A baunilha é mais cara do que a prata (e há já quem mate pelo “ouro verde”)

A baunilha, que era vendida em 2015 por cerca de 90 euros o quilograma, disparou no ano passado para 535 euros, ultrapassando assim o valor da prata. Esta subida que quase sextuplicou o valor da planta é considerada pelos especialistas como o início de uma “crise”.

Tal como recorda a agência Reuters, a baunilha, que é produzida a partir de uma planta de orquídea, é o segundo tempero mais caro do mundo, depois do açafrão.

O longo e difícil processo de produção, a suscetibilidade a cataclismos e a oferta limitada são alguns dos motivos que justificam este enorme subida de preços.

O cultivo e o processamento de baunilha requer uma quantidade considerável de tempo e trabalho, o que afeta inevitavelmente o preço final, frisa a Russia Today. Este é um processo de várias etapas, tal como explica a empresa britânica FONA, que precisa que as primeiras flores só aparecem três anos após a árvore ser plantada.

Quando amadurece e começa a dar vagens, o ciclo tradicional de sua produção – desde a floração até ao envio para os importadores – dura entre 10 e 16 meses.

Por outro lado, a oferta limitada desta espécie faz também disparar o seu preço. Apesar da sua popularidade, a produção de baunilha é bastante escassa e concentra-se essencialmente num só país: o principal exportador, Madagáscar, que é responsável por cerca de 80% do mercado mundial.

Em simultâneo, a procura aumentou nos últimos anos, quer pelo crescente interesse dos consumidores, quer pela rejeição de várias empresas do setor alimentar, como a como a Nestlé ou a Hershey’s, de usar um substituto artificial mais barato, a vanilina.

Uma vez que a produção de baunilha é muito concentrada num só país, esta fica também muito exposta a desastres naturais, como o ciclone Enawo que assolou Madagáscar em 2017. Este evento meteorológico dizimou várias das plantações mais produtivas de baunilha, fazendo aumentar diretamente o seu preço no ano seguinte, em 2008.

Especialistas falam em crise

Especialistas e produtores consideram que a dinâmica de mercado da baunilha está atualmente mergulhada numa crise, mas dizem que é improvável que esta continue a longo prazo. A crise é consensual entre as empresas especializadas, que só não sabem ainda quanto é que este período durará.

Embora “o mercado ainda tenha um longo caminho a percorrer antes da recuperação total”, a empresa produtora de baunilha Aust & Hachmann, citada pela RT, estima que no próximo ano a baunilha custará, provavelmente, menos do que custa agora.

“Depois de uma temporada de ciclones relativamente calma, é muito difícil para nós vermos um caminho para preços mais altos”, apontou em maio.

Por sua vez, FONA traça uma cenário mais negativo. A empresa adverte que a floração tardia de baunilha afetará, muito provavelmente, a colheita do próximo ano e levará a preços mais altos para vagens de alta qualidade.

“Embora a situação tenha melhorado em 2019, as perspetivas para 2020 revelam que esta pode ser apenas uma breve pausa numa tempestade muito maior: o olho da tempestade, por assim dizer”, apontou, citado pela mesma fonte.

O lado negro do “ouro verde”

A baunilha, já rotulada algumas vezes como ouro verde, é tão cobiçada que há já ladrões que matam por este planta, revelou a Reuters em junho.

“Este é o lado negro da baunilha. Não nos apercebemos dele porque é uma coisa tão doce”, disse Cheryl Pinto da Ben & Jerry’s, que usa baunilha na maioria dos seus gelados.

Para proteger a suas plantações no Uganda, “os agricultores estavam dormindo nos campos e houve assassinatos e espancamentos”, confessou. “Foi horrível”.

No passado, ao definir as datas para as colheitas, o Governo do Uganda chamou à atenção para os “casos de roubo” e “perdas de vida” aguçados pelo aumento do preço da baunilha. Tal como frisa a agência de notícias, a violência acontece nos dois sentidos: os ladrões agridem os produtores para que os possam roubar e o produtores espancam até à morte os suspeitos que conseguem apanhar.

Depois de Madagáscar, que produz 3,3 toneladas de baunilha por ano, segundo números da Reuters, segue-se a Indonésia (2,4), a China (0,7), a Papua-Nova Guiné (0,5) e o México como maiores produtores (0,5).

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Tantos erros neste artigo, mas o melhor é mesmo dizerem a meio do artigo que Madagáscar é responsável por 80% da produção e no fim apresentarem que o resto do mundo somado produz mais de 50% das toneladas de baunilha… 🙂

    • Caro João,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Não nos foi possível encontrar os erros a que se refere, pelo que lhe agradecemos a sua ajuda na sua identificação.
      Quanto aos números de produção de baunilha, usámos dados da Reuters.
      Segundo esta agência, “Madagascar produces about 80% of the world’s vanilla”.
      Ainda de acordo com a mesma fonte, que cita dados do Euromonitor, Madagáscar produz 3.3 toneladas de baunilha, e por si só Indonésia produz 2.4, o que ultrapassa já os 20% que restam.
      A explicação poderá residir na indicação, fornecida na infografia da Reuters, de que estes últimos números incluem baunilha em grão e em pó.
      Resta por especificar então, no texto da nossa fonte, a que contexto se aplicam os 80% referidos inicialmente.

Responder a ZAP Cancelar resposta

Cientistas calculam probabilidade de contágio ao viajar de comboio

Investigadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, calcularam a probabilidade de contrair covid-19 ao viajar numa carruagem de comboio com uma pessoa infetada. Em colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, a Academia Chinesa de …

Hong Kong. Magnata da imprensa Jimmy Lai libertado sob caução

O magnata da imprensa e uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong Jimmy Lai foi esta terça-feira libertado sob caução, constatou a agência France-Presse. Jimmy Lai tinha sido detido na segunda-feira, ao …

Lar de Reguengos de Monsaraz diz ter feito tudo para salvar vidas

A direção do lar de Reguengos de Monsaraz (Évora) onde surgiu o surto de covid-19 que causou 18 mortos garantiu ter feito “tudo” ao seu “alcance” para “salvar vidas”, nesta “crise” com “contornos dramáticos”. A Fundação …

Israel fecha os olhos e deixa palestinianos cruzarem a fronteira para ir a banhos

As autoridades israelitas têm deixado milhares de palestinianos cruzar a barreira de separação entre os dois territórios para poderem ir às praias. Este foi um fim-de-semana muito especial para Siham e os seus cinco filhos. …

Diabéticos e hipertensos voltam a ter faltas justificadas

Os diabéticos e hipertensos sem condições para desempenharem funções em teletrabalho voltam a ter direito a justificar as faltas ao trabalho devido à pandemia de covid-19, segundo um diploma publicado em Diário da República. “Os imunodeprimidos …

Deputada da Coreia do Sul debaixo de fogo. Usou um vestido no Parlamento

Na semana passada, a deputada sul-coreana Ryu Ho-jeong usou um vestido numa assembleia legislativa, sendo bombardeada com críticas que gerou um debate sobre sexismo e a cultura patriacal do país. De acordo com a CNN, na …

SC Braga oficializa "top gun" Gaitán por duas temporadas

O internacional argentino Nicolas Gaitán assinou um contrato com o Sporting de Braga válido por uma época, com outra de opção, informou esta terça-feira o clube minhoto da I Liga de futebol. Formado no Boca Juniors, …

Vacina russa chama-se "Sputnik V" e foi já pedida por 20 países

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi esta terça-feira anunciado pelo Presidente, Vladimir Putin, chama-se "Sputnik V", vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países. De acordo com …

Rui Pinto no Twitter: "Travessia do deserto” terminou mas a “luta continua”

Rui Pinto assumiu que a “árdua e longa ‘travessia do deserto’” chegou ao fim, aludindo à sua libertação, mas avisou que “a luta continua”, pois Portugal “continua um paraíso para a grande corrupção” e branqueamento …

PJ deteve suspeita de atear fogo florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve uma mulher de 57 anos suspeita de atear um incêndio florestal registado em 4 de agosto no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), no concelho de Terras de Bouro. Em …