Ambiente, cultura e trabalho são as áreas de peso onde o PRR vai incidir. Plano elogiado em Bruxelas

Tiago Petinga / Lusa

O Plano de Recuperação e Resiliência conta com mais de mil páginas que ilustram os planos do Governo para os próximos anos. Áreas como o ambiente, a cultura e o trabalho serão uma prioridade.

O PRR prevê canalizar 185 milhões para apoio aos investimentos na produção de hidrogénio até 2025 e outros 185 milhões para a transição energética dos Açores e da Madeira no mesmo período.

Segundo o Público, o Governo vai canalizar 370 milhões de euros dos subsídios europeus para financiar projetos na área do hidrogénio e da eletricidade renovável até 2025.

De acordo com o que consta no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), parte das subvenções (185 milhões de euros) será usada para promover investimentos “de produção de hidrogénio e de outros gases de origem renovável para auto consumo e/ou injeção na rede, incluindo investimentos com armazenamento, transporte e distribuição de gases renováveis, para diversas aplicações.

Por outro lado, parte do dinheiro (outros 185 milhões) irá também para apoiar o crescimento das renováveis nos arquipélagos da Madeira (69 milhões) e Açores (116 milhões), com projetos capazes de “aumentar a participação dos recursos energéticos renováveis na produção de eletricidade, reduzir as emissões de GEE [gases com efeitos de estufa], reduzir a dependência energética e melhorar a segurança do aprovisionamento de energia”.

No que diz respeito ao hidrogénio e aos gases renováveis, o Governo pretende o objetivo de atingir uma capacidade de produção de 264 megawatts (MW) até 2025.

“A dotação máxima prevista a atribuir por projeto será de 15 milhões de euros” e as candidaturas que preencham os critérios de elegibilidade “serão apreciadas e hierarquizadas” pela Direção-geral de Energia e Geologia (DGEG), refere o PRR.

Para apoiar a introdução gradual do hidrogénio verde no sistema energético nacional, estão previstos, além destes subsídios ao investimento, “novas formas de apoio”.

Numa primeira fase, espera-se que os investimentos “estejam maioritariamente focados no sector da indústria e dos transportes numa lógica de auto consumo (e não para comercialização a terceiros), tirando partido do atual enquadramento legal”, o que se traduzirá “numa menor necessidade de apoios à produção”.

Na maioria dos projetos, a capacidade de produção de hidrogénio deverá estar associada à produção de eletricidade de origem renovável em regime de auto consumo a partir de fontes renováveis.

Traduções de Os Lusíadas e equipamentos digitais

Já se sabia que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) iria contemplar o setor da Cultura, mas agora sabe-se que vai fazê-lo com uma verba de mais de 243 milhões de euros, como foi anunciado pelo primeiro-ministro António Costa no dia 9 de abril.

A soma será distribuída por duas rubricas de investimento: no Património Cultural, com 150,5 milhões de euros e nas Redes Culturais e Transição Digital, com 92,8 milhões.

Na alínea das Redes Culturais e Transição Digital, aponta-se “a modernização e capacitação da infra-estrutura, designadamente tecnológica, da rede de equipamentos culturais” públicos, onde se inclui teatros, cineteatros, museus, centros de arte e bibliotecas, mas também a Cinemateca, a Torre do Tombo, a Biblioteca Nacional e o Arquivo Nacional do Som, além de laboratórios de conservação e restauro de património.

Na área da digitalização inclui-se ainda o setor do livro e dos autores, o apoio à tradução de um total de 1200 obras e, em particular, a de Os Lusíadas, de Luís de Camões, “em todas as línguas oficiais da União Europeia”.

Relativamente à alínea do Património Cultural, aponta-se para a “reabilitação de edifícios públicos classificados emblemáticos (museus, monumentos e palácios)”, além da “valorização do património cultural imaterial e dos recursos endógenos” do país.

Como noticia o Público, o objetivo é que Portugal recupere o caminho ascendente que caracterizava os sectores culturais e criativos, muito com a ajuda do turismo, no final de 2019, quando o país registou 19,8 milhões de visitas nos seus museus e monumentos

Negociação coletiva e regulamentação de trabalho nas plataformas

De acordo com o Expresso, o Governo vai avançar com incentivos para promover uma dinamização da negociação coletiva.

Essa é uma das medidas previstas no Plano de Recuperação e Resiliência ao nível do marcado de trabalho e vai ser negociada com os parceiros sociais até ao final deste ano.

Outras prioridades ao nível laboral passam pela regulamentação do trabalho nas plataformas digitais e a atualização do enquadramento do teletrabalho, massificado com a pandemia de covid-19.

Desta forma, o PRR mostra-se alinhado em matéria laboral com o Livro Verde para o Futuro do Trabalho, apresentado aos parceiros sociais no final de março.

Ao nível da negociação coletiva, o PRR lembra que “está sujeita a pressões que, não sendo novas, têm vindo a agudizar-se e podem vir a aprofundar-se no futuro”.

