A baunilha é mais cara do que a prata (e há já quem mate pelo “ouro verde”)

A baunilha, que era vendida em 2015 por cerca de 90 euros o quilograma, disparou no ano passado para 535 euros, ultrapassando assim o valor da prata. Esta subida que quase sextuplicou o valor da planta é considerada pelos especialistas como o início de uma “crise”.

Tal como recorda a agência Reuters, a baunilha, que é produzida a partir de uma planta de orquídea, é o segundo tempero mais caro do mundo, depois do açafrão.

O longo e difícil processo de produção, a suscetibilidade a cataclismos e a oferta limitada são alguns dos motivos que justificam este enorme subida de preços.

O cultivo e o processamento de baunilha requer uma quantidade considerável de tempo e trabalho, o que afeta inevitavelmente o preço final, frisa a Russia Today. Este é um processo de várias etapas, tal como explica a empresa britânica FONA, que precisa que as primeiras flores só aparecem três anos após a árvore ser plantada.

Quando amadurece e começa a dar vagens, o ciclo tradicional de sua produção – desde a floração até ao envio para os importadores – dura entre 10 e 16 meses.

Por outro lado, a oferta limitada desta espécie faz também disparar o seu preço. Apesar da sua popularidade, a produção de baunilha é bastante escassa e concentra-se essencialmente num só país: o principal exportador, Madagáscar, que é responsável por cerca de 80% do mercado mundial.

Em simultâneo, a procura aumentou nos últimos anos, quer pelo crescente interesse dos consumidores, quer pela rejeição de várias empresas do setor alimentar, como a como a Nestlé ou a Hershey’s, de usar um substituto artificial mais barato, a vanilina.

Uma vez que a produção de baunilha é muito concentrada num só país, esta fica também muito exposta a desastres naturais, como o ciclone Enawo que assolou Madagáscar em 2017. Este evento meteorológico dizimou várias das plantações mais produtivas de baunilha, fazendo aumentar diretamente o seu preço no ano seguinte, em 2008.

Especialistas falam em crise

Especialistas e produtores consideram que a dinâmica de mercado da baunilha está atualmente mergulhada numa crise, mas dizem que é improvável que esta continue a longo prazo. A crise é consensual entre as empresas especializadas, que só não sabem ainda quanto é que este período durará.

Embora “o mercado ainda tenha um longo caminho a percorrer antes da recuperação total”, a empresa produtora de baunilha Aust & Hachmann, citada pela RT, estima que no próximo ano a baunilha custará, provavelmente, menos do que custa agora.

“Depois de uma temporada de ciclones relativamente calma, é muito difícil para nós vermos um caminho para preços mais altos”, apontou em maio.

Por sua vez, FONA traça uma cenário mais negativo. A empresa adverte que a floração tardia de baunilha afetará, muito provavelmente, a colheita do próximo ano e levará a preços mais altos para vagens de alta qualidade.

“Embora a situação tenha melhorado em 2019, as perspetivas para 2020 revelam que esta pode ser apenas uma breve pausa numa tempestade muito maior: o olho da tempestade, por assim dizer”, apontou, citado pela mesma fonte.

O lado negro do “ouro verde”

A baunilha, já rotulada algumas vezes como ouro verde, é tão cobiçada que há já ladrões que matam por este planta, revelou a Reuters em junho.

“Este é o lado negro da baunilha. Não nos apercebemos dele porque é uma coisa tão doce”, disse Cheryl Pinto da Ben & Jerry’s, que usa baunilha na maioria dos seus gelados.

Para proteger a suas plantações no Uganda, “os agricultores estavam dormindo nos campos e houve assassinatos e espancamentos”, confessou. “Foi horrível”.

No passado, ao definir as datas para as colheitas, o Governo do Uganda chamou à atenção para os “casos de roubo” e “perdas de vida” aguçados pelo aumento do preço da baunilha. Tal como frisa a agência de notícias, a violência acontece nos dois sentidos: os ladrões agridem os produtores para que os possam roubar e o produtores espancam até à morte os suspeitos que conseguem apanhar.

Depois de Madagáscar, que produz 3,3 toneladas de baunilha por ano, segundo números da Reuters, segue-se a Indonésia (2,4), a China (0,7), a Papua-Nova Guiné (0,5) e o México como maiores produtores (0,5).

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Tantos erros neste artigo, mas o melhor é mesmo dizerem a meio do artigo que Madagáscar é responsável por 80% da produção e no fim apresentarem que o resto do mundo somado produz mais de 50% das toneladas de baunilha… 🙂

    • Caro João,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Não nos foi possível encontrar os erros a que se refere, pelo que lhe agradecemos a sua ajuda na sua identificação.
      Quanto aos números de produção de baunilha, usámos dados da Reuters.
      Segundo esta agência, “Madagascar produces about 80% of the world’s vanilla”.
      Ainda de acordo com a mesma fonte, que cita dados do Euromonitor, Madagáscar produz 3.3 toneladas de baunilha, e por si só Indonésia produz 2.4, o que ultrapassa já os 20% que restam.
      A explicação poderá residir na indicação, fornecida na infografia da Reuters, de que estes últimos números incluem baunilha em grão e em pó.
      Resta por especificar então, no texto da nossa fonte, a que contexto se aplicam os 80% referidos inicialmente.

Se diplomacia falhar, China admite uso de força militar para controlar Taiwan

A China vai atacar Taiwan se não houver outra maneira de impedir que este Estado se torne independente, disse Li Zuocheng, um dos mais importantes generais do país, esta sexta-feira. Esta será uma opção de …

Encontrada canábis e incenso em templo bíblico de Israel. Foram usados em ritos religiosos antigos

A análise do material em dois altares da Idade do Ferro descobertos na entrada do santuário "santo dos santos" em Tel Arad, no vale de Beer-sheba, Israel, contém canábis e incenso. Escavações anteriores revelaram duas fortalezas …

Funerárias de Nova Iorque processadas por guardarem cadáveres em camiões

Devido ao elevado número de mortes causadas pela covid-19, as agências Andrew T. Cleckley, DeKalb e Armistead Burial armazenavam os corpos nos camiões frigoríficos até ser possível realizar os funerais. Três processos foram movidos por, pelo …

"Never again". Estudantes nos EUA vão aprender mais sobre o Holocausto

Estudantes norte-americanos vão passar a aprender mais coisas sobre o Holocausto, numa altura em que os Estados Unidos enfrentam níveis cada vez mais altos de antissemitismo. De acordo com a revista Newsweek, o Presidente norte-americano, Donald …

Polónia vai ser o primeiro país a voltar a ter adeptos nas bancadas

A Polónia vai ser o primeiro país a voltar a ter adeptos nas bancadas. Os estádios vão poder ter 25% da sua capacidade preenchida, anunciou o primeiro-ministro. De acordo com o jornal online Observador, a liga …

Recondicionados e "banhados a ouro". Irmão de Pablo Escobar vai vender iPhones 11 a 540 euros

A empresa de Robert Escobar, irmão do narcotraficante Pablo Escobar, está a vender iPhones 11 Pro recondicionados por 499 dólares (450 euros). Numa comunicação citada pelo portal Engadget, a Escobar Inc revela que está a vender …

É um polvo, chama-se Dumbo e mora a sete mil metros de profundidade (um novo recorde)

Um polvo foi fotografado no leito do Oceano Índico, a sete mil metros de profundidade. É um novo recorde. A descoberta de um polvo a 7 mil metros de profundidade, 6.957 metros mais especificamente, foi relatada …

Quem andar de montanha russa no Japão não pode gritar (nem bater palmas)

A Associação de Parques Temáticos do Leste e Oeste do Japão divulgou um novo guia de recomendações, numa altura em que o país começa a reabrir face à redução do número de novos casos de …

Jackson Martínez admite terminar carreira no final da época

O futebolista colombiano admitiu, numa entrevista a uma rádio colombiana, que está a pensar pôr um ponto final na carreira no final desta temporada. "Não descarto retirar-me, mas por agora estou focado em terminar a época. …

Na Rússia, os médicos na linha da frente não são aplaudidos das janelas. Enfrentam desconfiança e hostilidade

Em muitos países, os profissionais de saúde na linha da frente do combate ao novo coronavírus são apreciados e até aplaudidos das janelas. No entanto, na Rússia, a história é diferente. De acordo com a …