“Muitos americanos vão saber pela primeira vez o que diz o relatório Mueller”

O ex-procurador especial, que se encarregou de investigar as alegadas ligações da equipa do Presidente norte-americano com a Rússia vai, esta quarta-feira, ao Congresso explicar mais uma vez o que diz o seu relatório.

A visita de Robert Mueller ao Congresso norte-americano está marcada para esta quarta-feira e, segundo o The Guardian, é esperada por muitos com grande expectativa. Esta será a primeira vez que o ex-procurador especial, que se encarregou de investigar as alegadas ligações da equipa do Presidente norte-americano com a Rússia, vai falar pela primeira vez publicamente sobre as conclusões do relatório.

Para os democratas, o testemunho de Mueller poderá revigorar o debate sobre a necessidade de mover um processo de destituição (‘impeachment‘) contra Donald Trump, assim como perceber se têm o apoio do povo norte-americano nesta questão.

“Não podemos deixar de enfatizar que esta será a primeira vez para muitos, muitos americanos para ouvir o que está contido no relatório de Mueller”, afirmou ao jornal britânico David Cicilline, democrata de Rhode Island que faz parte do Comité Judiciário.

“Não acho que alguém deva esperar que haja um novo momento explosivo em que Mueller acrescente algo que a investigação já não cobriu, mas o conteúdo do relatório é condenatório e explosivo“.

Mueller vai comparecer perante o Comité de Inteligência e o Comité Judiciário durante seis horas, naquela que será a sua primeira e única avaliação pública do seu trabalho perante os legisladores no Capitólio.

Espera-se que o primeiro grupo se vá focar em saber se a campanha de Trump de facto estava coordenada com os russos, enquanto que o outro vai examinar se as ações do Presidente podem mesmo ser consideradas obstrução.

Recorde-se que, no relatório de mais de 400 páginas, o ex-diretor do FBI detalhou os muitos contactos estabelecidos entre Moscovo e a equipa de campanha de Trump, mas concluiu não ter provas suficientes para acusar criminalmente o agora Presidente.

No final de maio, Mueller, que entretanto se demitiu do cargo, quebrou o silêncio, para surpresa de todos, e explicou que as suas investigações não tinham ilibado o Presidente, mas sublinhou que o Congresso tinha competência para o responsabilizar pelos seus atos.

De acordo com o jornal britânico, estas recomendações deixaram os democratas divididos sobre qual seria o próximo passo contra o Presidente republicano. Aproximadamente um terço dos democratas na Câmara dos Representantes pediu um processo de destituição.

Mas a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, por exemplo, é uma das vozes contra essa medida, afirmando que uma campanha pela destituição seria “divisiva” e só iria ajudar a Trump a conseguir a reeleição.

Greg Brower, ex-diretor assistente do FBI declarou ao mesmo jornal que o testemunho de Mueller poderá ter um “grande impacto” numa eventual mudança política.

“Não creio que os americanos ou mesmo o Congresso entendam o que é que ali se classifica como prova. Faz parte dos deveres contínuos de Mueller explicar as suas descobertas da forma mais convincente possível que, no mínimo, tem a intenção de informar o Congresso, mas também pode mudar a opinião pública“.

“Assumir que ninguém quer saber, que o relatório não vai mudar nada, é abdicar da sua responsabilidade de instruir o público nos detalhes do seu relatório”, disse ainda.

Várias sondagens concluíram que o relatório de Mueller não mudou subtancialmente as perceções do público sobre a investigação, embora uma pequena maioria gostasse de ver algum tipo de ação contra o Presidente. Apenas 39% acreditam que nenhuma ação adicional deve ser tomada e as investigações devem terminar.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Coreia do Sul pede desculpas por não ter protegido homem morto no Norte

O Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, pediu esta segunda-feira desculpas pelo assassínio de um homem atingido a tiro por militares norte-coreanos na semana passada, afirmando que o seu Governo falhou a responsabilidade de proteger um cidadão, …

Baixas na Segurança Social. Dois pesos pesados saem em plena crise

A vice-presidente e uma vogal do conselho diretivo do Instituto da Segurança Social abandonaram funções no final de agosto. A razão da saída não foi avançada. No final de agosto, o Instituto da Segurança Social (ISS) …

"Esforço coletivo para salvar o Natal". Nóbeis da Economia querem novo confinamento em dezembro

Esther Duflo e Abhijit Banerjee, prémios Nobel da Economia de 2019, propõem quarentena em França em dezembro, para que seja possível "festejar o Natal". O casal acredita que só assim será possível festejar a quadra …

Venda de vinhos alentejanos para a Suécia disparou (e foi graças à pandemia)

Nunca se tinham vendido tantos vinhos alentejanos para a Suécia como durante o período de confinamento em Portugal. A estratégia menos restritiva dos suecos contra a covid-19 ajuda a explicar esse cenário, verificando-se a mesma …

Spray nasal investigado na Austrália pode travar covid-19 (e tem uma taxa de eficácia de 96%)

É simples: com apenas uma ou duas aplicações por semana, o novo spray pode evitar que as pessoas infetadas com o novo coronavírus contagiem as outras à sua volta. Muito se tem falado sobre uma potencial …

Brad Parscale, ex-diretor de campanha de Trump, hospitalizado após tentativa de suicídio

O antigo diretor digital de campanha de Donald Trump, Brad Parscale, foi hospitalizado depois de a mulher ter alertado para tentativa de suicídio. Brad Parscale, ex-diretor digital de campanha do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald …

Variante de SARS-CoV-2 oriunda de Itália marcou início da pandemia. Circulou durante dias sem controlo

O arranque da epidemia em Portugal foi marcado pela “disseminação massiva” de uma variante do SARS-CoV-2 com uma mutação específica, que começou a circular nas regiões Norte e Centro mais de uma semana antes do …

Existem 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas

Existem atualmente em Portugal 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas, revelou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, a diretora-geral da Direção-Geral da Saúde, Graça Freitas. Sem identificar especificamente os lares …

Catalunha. Supremo Tribunal espanhol confirma inabilitação de Quim Torra

O Supremo Tribunal espanhol confirmou esta segunda-feira a inabilitação por um ano e meio do presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, por desobediência à junta eleitoral central. O acórdão, aprovado por unanimidade, obriga Torra …

Já há mais 6.829 mortes do que em 2019, mas covid-19 só fez 2 mil. Óbitos em casa subiram 18%

Desde o início da pandemia, há registo de um aumento de 18% de óbitos que ocorrem em casa e as mortes em investigação subiram 24%. Nos hospitais há uma subida de 5,6% na taxa de …