Autor britânico diz ter descoberto túmulo de Jack, o Estripador

Fenrizulf / deviantART

“Jack o Estripador” por Fenrizulf

Um autor britânico assegura ter desvendado a verdadeira identidade do infame assassino Jack, o Estripador.

O enigma à volta da identidade do assassino britânico Jack, o Estripador não só faz correr tinta no Reino Unido, mas em todo o mundo, já que os assassinatos atribuídos a esta pessoa entre os anos 1880-1890 se destacaram pela sua crueldade.

Existem numerosas teorias que pretendem descobrir quem era este criminoso. Uma das mais recentes pertence ao autor britânico David Bullock, que também assegura que se tratava de Thomas Cutbush, e além disso sugere conhecer a localização do túmulo do serial killer, avança o The Sun.

Bullock estuda os crimes de Jack desde a sua adolescência. No seu novo livro – “The Man Who Would be Jack: The Hunt for the Real Ripper” – revela novos detalhes que apoiam a teoria sobre Cutbush.

O autor britânico teve acesso aos arquivos do hospital psiquiátrico Broadmoor Hospital, em Berkshire, e descobriu o sítio onde estão os túmulos da família de Cutbush, no cemitério de Nunhead, no sudeste de Londres.

A identidade

O académico diz que “as pessoas sempre diziam que [Cutbush] morreu em Broadmoor, mas ao ver os arquivos pude confirmar que não estava ali enterrado”.

As teorias incluem uma centena de suspeitos, mas Bullock sugere que só algumas são viáveis. Segundo o autor, Cutbush trabalhava no bairro londrino de Whitechapel, onde foram assassinadas a maioria das vítimas.

O homem também “sentia ódio pelas prostitutas”, o que também confirma a sua versão, já que as mulheres assassinadas eram prostitutas de áreas pobres.

Além disso, Bullock descobriu que, segundos os próprios familiares e conhecidos de Cutbush, o suspeito poderia estar ligado a estes assassinatos. Cutbush interessava-se por áreas como a medicina, a cirurgia e a anatomia, desenhava imagens de mutilações e mentia às pessoas dizendo que trabalhava como médico.

Segundo revelou o autor inglês, Cutbush alegava que uma prostituta o contagiou com uma doença e, por isso, decidiu curar-se a si próprio, mas acabou desfigurado.

Alegadamente, o homem foi detido em 1891 por agredir duas mulheres, depois da série de assassinatos ter acabado.

Segundo os registos médicos publicados pelo Independent em 2008, Cutbush era “um jovem invulgar, transtornado e violento”, a quem foi diagnosticado uma doença mental em 1891. Na atura dos crimes, Cutbush trabalhava como recepcionista.

  ZAP // RT

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Terrível teoria… Primeiro, porque ele se autointitulou JACK The Ripper…? Segundo, um serial killer é calculista, metódico… Não seria apanhado a agredir mulheres… Terceiro, toda a gente odiava prostitutas naquela época ou pelo menos tratavam-nas abaixo de cão, especialmente em Whitechapel… Ele ter vivido lá também é puramente circunstancial…. Mas para mim, tem mais senso a teoria de James Maybrick como Jack the Ripper, uma vez que Jack poderia ser uma pista dada por ele mesmo acerca da sua identidade, bem como as iniciais JM deixadas num dos locais do crime, alguém que se vingava nas prostitutas por não conseguir matar a própria mulher… Faz bem mais sentido essa teoria do que a deste oportunista…

RESPONDER

Pela primeira vez, o Princípio da Equivalência de Einstein foi verificado em quasares

Investigadores conseguiram medir o desvio para o vermelho gravitacional em quasares e assim estender o teste a regiões muito distantes de onde a luz foi emitida quando o nosso Universo era jovem. De acordo com a …

Cogumelos laminados

O consumo de cogumelos pode diminuir o risco de depressão

Além de reduzirem o risco de cancro e morte prematura, os cogumelos podem beneficiar a saúde mental de uma pessoa. Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Penn State, nos Estados Unidos, analisou dados …

Os hipopótamos de Pablo Escobar começaram a ser esterilizados

O grupo de hipopótamos, mais uma parte do indesejado legado deixado na Colômbia pelo traficante de droga Pablo Escobar, está a ser esterilizado. Quando o Cartel de Medellín estava no seu auge, Pablo Escobar gastou parte …

Ian Brackenbury Channell, o "feiticeiro de Christchurch"

Duas décadas depois, uma cidade neozelandesa decidiu despedir o seu feiticeiro

Vinte e três anos depois, a autarquia de Christchurch, na Nova Zelândia, decidiu despedir Ian Brackenbury Channell, o famoso feiticeiro da cidade. Desde 1998 que Ian Brackenbury Channell era o "feiticeiro de Christchurch", sendo responsável por …

Um dos microscópios de Darwin vai a leilão. Esteve nas mãos da sua família durante quase 200 anos

Um microscópio que Charles Darwin ofereceu ao filho Leonard - e que esteve nas mãos da sua família ao longo de quase 200 anos - vai ser leiloado em dezembro e poderá valer cerca de …

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …

Tem uma carreira de sonho na Nike, mas cometeu um homicídio há 65 anos

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, revelou que, há 56 anos, matou um adolescente nas ruas de Filadélfia, nos Estados Unidos. O presidente da Jordan Brand — marca do ex-jogador de basquetebol Michael Jordan — …