Bomba H da Coreia: uma “vitória conseguida à custa de sangue”

(dv) KCNA / YONHAP

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, durante o banquete de comemoração do 69º aniversário do país

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un, considerou uma “grande vitória” o sexto teste nuclear realizado pelo país, no domingo passado, admitindo que foi feito “à custa do sangue” dos norte-coreanos.

Num banquete realizado na capital, Pyongyang, para assinalar o 69.º aniversário do país, Kim Jong-Un afirmou que o teste foi “uma grande vitória conseguida pelo povo coreano à custa do seu sangue”.

O teste com uma bomba de hidrogénio foi o mais potente já realizado pelo regime norte-coreano e suscitou a condenação da comunidade internacional, aumentando a tensão na região.  Kim Jong-Un apelou aos engenheiros para “redobrarem o esforço sem perder o espírito demonstrado” no que chamou “um grande evento da história nacional”.

Nas imagens do banquete divulgadas pela televisão estatal, vê-se Kim Jong-Un a ser recebido com aplausos pelos participantes, ladeado por representantes do exército, do partido único e pelos responsáveis pelo programa nuclear.

O regime defende que as armas nucleares tornam o país “mais seguro” e pretende criar um arsenal mais sofisticado. Na segunda-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir-se para votar sanções adicionais à Coreia do Norte.

China apoia sanções, desde que não ameacem o regime

O especialista em assuntos asiáticos Jamie Metzl considera que a China “vai aprovar novas sanções” contra Pyongyang, mas não “um embargo que ameace a estabilidade do regime”, e que excluiu a possibilidade de uma intervenção militar na Coreia do Norte.

Pequim vê a relação com Pyongyang do prisma da estratégia chinesa para os Estados Unidos. Não como uma questão em si mesmo”, disse à agência Lusa o pesquisador da Atlantic Council, unidade de investigação com sede em Washington.

A China é o principal aliado diplomático e maior parceiro comercial da Coreia do Norte. Cerca de 80% das importações norte-coreanas de petróleo são oriundas do país vizinho.

Pequim admitiu já estar disposta a adotar novas medidas contra a Coreia do Norte, depois de os EUA anunciarem que vão pedir uma reunião ao Conselho de Segurança da ONU, com o objetivo de submeter a votação “sanções adicionais” contra o país.

A proposta de Washington inclui a proibição de venda de petróleo. Jamie Meltz admite que “a China use o petróleo, como já fez no passado, para passar uma mensagem aos norte-coreanos”, mas rejeitará um corte definito do fornecimento.

“Pequim continua a preferir que haja uma Coreia do Norte hostil e com armas nucleares a uma reunificação da península coreana pela Coreia do Sul”, país aliado dos EUA, explicou.

Washington está a fazer bluff

Com 24,5 milhões de habitantes e um território pouco maior do que Portugal, a Coreia do Norte tem sabido jogar com as “diferentes perspetivas estratégicas” de Washington e Pequim, no nordeste da Ásia, para concretizar a sua ambição nuclear.

A semana passada, realizou o sexto e mais poderoso teste nuclear até à data, no que revelou ter sido a detonação de uma arma termonuclear para ser colocada num míssil balístico intercontinental. Em reação, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que uma ação militar “é certamente” uma opção contra a Coreia do Norte.

Metzl considera, porém, que Washington está a fazer ‘bluff’. “Uma opção militar resultaria numa guerra total, que os EUA e a Coreia do Sul venceriam, mas cujos custos seriam muito mais altos do que o aceitável”.

(dr) Craig Stephens / SCMP

Trump vs Kim

Seul, onde vivem mais de 10 milhões de pessoas, está ao alcance da artilharia convencional e misseis norte-coreanos, dispostos em grande número ao longo da fronteira.

Em julho, Pyongyang testou por duas vezes o modelo de mísseis Hwasong-14, que os analistas consideram ser capazes de atingir os EUA, incluindo cidades importantes como Chicago e Los Angeles, abrindo um novo precedente na ameaça norte-coreana.

Face ao contexto atual, Metzl considera que “o resultado mais provável é que a Coreia do Norte desenvolva armas nucleares mais capazes e o mundo terá que viver com isso“.

Jamie Metzl diz que a única esperança de uma solução relativamente pacífica é o “totalitarismo do regime norte-coreano voltar-se contra si mesmo“, referindo-se à possibilidade de um crescente receio entre líderes norte-coreanos, face às consecutivas purgas feitas por Kim Jong-un.

Desde que ascendeu ao poder, em 2011, o líder norte-coreano, de 33 anos, terá já executado 140 altos quadros do Governo, entre os quais o seu próprio tio, Jang Song-Thaek, considerado a segunda figura do regime, e o seu meio irmão Kim Jong-nam, que vivia em Macau sob proteção da China.

“Como se pode imaginar, com todas estas purgas, há líderes da Coreia do Norte que acordam todas as manhãs e se questionam: Estou mais seguro a apoiar Kim Jong-un ou a atacar a liderança?'”, diz Metzl. “Quanto mais purgas há, mais inseguras as pessoas se sentem”, disse. “E talvez um dia concluam que estão mais seguras se o líder for removido”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …

Cruzeiros vazios no meio do oceano tornam-se destinos turísticos

Embarcados num pequeno ferry, turistas dirigem-se até aos locais onde grandes navios cruzeiros estão parados e desertos. Esta foi uma solução encontrada para reavivar o setor. A pandemia de covid-19 está a fazer com que, genericamente, …

Todas as pensões mais baixas vão ter aumento extra de dez euros

As pensões mais baixas, até aos 658 euros, vão ter um aumento extraordinário de dez euros no próximo ano. O Governo confirmou a informação avançada pelo PCP. A ministra do Trabalho e Segurança Social, Ana Mendes …

Na fase inicial da pandemia, o setor privado "não quis e não entrou no combate à pandemia"

A antiga ministra da Saúde Ana Jorge considera que os privados podem ser envolvidos na luta contra a pandemia, recebendo doentes não covid-19, mas avisa que é preciso um “equilibro” nessa ação, depois de estes …

Uso de máscara pode salvar 130 mil vidas nos EUA até final de fevereiro, revela estudo

As medidas de distanciamento social, principalmente o uso de máscaras em público, podem salvar até 130 mil vidas nos Estados Unidos (EUA), revelou um novo estudo divulgado na sexta-feira. Em abril, o Presidente dos Estados Unidos …

A guerra contra o plástico está a distrair-nos da poluição invisível

O atual foco na poluição de plástico está a fazer com que as pessoas descurem o tipo de poluição que não é possível ver, alerta uma equipa de investigadores. O plástico é um material incrivelmente útil …

A pandemia veio interromper as touradas no Peru. Mas há quem não esteja muito satisfeito com isso

Em poucos meses a pandemia do novo coronavírus conseguiu um feito há muito desejado por ativistas de todo o mundo: interrompeu as touradas. O cancelamento dos espetáculos - criticados pela sua violência para com os …