/

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

6

António Cotrim / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa

“Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento.” Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira.

Portugal vai avançar para a terceira e última fase do plano de desconfinamento. Esta quinta-feira, após a reunião do Conselho de Ministros, António Costa anunciou que chegou o momento de aligeirar medidas, numa altura em que o país se aproxima da meta de ter 85% da população completamente vacinada.

“Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento”, declarou o primeiro-ministro, no início da conferência de imprensa.

O levantamento de restrições tem efeito a partir do dia 1 de outubro. Nessa data, Portugal passará do atual estado de contingência para o estado da alerta.

O certificado digital covid-19 cai no acesso ao interior de restaurantes às sextas-feiras ao jantar e aos fins de semana. Da mesma forma, deixa de ser necessário para aceder a hotéis e alojamentos locais, aulas de grupo nos ginásios, casinos, termas e spas.

Por outro lado, a apresentação do certificado digital será necessária para realizar viagens por via aérea ou marítima, visitas a lares ou hospitais e nos grandes eventos culturais, desportivos ou recreativos. Neste último caso, cabe à DGS definir quais são os eventos de grande dimensão e que regras se devem aplicar.​

O uso de máscara continua a ser obrigatório nos transportes públicos, lares, hospitais, grandes superfícies comerciais e em salas de espetáculos ou eventos. Nos recreios das escolas não será obrigatória.

No fundo, explicou, são três os critérios que orientam o uso de máscara: é obrigatória em locais onde existe população particularmente vulnerável, como lares e hospitais; locais de grande afluência, como transportes públicos, e grandes superfícies; e sítios onde as pessoas permanecem juntas durante um tempo considerável, como num espetáculo.

A partir do dia 1 de outubro, a restauração deixa de ter limite máximo de pessoas por grupo. Chegam também ao fim as limitações de horários e os restantes limites de lotação.

Os bares e discotecas vão poder abrir portas, mediante apresentação de certificado digital ou teste negativo à covid-19.

Questionado pelos jornalistas sobre a terceira dose, António Costa anunciou que Portugal tem vacinas suficientes para qualquer decisão que venha a ser tomada. “Vamos manter os centros de vacinação como eles existem. Há algo que nós sabemos: vão seguir os processos de vacinação da gripe em paralelo com a da covid-19. O planeamento está a ser feito”, referiu o primeiro-ministro.

Caso se avance para a administração de uma nova dose, terá de haver pelo menos 14 dias de intervalo entre as duas. O processo, por sua vez, deverá estar concluído até dezembro.

A terceira e última fase do desconfinamento foi estabelecida pelo Governo para o momento em que o país atingisse os 85% da população com o esquema vacinal completo. A meta deverá ser atingida no final deste mês.

  Liliana Malainho, ZAP //

6 Comments

  1. As medidas, por uma vez, parecem entendíveis.
    Só fica uma pergunta… porquê a pressa em anunciá-las uma semana antes de entrarem em vigor, e 2 dias antes das eleições autárquicas ? Que grande coincidência. Ou que grande malabarismo político.

  2. Nas discotecas é obrigatório o uso de máscaras que estranho.

    ” sítios onde as pessoas permanecem juntas durante um tempo considerável”

    . .

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE