A baunilha é mais cara do que a prata (e há já quem mate pelo “ouro verde”)

A baunilha, que era vendida em 2015 por cerca de 90 euros o quilograma, disparou no ano passado para 535 euros, ultrapassando assim o valor da prata. Esta subida que quase sextuplicou o valor da planta é considerada pelos especialistas como o início de uma “crise”.

Tal como recorda a agência Reuters, a baunilha, que é produzida a partir de uma planta de orquídea, é o segundo tempero mais caro do mundo, depois do açafrão.

O longo e difícil processo de produção, a suscetibilidade a cataclismos e a oferta limitada são alguns dos motivos que justificam este enorme subida de preços.

O cultivo e o processamento de baunilha requer uma quantidade considerável de tempo e trabalho, o que afeta inevitavelmente o preço final, frisa a Russia Today. Este é um processo de várias etapas, tal como explica a empresa britânica FONA, que precisa que as primeiras flores só aparecem três anos após a árvore ser plantada.

Quando amadurece e começa a dar vagens, o ciclo tradicional de sua produção – desde a floração até ao envio para os importadores – dura entre 10 e 16 meses.

Por outro lado, a oferta limitada desta espécie faz também disparar o seu preço. Apesar da sua popularidade, a produção de baunilha é bastante escassa e concentra-se essencialmente num só país: o principal exportador, Madagáscar, que é responsável por cerca de 80% do mercado mundial.

Em simultâneo, a procura aumentou nos últimos anos, quer pelo crescente interesse dos consumidores, quer pela rejeição de várias empresas do setor alimentar, como a como a Nestlé ou a Hershey’s, de usar um substituto artificial mais barato, a vanilina.

Uma vez que a produção de baunilha é muito concentrada num só país, esta fica também muito exposta a desastres naturais, como o ciclone Enawo que assolou Madagáscar em 2017. Este evento meteorológico dizimou várias das plantações mais produtivas de baunilha, fazendo aumentar diretamente o seu preço no ano seguinte, em 2008.

Especialistas falam em crise

Especialistas e produtores consideram que a dinâmica de mercado da baunilha está atualmente mergulhada numa crise, mas dizem que é improvável que esta continue a longo prazo. A crise é consensual entre as empresas especializadas, que só não sabem ainda quanto é que este período durará.

Embora “o mercado ainda tenha um longo caminho a percorrer antes da recuperação total”, a empresa produtora de baunilha Aust & Hachmann, citada pela RT, estima que no próximo ano a baunilha custará, provavelmente, menos do que custa agora.

“Depois de uma temporada de ciclones relativamente calma, é muito difícil para nós vermos um caminho para preços mais altos”, apontou em maio.

Por sua vez, FONA traça uma cenário mais negativo. A empresa adverte que a floração tardia de baunilha afetará, muito provavelmente, a colheita do próximo ano e levará a preços mais altos para vagens de alta qualidade.

“Embora a situação tenha melhorado em 2019, as perspetivas para 2020 revelam que esta pode ser apenas uma breve pausa numa tempestade muito maior: o olho da tempestade, por assim dizer”, apontou, citado pela mesma fonte.

O lado negro do “ouro verde”

A baunilha, já rotulada algumas vezes como ouro verde, é tão cobiçada que há já ladrões que matam por este planta, revelou a Reuters em junho.

“Este é o lado negro da baunilha. Não nos apercebemos dele porque é uma coisa tão doce”, disse Cheryl Pinto da Ben & Jerry’s, que usa baunilha na maioria dos seus gelados.

Para proteger a suas plantações no Uganda, “os agricultores estavam dormindo nos campos e houve assassinatos e espancamentos”, confessou. “Foi horrível”.

No passado, ao definir as datas para as colheitas, o Governo do Uganda chamou à atenção para os “casos de roubo” e “perdas de vida” aguçados pelo aumento do preço da baunilha. Tal como frisa a agência de notícias, a violência acontece nos dois sentidos: os ladrões agridem os produtores para que os possam roubar e o produtores espancam até à morte os suspeitos que conseguem apanhar.

Depois de Madagáscar, que produz 3,3 toneladas de baunilha por ano, segundo números da Reuters, segue-se a Indonésia (2,4), a China (0,7), a Papua-Nova Guiné (0,5) e o México como maiores produtores (0,5).

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Tantos erros neste artigo, mas o melhor é mesmo dizerem a meio do artigo que Madagáscar é responsável por 80% da produção e no fim apresentarem que o resto do mundo somado produz mais de 50% das toneladas de baunilha… 🙂

    • Caro João,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Não nos foi possível encontrar os erros a que se refere, pelo que lhe agradecemos a sua ajuda na sua identificação.
      Quanto aos números de produção de baunilha, usámos dados da Reuters.
      Segundo esta agência, “Madagascar produces about 80% of the world’s vanilla”.
      Ainda de acordo com a mesma fonte, que cita dados do Euromonitor, Madagáscar produz 3.3 toneladas de baunilha, e por si só Indonésia produz 2.4, o que ultrapassa já os 20% que restam.
      A explicação poderá residir na indicação, fornecida na infografia da Reuters, de que estes últimos números incluem baunilha em grão e em pó.
      Resta por especificar então, no texto da nossa fonte, a que contexto se aplicam os 80% referidos inicialmente.

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …