscara na rua (e em todo o país)

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, sugere que o Governo pondere decretar o uso obrigatório de máscara no espaços exteriores de todo o país, à semelhança do que fez a Região Autónoma da …