Medina leva nega. Bloco, PCP e PAN querem concorrer sozinhos em Lisboa

websummit / Flickr

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

O anúncio de que Carlos Moedas vai encabeçar a candidatura PSD/CDS à Câmara Municipal de Lisboa uniu a direita, mas não mudou a estratégia da esquerda. O Bloco, o PCP e o PAN querem concorrer sozinhos na capital. A incógnita é o Livre, que ainda não decidiu.

Questionada pelo Expresso, uma fonte do Bloco de Esquerda remeteu a resposta do partido para a moção que a direção vai apresentar na próxima convenção do partido. No texto lê-se que “o Bloco apresenta listas próprias, abertas à participação de candidatos independentes e não realizará coligações nem com a direita nem com o PS”.

O partido liderado por Catarina Martins não deverá casar com o socialista Fernando Medina, atual presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Recorde-se que o BE governa a capital em conjunto com o PS, o que não deverá ser suficiente para uma coligação pré-eleitoral.

O PCP vai apresentar um candidato próprio, pelo que, do espectro da esquerda, só resta o PAN e o Livre a Medina. Mas o socialista já levou um não.

Para o Partido das Pessoas, dos Animais e da Natureza a estratégia já está definida e não passa por uma coligação pré-eleitoral com o PS. O PAN prefere apostar num candidato próprio. “Para a Assembleia Municipal e Câmara de Lisboa não faz qualquer sentido. Iremos sozinhos a votos. Vamos a jogo por conta e risco”, disse Inês Sousa Real ao semanário.

A incógnita chama-se Livre, o partido que está ainda a avaliar os prós e contras de se aventurar ao lado de Medina na capital. Segundo o Expresso, são vários os críticos que fazem uma avaliação negativa da política de habitação do autarca. O partido admite concorrer sozinho em Lisboa, mas a decisão ainda não está fechada.

O alinhamento à esquerda não pode ser equiparado à geringonça, já que as eleições autárquicas não são como as eleições legislativas: é o partido mais votado que ganha a presidência da Câmara Municipal.

No caso de Lisboa, Fernando Medina não conseguiu a maioria absoluta e precisou de assinar um acordo com o Bloco de Esquerda para garantir a aprovação dos documentos mais relevantes para a governação. O que poderia estar em cima da mesa, este ano, seria uma coligação pré-eleitoral ou um acordo pós-eleitoral.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. acho que fazem bem,,,especialmente o BE…quer repetir o feito de ter entregue a Camara ao Santana Lopes quando recusou acordo com João Soares…teve na altura uma pipa de votos…penso ter eleito zero deputados!
    Declaração de interesses…não voto em Lisboa e nem sequer simpatizo com o Medina

  2. Ui! Ui!
    Quando as comadres começam a zangar-se…
    Mas o mais divertido é a arrogância do PAN a querer concorrer sozinho. Haja diversão!

  3. Ele poderia era ir pedir apoio à malta da construção civil. Afinal, parece que fez um belo negócio na compra da casa dele e da venda da anterior. Pelo menos é o que se diz nas notícias.

RESPONDER

Técnicos de diagnóstico. Depois de mais uma coligação da oposição, Executivo avalia o que fazer

Depois de mais uma coligação da oposição, o Governo "está a avaliar" o que irá fazer em relação à aprovação das mudanças na carreira de Técnico Superior de Diagnóstico e Terapêutica.  De acordo com o semanário …

Diretor de Finanças de Lisboa está em substituição desde 2015. Já ultrapassa tempo de comissão de serviço

Fernando Lopes, a maior estrutura regional da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), é diretor da Direção de Finanças de Lisboa em regime de substituição desde março de 2015. Quando a então diretora regional, Helena Borges, foi …

Portugal regista mais quatro mortes e 636 novos casos de covid-19

Portugal registou, esta quinta-feira, mais quatro mortes e 636 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 636 …

Luís Correia lança-se a Castelo Branco, num movimento que ainda não tem nome

O movimento ainda não tem nome e a apresentação da candidatura não tem data marcada, mas Luís Correia já assumiu que vai liderar uma candidatura independente à Câmara Municipal de Castelo Branco. Luís Correia vai testar …

Pavilhão de escola de Matosinhos fechado devido a estirpe de legionella

O pavilhão desportivo da Escola Secundária Abel Salazar, em Matosinhos, está fechado devido à presença de uma estirpe de legionella detetada nas canalizações, mas que "não constitui qualquer perigo para a saúde", confirmou a câmara …

TAP regista um prejuízo recorde de 1,2 mil milhões em 2020

Com menos 12,4 milhões de passageiros transportados, a TAP apresentou um resultado líquido negativo de 1,230 mil milhões de euros em 2020, contra um prejuízo de 106 milhões de euros em 2019, segundo dados enviados …

Chega organiza Convenção para "Governar Portugal" no fim de maio, mas promete "uso das máscaras"

O Chega vai organizar a sua III Convenção Nacional entre 28 e 30 de maio, em Coimbra, tendo por base a moção estratégica "Governar Portugal" do presidente reeleito, André Ventura, disse hoje à Agência Lusa …

Falta de plano e reservas face à viabilidade. Banco de Fomento chumba empréstimo à Groundforce

O Banco Português de Fomento (BPF) não aprovou o empréstimo de 30 milhões de euros pedido pelo Conselho de Administração da Groundforce, por não haver um plano de reestruturação da empresa e por falta de …

Operação Lex. Juiz Luís Vaz das Neves arrisca reforma compulsiva

O juiz Luís Vaz das Neves, ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa e arguido na Operação Lex, arrisca passar à aposentação compulsiva.  De acordo com o Correio da Manhã, que avança a notícia esta quinta-feira, …

Nove administradores e 24 diretores. Banco de Fomento já terá fechado estrutura

O jornal ECO avança, esta quinta-feira, que a estrutura do Banco Português de Fomento vai contar com nove administradores, dos quais quatro são executivos, e 24 diretores. A estrutura do Banco de Fomento já estará fechada, …