Ataque em Jerusalém aumenta receio de possível conflito religioso

Amir Farshad Ebrahimi / Flickr

-

O ataque a tiros e facadas, cometido por palestinianos nesta terça-feira na sinagoga de Har Nof, é o mais grave de uma série de incidentes de caráter religioso ocorridos em Jerusalém nas últimas semanas.

As vítimas do ataque são quatro rabinos, que foram assassinados durante a oração matinal, num bairro ultraortodoxo. Outras sete pessoas ficaram feridas, e os autores do atentado – dois palestinianos de Jerusalém Oriental – foram mortos pela polícia.

Esta nova onda de violência começou no início de novembro, em meio a uma campanha movida por políticos da extrema-direita israelita em prol do “direito à oração de judeus” num local sensível aos muçulmanos, dentro da Cidade Velha.

Como parte da campanha, alguns políticos e ativistas israelitas entraram na Esplanada das Mesquitas, terceiro lugar sagrado para a religião islâmica, despertando a fúria dos fiéis palestinianos que temem a concretização de promessas de “construir o Terceiro Templo no Monte do Templo”, no lugar das Mesquitas de El Aqsa e do Domo da Rocha.

No dia 5 de novembro, polícias israelitas entraram na própria Mesquita de El Aqsa à procura de jovens que tinham atirado pedras, gerando uma escalada da tensão em Jerusalém e duros protestos por parte da Jordânia, que convocou o seu embaixador em Israel para consultas.

Do ponto de vista da religião islâmica, a entrada de polícias de botas na área da Mesquita foi considerada uma “profanação” do santuário, já que a tradição proíbe que pessoas entrem calçadas no local sagrado.

Provocações

O presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, acusou Israel de fazer “provocações” religiosas e de “profanar” a mesquita. “As provocações de Israel podem levar o conflito a uma guerra religiosa”, advertiu Abbas.

Em resposta, o chanceler de Israel, Avigdor Lieberman, acusou o presidente palestiniano de “incitamento antissemita”.

No mesmo dia da entrada na mesquita pelos polícias, um palestiniano atropelou israelitas que estavam numa estação de comboios, matando duas pessoas e ferindo mais oito.

A esse atentado seguiram-se outros ataques, nos quais palestinianos utilizaram carros e facas como armas contra israelitas nas cidades de Jerusalém e Tel Aviv e também na Cisjordânia.

BBC

-

Essa nova onda de violência, que teve como catalizador sas tensões envolvendo a Esplanada das Mesquitas, já deixou 10 mortos do lado israelita e 14 do lado palestiniano, incluindo os autores dos ataques.

“Amplia-se o componente religioso no conflito com os palestinianos”, afirmou o analista Amos Harel, num artigo no jornal Haaretz. “A nova onda de terror começa a assumir características de uma guerra religiosa”.

“É bem provável que o alvo do grave atentado desta terça – a sinagoga do bairro de Har Nof – não tenha sido escolhido por acaso. Trata-se de um alvo explicitamente religioso, no contexto de um confronto religioso. É quase desnecessário explicar o quão perigosa é essa motivação”, prosseguiu Harel.

O autarca de Jerusalém, Nir Barkat, pediu à população para manter a calma e advertiu sobre o perigo de possíveis represálias por parte de israelitas contra palestinianos. “Não tentem fazer justiça com as próprias mãos”, afirmou.

O ministro da Segurança Interna, Itzhak Aharonovitz, que coordena a Polícia, prometeu medidas duras “contra os terroristas, as seus chefes e as suas famílias”.

Aharonovitz também defendeu a diminuição das restrições ao porte da armas “para que haja mais mãos (a atirar) contra terroristas que decidam cometer atentados”.

Reações

O ataque desta terça-feira foi reivindicado pelo grupo nacionalista palestiniano Brigadas de Abu Ali Mustafa, braço militar da Frente Popular pela Libertação da Palestina, que também esteve por trás de atentados anteriores.

O presidente palestiniano, Abbas, emitiu um comunicado a condenar “o ataque de judeus no seu local de oração e a morte de civis”.

Na Faixa de Gaza, em contrapartida, o ataque foi comemorado, e o grupo radical Hamas, que administra a região, disse que tratou-se de uma vingança pela morte de um motorista de autocarro palestiniano encontrado enforcado dentro de um veículo em Jerusalém na segunda-feira. A polícia israelita tinha considerado o caso um suicídio.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu um dos jovens infetados com peste negra na Mongólia

Morreu um dos jovens infetados com peste bubónica, também conhecida como peste negra, na Mongólia. O rapaz contraiu a doença depois de ter comido carne de marmota. Um jovem de 15 anos morreu, esta segunda-feira, vítima …

PCP quer Costa no Parlamento de 15 em 15 dias (e não vai contribuir para acabar com os debates quinzenais)

O PCP não concorda que será o fim da democracia caso os debate quinzenais passem a mensais. No entanto, não vai contribuir para acabar com este modelo. Ao Expresso, o deputado comunista António Filipe Duarte garantiu …

"Espero contar tudo o que sei". Cientista chinesa fugiu da China para alertar que "não temos muito tempo"

A virologista chinesa Li-Meng Yan, que fugiu para os Estados Unidos, deu uma segunda entrevista à Fox News, na qual alertou que "não temos muito tempo".   Li-Meng Yan, especialista em virologia e imunologia, era uma …

Galp perde 60 milhões de euros em negócios não autorizados

A Galp perdeu 60 milhões de euros em negócios não autorizados com licenças de CO2. A petrolífera já avançou com ações disciplinares e uma auditoria. A Galp informou que foram identificadas transações, não autorizadas pela empresa, …

"Bandeira vermelha". Tóquio em alerta máximo após aumento de novas infeções

A capital do Japão, Tóquio, com 14 milhões de habitantes, está no nível mais alto de alerta para o novo coronavírus após um aumento dos casos registados. “Os especialistas disseram-nos que a situação das infeções está …

Operação Saco Azul. Empresas "zombie" terão desviado 1,8 milhões do Benfica

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e a SAD do clube lisboeta foram constituídos arguidos pelo crime de fraude fiscal, no âmbito da operação ‘saco azul’, confirmou esta terça-feira à agência Lusa fonte oficial …

Maçãs com preços em alta, menos vinho e cerveja a estragar-se (os efeitos da pandemia)

A pandemia de covid-19 está a levar milhares de litros de cerveja a estragar-se, enquanto os produtores de vinho temem uma quebra na produção e, logo, nos lucros. Enquanto isso há menos maçãs e mais …

TAD anula sanção de cinco jogos à porta fechada ao Benfica

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) deu provimento ao recurso do Benfica e revogou a sanção de cinco jogos à porta fechada imposta pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) ao clube, pelo apoio prestado a …

Costa vira à esquerda, mas Catarina Martins diz que "não pode ser só conversa"

Esta quarta-feira, António Costa lança as negociações para o Orçamento do Estado para 2021 com os partidos que, até aqui, foram seus aliados. O primeiro-ministro insiste que o caminho da sua governação passa por entendimentos à …

No novo ano letivo, a Educação Física continua a ser maior incógnita

No início de julho, o Ministério da Educação anunciou algumas orientações sobre o próximo ano letivo que não contemplavam a Educação Física e o futuro da disciplina continua a ser uma incógnita.  Nas escolas, a falta …