A baunilha é mais cara do que a prata (e há já quem mate pelo “ouro verde”)

A baunilha, que era vendida em 2015 por cerca de 90 euros o quilograma, disparou no ano passado para 535 euros, ultrapassando assim o valor da prata. Esta subida que quase sextuplicou o valor da planta é considerada pelos especialistas como o início de uma “crise”.

Tal como recorda a agência Reuters, a baunilha, que é produzida a partir de uma planta de orquídea, é o segundo tempero mais caro do mundo, depois do açafrão.

O longo e difícil processo de produção, a suscetibilidade a cataclismos e a oferta limitada são alguns dos motivos que justificam este enorme subida de preços.

O cultivo e o processamento de baunilha requer uma quantidade considerável de tempo e trabalho, o que afeta inevitavelmente o preço final, frisa a Russia Today. Este é um processo de várias etapas, tal como explica a empresa britânica FONA, que precisa que as primeiras flores só aparecem três anos após a árvore ser plantada.

Quando amadurece e começa a dar vagens, o ciclo tradicional de sua produção – desde a floração até ao envio para os importadores – dura entre 10 e 16 meses.

Por outro lado, a oferta limitada desta espécie faz também disparar o seu preço. Apesar da sua popularidade, a produção de baunilha é bastante escassa e concentra-se essencialmente num só país: o principal exportador, Madagáscar, que é responsável por cerca de 80% do mercado mundial.

Em simultâneo, a procura aumentou nos últimos anos, quer pelo crescente interesse dos consumidores, quer pela rejeição de várias empresas do setor alimentar, como a como a Nestlé ou a Hershey’s, de usar um substituto artificial mais barato, a vanilina.

Uma vez que a produção de baunilha é muito concentrada num só país, esta fica também muito exposta a desastres naturais, como o ciclone Enawo que assolou Madagáscar em 2017. Este evento meteorológico dizimou várias das plantações mais produtivas de baunilha, fazendo aumentar diretamente o seu preço no ano seguinte, em 2008.

Especialistas falam em crise

Especialistas e produtores consideram que a dinâmica de mercado da baunilha está atualmente mergulhada numa crise, mas dizem que é improvável que esta continue a longo prazo. A crise é consensual entre as empresas especializadas, que só não sabem ainda quanto é que este período durará.

Embora “o mercado ainda tenha um longo caminho a percorrer antes da recuperação total”, a empresa produtora de baunilha Aust & Hachmann, citada pela RT, estima que no próximo ano a baunilha custará, provavelmente, menos do que custa agora.

“Depois de uma temporada de ciclones relativamente calma, é muito difícil para nós vermos um caminho para preços mais altos”, apontou em maio.

Por sua vez, FONA traça uma cenário mais negativo. A empresa adverte que a floração tardia de baunilha afetará, muito provavelmente, a colheita do próximo ano e levará a preços mais altos para vagens de alta qualidade.

“Embora a situação tenha melhorado em 2019, as perspetivas para 2020 revelam que esta pode ser apenas uma breve pausa numa tempestade muito maior: o olho da tempestade, por assim dizer”, apontou, citado pela mesma fonte.

O lado negro do “ouro verde”

A baunilha, já rotulada algumas vezes como ouro verde, é tão cobiçada que há já ladrões que matam por este planta, revelou a Reuters em junho.

“Este é o lado negro da baunilha. Não nos apercebemos dele porque é uma coisa tão doce”, disse Cheryl Pinto da Ben & Jerry’s, que usa baunilha na maioria dos seus gelados.

Para proteger a suas plantações no Uganda, “os agricultores estavam dormindo nos campos e houve assassinatos e espancamentos”, confessou. “Foi horrível”.

No passado, ao definir as datas para as colheitas, o Governo do Uganda chamou à atenção para os “casos de roubo” e “perdas de vida” aguçados pelo aumento do preço da baunilha. Tal como frisa a agência de notícias, a violência acontece nos dois sentidos: os ladrões agridem os produtores para que os possam roubar e o produtores espancam até à morte os suspeitos que conseguem apanhar.

Depois de Madagáscar, que produz 3,3 toneladas de baunilha por ano, segundo números da Reuters, segue-se a Indonésia (2,4), a China (0,7), a Papua-Nova Guiné (0,5) e o México como maiores produtores (0,5).

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Tantos erros neste artigo, mas o melhor é mesmo dizerem a meio do artigo que Madagáscar é responsável por 80% da produção e no fim apresentarem que o resto do mundo somado produz mais de 50% das toneladas de baunilha… 🙂

    • Caro João,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Não nos foi possível encontrar os erros a que se refere, pelo que lhe agradecemos a sua ajuda na sua identificação.
      Quanto aos números de produção de baunilha, usámos dados da Reuters.
      Segundo esta agência, “Madagascar produces about 80% of the world’s vanilla”.
      Ainda de acordo com a mesma fonte, que cita dados do Euromonitor, Madagáscar produz 3.3 toneladas de baunilha, e por si só Indonésia produz 2.4, o que ultrapassa já os 20% que restam.
      A explicação poderá residir na indicação, fornecida na infografia da Reuters, de que estes últimos números incluem baunilha em grão e em pó.
      Resta por especificar então, no texto da nossa fonte, a que contexto se aplicam os 80% referidos inicialmente.

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …