Bolero de Ravel entra no domínio público – contra a vontade de alguns

O maestro André Rieu e a sua Johann Strauss Orchestra interpretam o Bolero de Ravel ao vivo em Maastricht

O muito popular Bolero de Ravel é uma música que dispensa apresentações. Finalmente, passa a ser do domínio público, livre de direitos de autor  – mas não sem que algumas pessoas tenham feito todos os possíveis por continuar a ganhar milhões à sua custa.

Este é mais um dos casos que servirá para demonstrar como os actuais “direitos de autor” são completamente desproporcionais.

O compositor e pianista francês Joseph-Maurice Ravel morreu em 1937, o que significa que a sua música deveria entrar no domínio público em 2008 – 70 anos após a sua morte.

Mas a lei francesa tem uma excepção para as músicas publicadas entre 1921 e 1947. que prolonga esse prazo por mais 8 anos, aparentemente em jeito de compensação pela segunda guerra mundial, que arrastou o prazo para este ano de 2016.

O problema é que esta música ainda vai rendendo uns valores bem interessantes – estima-se que na ordem dos 50 milhões de euros desde 1960 – e por isso os detentores dos direitos da música lembraram-se de usar a mesma táctica usada para o diário de Anne Frank.

O subterfúgio tentado foi o de adicionar um co-autor à música, de modo a prolongar a vigência dos direitos de autor por mais 20 anos.

Felizmente, a Sociedade de Autores francesa considerou que não havia qualquer justificação neste caso para adicionar um co-autor à música, permitindo que o Bolero de Ravel entrasse definitivamente no domínio público.

hawg / Flickr

Capa de O Bolero de Ravel interpretada nos anos 50 pela The London Philarmonic Orchestra, conduzida por Hugo Rignold

Detalhe da capa de O Bolero de Ravel interpretada nos anos 50 pela The London Philarmonic Orchestra, conduzida por Hugo Rignold

Para aqueles que ainda estiverem a equacionar que os descendentes do autor mereciam esse prolongamento, não se preocupem. Ravel morreu sem descendentes e nem sequer tinha esposa.

Os direitos passaram para o seu irmão, e quando este morreu, em 1960, assistiu-se a uma triste e complicada batalha judicial gananciosa entre a enfermeira que tratava dele, familiares afastados, e até um director da própria Sociedade de Autores.

Ou seja, desde 1960 que os milhões ganhos pelo Bolero de Ravel à custa dos direitos de autor estavam a beneficiar pessoas que nada tinham a ver com Maurice Ravel.

Aberto até de Madrugada

PARTILHAR

RESPONDER

Bolsonaro vai criar um partido "pobre, sem dinheiro, sem televisão". Quem for para lá, vai por amor

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, afirmou na quinta-feira que os parlamentares que o acompanharem na mudança para o Aliança pelo Brasil, o seu novo partido, apenas o farão por amor, já que terá poucos recursos …

"Solução razoável". Marcelo promulga já aumento do salário mínimo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai promulgar já esta sexta-feira o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera "uma solução razoável, a pensar …

Filósofo francês diz aos homens para violarem mulheres. "Eu violo a minha todas as noites"

O filósofo e escritor francês Alain Finkielkraut afimrou na quarta-feira, durante um programa da TF1 sobre casos de violação divulgados pelos media, que diz aos homens para violarem as suas mulheres. "Eu violo a minha …

Ex-administrador da TAP Luís Rodrigues é o novo presidente da SATA

O antigo administrador da TAP Luís Rodrigues é o novo presidente da transportadora aérea açoriana SATA, informou hoje o executivo regional. "O presidente do Governo [Regional], Vasco Cordeiro, comunicou à Assembleia Legislativa o nome de Luís …

Mãe que deixou recém-nascido no caixote do lixo não quis abortar

A jovem cabo-verdiana, em prisão preventiva por suspeitas de ter abandonado o seu filho recém-nascido no lixo, teve a oportunidade de abortar, mas não quis. O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou, esta quinta-feira, o pedido de …

Face Oculta. MP pede 12 anos e 10 meses para Manuel Godinho

O Ministério Público (MP) defendeu esta sexta-feira a aplicação de uma pena única de 12 anos e 10 meses de prisão para o sucateiro Manuel Godinho, principal arguido do processo Face Oculta, durante a audiência …

Maioria acredita que Governo vai durar quatro anos

Uma sondagem da Aximage revela que a maioria das pessoas entrevistadas acredita que António Costa vai concluir a sua legislatura, mesmo com um Governo que consideram de "estrutura exagerada". Uma sondagem da Aximage para o Jornal …

Tecnologia usada em Marte ajuda a detectar fugas de água em Gaia

Um sistema "pioneiro em Portugal" que recorre a tecnologia usada em Marte, para detectar água, está a ser utilizada pela empresa municipal Águas de Gaia, em Vila Nova de Gaia, para detectar fugas no sistema …

É segredo de Estado e custou mais de 100 milhões. "Máquina do Fisco" analisa 600 mil facturas por hora

O sistema informático que sustenta a "máquina do Fisco" já custou ao Estado mais de 100 milhões de euros e é tão secreto que nem a localização física dos servidores que o sustentam é conhecida. …

Empresário alemão investigado por suspeitas de orgias com menores em Cascais

O empresário alemão Matthias Schmelz, representante em Portugal dos aspiradores da marca Rainbow, está a ser investigado por suspeitas de lenocínio e pagar por orgias com menores na sua casa na zona de Cascais, avançou …