Governo só aprovará venda das barragens da EDP se ficarem a pagar impostos em Portugal

Tiago Petinga / Lusa

O presidente da EDP, António Mexia

Uma das condições que o Governo vai impor para aprovar a venda das barragens da EDP ao consórcio francês é que os rendimentos gerados sejam tributados no país.

O Governo ainda não recebeu da EDP qualquer notificação para se pronunciar sobre o negócio de venda à francesa Engie de seis barragens na bacia do Douro por 2,2 mil milhões de euros.

No entanto, quando for chamado a avaliar a operação, o Executivo só a aprovará mediante garantia de que as centrais hidroelétricas pagarão impostos em Portugal, avança o Público este sábado.

De acordo com uma fonte do Governo, uma das condições para a aprovação da transação é que a sociedade que será constituída para controlar as seis barragens tenha sede em Portugal e pague impostos no país.

Na semana passada, a própria EDP anunciou a venda das barragens e a criação de uma sociedade para agregar os seis ativos. Essa empresa seria depois vendida à Engie. O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, já tinha deixado uma outra promessa: o Governo irá avaliar o negócio barragem a barragem.

A operação, que é um dos maiores negócios de sempre da EDP, terá de passar pelo crivo da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e da Autoridade da Concorrência (AdC).

Ao apresentar a transação, a EDP tinha indicado não esperar entraves à operação, uma vez que a Engie é um operador com experiência no setor elétrico, pelo que do ponto de vista técnico não haverá razão para que a DGEG trave o negócio.

Já do ponto de vista concorrencial a EDP também não espera obstáculos por parte da Autoridade da Concorrência (AdC), uma vez que o negócio diminuirá a quota de mercado da EDP na produção, criando um novo player na produção hidroelétrica.

O negócio com a Engie representa a venda de 25% dos ativos hídricos (já depois da alienação, anunciada há um ano, das mini-hídricas, avaliadas em 164 milhões de euros), mas a empresa garante que mantém “o compromisso com uma tecnologia renovável, que faz todo o sentido dentro do que é o mix de produção EDP”.

Segundo a informação remetida ao mercado, a operação tem como objetivo a “otimização do portfólio” da empresa, “reduzindo a exposição à volatilidade hídrica e de preços de mercado, reforçando o perfil de baixo risco do negócio e nível de endividamento”.

As seis centrais produziram 3,4 terawatts por hora em 2018, gerando um EBITDA de 154 milhões de euros, e um EBIT de 11 milhões. Este é o maior negócio feito pela EDP nesta década.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Acho muito bem era o que deveriam ter feitos os governos com todas as empresas portuguesas que foram vendidas, vale mais tarde que nunca arrepiar caminho.

    • Empresas que nunca deveriam ter sido vendidas (“dadas”)!!
      Agora, como é típico, vão ser “desmembradas” e, como sempre, levam a carne e deixam os ossos!..

  2. Mas afinal a EDP vai passar a vender o quê? Preservativos porta a porta! E o comprador pagar impostos cá, mas não será assim mesmo que deverá ser feito? Ou será necessário tirar algum curso de fim de semana para entender isso?.

RESPONDER

Hotelaria pressiona Governo. Quer que turistas com estadias marcadas possam circular entre concelhos

A proibição de deslocação entre concelhos entre dia 30 de outubro e 3 de novembro de modo a evitar contágios agradou a alguns, mas não ao setor hoteleiro, que quer ser deixado de fora da …

Ligação fluvial entre o Seixal e Lisboa suspensa a partir de hoje (e durante 45 dias)

A Transtejo tinha informado que a ligação fluvial entre o Seixal e Lisboa estaria suspensa a partir desta segunda-feira, por 45 dias, devido a obras, mas será assegurado transporte rodoviário até ao terminal de Almada. “A …

Nagorno-Karabakh. Arménia e Azerbaijão acusam-se mutuamente de violação de novo cessar-fogo

A Arménia e o Azerbaijão trocaram esta segunda-feira acusações pela violação de um novo cessar-fogo acordado no domingo para pôr fim às hostilidades no enclave de Nagorno-Karabakh, que deveria ter entrado hoje em vigor. A Arménia …

Venezuela testou molécula que "anula a 100%" o novo coronavírus

O Presidente da Venezuela anunciou, este domingo, que o Instituto Venezuelano de Investigações Científicas (IVIC) testou com sucesso uma molécula, a DR10, que "anula 100%" o novo coronavírus. "O IVIC testou uma molécula usada para tratar …

Com a bancarrota a caminho, Governo Sócrates vendeu quase 80% dos imóveis públicos

Numa altura em que o país já estava em situação complicada, com o cenário de bancarrota no horizonte, o último Governo de José Sócrates vendeu quase 80% do património imobiliário público em apenas dois anos. Estes …

Na primeira noite de recolher obrigatório em Madrid, houve centenas de festas ilegais e álcool na rua

Na primeira noite de recolher obrigatório em Madrid, foram muitos os que ignoraram as restrições. A polícia espanhola foi obrigada a intervir em centenas de festas ilegais e numa festa ao ar livre com mais …

Casa Branca admite que EUA não poderão controlar pandemia. Biden acusa Trump de ter desistido

A Casa Branca admitiu este domingo que os EUA não poderão controlar a pandemia por ser tão contagiosa, numa mudança à postura de minimização da gravidade da crise, numa altura em que há novos recordes …

GNR obrigada a intervir no GP de Fórmula 1. Bastonário diz que evento foi um "insulto" aos profissionais de saúde

O circuito de Portimão teve de fechar algumas bancadas para garantir o distanciamento dos 27.500 espetadores autorizados pela Direção-Geral de Saúde (DGS). Pelo menos em duas foi necessária a intervenção da GNR. Em comunicado, a GNR …

Governo atira-se ao Bloco de Esquerda. Voto contra é "incompreensível"

Em conferência de imprensa, esta segunda-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, afirmou que "o Governo considera incompreensível que não possa contar com o Bloco de Esquerda" para aprovar o Orçamento do …

Chilenos votam de forma esmagadora para substituir Constituição de Pinochet

Os chilenos votaram de forma esmagadora, este domingo, a favor de uma nova Constituição para substituir a herdada da era do ditador Pinochet, num referendo realizado um ano após uma revolta popular contra a desigualdade …