Aumento do número de casos ameaça sucesso da Coreia do Sul no combate à covid-19

Fernando Bizerra / Lusa

Há algumas semanas, a Coreia do Sul estava a comemorar o facto de ter conseguido controlar o coronavírus, diminuindo o distanciamento social e reabrindo escolas. Agora, uma nova vaga de casos em Seul pode colocar em causa a história de sucesso do país no combate à covid-19.

Como noticiou na quinta-feira a Time, um aumento no número de infeções na região de Seul tem levado as autoridades de saúde a alertar sobre as medidas de segurança que devem ser tomadas para impedir uma segunda vaga de casos.

Segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul (KCDC), foram reportados na quinta-feira 45 novos casos, o que representa um aumento diário consistente desde o final de maio. A maior parte concentra-se na área metropolitana de Seul, onde as autoridades de saúde têm feito um esforço para rastrear as transmissões.

“Considerando a transmissão rápida da covid-19, há limites para o que podemos fazer para diminuir a disseminação apenas rastreando os contactos”, disse na quinta-feira Yoon Taeho, funcionário do Ministério da Saúde, durante uma conferência sobre vírus, onde apelou aos moradores da capital para ficar em casa.

Apesar das preocupações com o aumento das infeções, o Governo tem resistido aos apelos para retomar as diretrizes mais fortes de distanciamento social – que foram sendo levantadas em abril -, apontando para os prejuízos de uma economia frágil.

De acordo com a Time, esta posição parece contrastar com a urgência transmitida pelos especialistas na área da saúde, incluindo a diretora do KCDC, Jung Eun-kyeong, que alertou para uma nova crise de covid-19, desta vez na região mais populosa do país.

A responsável afirmou que os profissionais de saúde estão a lutar para rastrear as transmissões que se estão a espalhar de forma rápida e imprevisível, à medida que as pessoas retomam as atividades.

Embora a Coreia do Sul tenha tido um aumento maior de infeções em fevereiro e março, com centenas de novos casos relatados todos os dias, a verdade é que esses casos foram mais fáceis de rastrear. A maioria estava concentrada numa única igreja em Daegu, a quarta maior cidade da Coreia do Sul, com 2,5 milhões de habitantes.

Agora, os focos surgiram por quase toda a capital. Pelo menos 146 casos estão relacionados com trabalhadores de um armazém operado pela empresa de tecnologia Coupang, acusada de não implementar medidas preventivas e de fazer com que os funcionários trabalhem mesmo quando estão doentes.

Cerca de 200 casos foram vinculados a bares e outros locais de entretenimento, enquanto mais de 90 foram associados a reuniões numa igreja perto de Seul e 116 a vendedores ambulantes contratados pela Richway, um fornecedor de produtos de saúde. A maioria desses vendedores tem entre 60 e 70 anos.

A Coreia do Sul conta com 11.947 casos confirmados e 276 mortes. A maioria das pessoas já recuperou, mas o número de casos ativos subiu acima dos mil na última semana.

Na semana passada, autoridades de saúde e funcionários do hospital participaram de um exercício para compartilhar as capacidades hospitalares entre Seul e as cidades próximas e garantir o transporte rápido de pacientes, de forma a que um aumento de casos numa determinada área não sobrecarregue o sistema de saúde.

Em meados de abril, o governo decidiu suspender as ordens administrativas que aconselhavam o encerramento de espaços desportivos, permitindo o retorno do desporto profissional – embora sem espetadores – e a reabertura gradual das escolas.

Porém, nas últimas semanas, tanto Seul como as cidades próximas restauraram alguns dos controles, encerrando milhares de bares e espaços de karaoke. As autoridades também começaram a exigir que os locais de entretenimento, ginásios e salas de concerto registem os seus clientes com códigos QR, para que possam ser facilmente localizados através dos para ‘smartphones’ quando necessário.

O Ministério da Saúde e o KCDC pediram repetidamente aos habitantes da capital que se abstivessem de reuniões desnecessárias e outras atividades públicas, mas dados fornecidos por operadoras móveis, empresas de cartão de crédito e operadoras de transporte públicos mostram que as pessoas estão tão ativas como antes.

A Time indicou ainda que, segundo o Governo, impor regras mais rígidas de distanciamento seria uma decisão difícil, considerando o impacto que poderia ter na economia do país. Também seria difícil fechar novamente as escolas, num país onde a competitividade escolar e os diplomas universitários de elite são vistos como cruciais para perspetivas de carreira.

O primeiro-ministro Chung Sye-kyun lembrou recentemente que as escolas permaneceram abertas mesmo durante a Guerra da Coreia, que ocorreu entre 1950 e 1953, e que seria errado “falhar nos sonhos e no futuro dos nossos filhos por causa das dificuldades atuais”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Presidente do Líbano pede ajuda na ONU para a reconstrução pós-explosão

O Presidente do Líbano, Michel Aoun, pediu na quarta-feira à comunidade internacional apoio para a reconstrução do principal porto do país e dos bairros de Beirute destruídos pela catastrófica explosão ocorrida em agosto. Na sua intervenção pré-gravada …

Ninguém foi indiciado pela morte de Breonna Taylor. Dois polícias baleados durante protestos

Um painel de jurados do Kentucky indiciou esta quarta-feira apenas um polícia por disparar contra apartamentos na vizinhança, mas não avançou com acusações contra nenhum polícia na morte da jovem negra Breonna Taylor. Imediatamente após o …

Multas de transportes públicos não são cobradas há três anos (e já chegam aos 17,6 milhões de euros)

As multas nos transportes públicos não estão a ser cobradas desde setembro de 2017 e já chegam a mais de 17,68 milhões de euros. As primeiras multas desde que foi alterado o regime de sanções, …

Football Leaks. PGR e FPF só souberam de ataques informáticos pela PJ

A Procuradoria Geral da República (PGR) e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) só souberam que tinham sido alvo de ataques informáticos através da Polícia Judiciária (PJ), revelou esta quinta-feira o inspetor José Amador no …

Governo prolonga prazo das moratórias até setembro de 2021. Portugal em contingência até 14 de outubro

O Conselho de Ministros decidiu prorrogar, esta quinta-feira, a vigência da situação de contingência em Portugal continental até às 23h59 de 14 de outubro. As moratórias de crédito foram prolongadas até 30 de setembro de …

Trump diz que diretrizes mais rigorosas para aprovação de vacina são “jogada política”

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse, esta quarta-feira, que a Casa Branca “pode ou não” aprovar novas directrizes da Food and Drug Administration. As novas diretrizes para aprovação de vacina contra a covid-19 exigem …

Maduro insta ONU a criar fundo que garanta alimentos e medicamentos

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs que a Organização das Nações Unidas (ONU) crie um fundo rotativo de compras públicas para garantir o acesso a alimentos e a produtos de saúde, financiado com recursos …

Mais três mortes e 691 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta quinta-feira, mais três mortes e 691 novos casos de infeção por covid-19 em relação a quarta-feira, mostra o boletim mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da …

2 em 1. Ryanair está a oferecer um voo na compra de outro (e é só hoje)

Já estava com saudades de viajar e conhecer novos países? A Ryanair não quer que lhe falte nada. A companhia aérea low cost lança uma promoção “inédita” e garante uma oferta 2 em 1. As …

Autarca de Almada diz que declarações sobre Bairro Amarelo foram descontextualizadas

A presidente da Câmara de Almada disse esta quarta-feira que as suas afirmações sobre o Bairro Amarelo surgiram em resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda (BE), considerando que foram descontextualizadas devido …