Com destaque para a “erosão da cobertura da negociação coletiva e da densidade sindical, num quadro mais vasto de fragilização do associativismo, encontra desafios acrescidos nos segmentos mais precários do mercado de trabalho, e na dificuldade de assegurar a representação das novas formas de trabalho através das estruturas associativas tradicionais”.

O documento nota que “pese embora continue a haver uma proporção elevada de trabalhadores abrangidos por convenções coletivas, é sabido que isso se deve, numa parte, à extensão administrativa dos instrumentos negociais”.

O objetivo é “o fortalecimento do diálogo social e da negociação coletiva enquanto ferramentas para reforçar o acesso pleno a direitos laborais, a garantia de representatividade dos trabalhadores com vínculos atípicos e o combate à individualização excessiva das relações laborais, ao isolamento e à fragmentação que caracterizam as novas formas e prestação de trabalho, designadamente nas plataformas digitais”.

“Totalmente em linha” com prioridades da UE

O vice-presidente executivo da Comissão Europeia Valdis Dombrovskis considera que o Plano de Recuperação e Resiliência português, para aceder às verbas pós-crise, está “totalmente em linha” com as prioridades comunitárias, após “intensas discussões” entre Bruxelas e Lisboa.

“Os três pilares que estão presentes no plano português estão, diria eu, totalmente em linha com os objetivos do mecanismo de recuperação e resiliência, assegurando a transformação verde, e digital da economia, reforçando a resiliência da economia e inclusive abordando as recomendações específicas do país no âmbito do Semestre Europeu”, afirma Valdis Dombrovskis, em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas.

Congratulando o país por “ter sido o primeiro a submeter o seu Plano de Recuperação e Resiliência” (PRR) a Bruxelas, há cerca de duas semanas, o responsável assinala que “o plano está estruturado em torno dos três pilares da resiliência, do clima e transformação digital, com uma vasta gama de medidas sobre habitação social, eficiência energética dos edifícios e escolarização digital”.

“Devo dizer que nós próprios estivemos em intensas discussões com as autoridades portuguesas — tive inúmeros contactos com os ministros das Finanças e do planeamento [João Leão e Nelson de Souza] nestes preparativos — e, portanto, agora vamos fazer a avaliação”, diz ainda o vice-presidente executivo do executivo comunitário com a pasta de “Uma economia ao serviço das pessoas”.

Valdis Dombrovskis rejeita, ainda assim, fazer qualquer “avaliação específica” ou “algum tipo de pré avaliação” sobre o plano português, dado estar a decorrer a apreciação.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Açores vão ter testes gratuitos em farmácias e rastreios laborais aleatórios

Os Açores vão passar a disponibilizar testes rápidos gratuitos para o despiste da covid-19 nas farmácias, testes de saliva para a testagem massiva aos alunos e rastreios laborais aleatórios, anunciou esta quinta-feira o secretário regional …

Uma morte e 377 novos casos nas últimas 24 horas. Rt e incidência recuam

O boletim da DGS desta sexta-feira dá conta de mais 377 novos casos em Portugal. Registou-se ainda mais um óbito. Nesta sexta-feira, dia 7 de maio, o país tem 22.421 casos ativos, menos 114 do que …

MP investiga morte de bebé que terá sido esquecido no carro em Lisboa

O Ministério Público instaurou um inquérito para averiguar as circunstâncias da morte de uma criança de dois anos que terá ficado esquecida no interior de um carro, em Lisboa. A mãe ter-se-á esquecido do bebé …

Governo está a preparar contestação de providência cautelar sobre Zmar

O ministro da Administração Interna afirmou hoje que já está a ser preparada a contestação à providência cautelar que suspende a requisição civil das casas do complexo Zmar, adiantando que o Ministério não foi ainda …

Subsídio europeu de 150 euros mensais para tirar 5 milhões de crianças da pobreza severa

Arrancou nesta sexta-feira, no Porto, a Cimeira Social promovida pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. Um momento que o ex-ministro Pedro Marques aproveita para lançar a ideia de um novo apoio social de …

Banca empresta 475 milhões para Fundo de Resolução pagar ao Novo Banco

O sindicato bancário, composto por sete bancos, vai proceder ao financiamento do Fundo de Resolução para este cumprir a injeção de capital no Novo Banco já na próxima semana. O Jornal Económico avança, esta sexta-feira, que …

China suspende "diálogo económico" com a Austrália e denuncia "mentalidade de Guerra Fria"

Esta quinta-feira, o Governo chinês anunciou a suspensão "por tempo indefinido" de todas as atividades realizadas no âmbito da iniciativa "Diálogo Económico Estratégico China-Austrália". As relações entra a China e o ocidente estão cada vez mais …

Bolsonaro diz ter tido sintomas de reinfeção. China acusa-o de "politizar" novo coronavírus

O Presidente do Brasil admitiu na quinta-feira que teve sintomas de reinfeção pelo novo coronavírus "há poucos dias" e afirmou que tomou ivermectina, fármaco sem comprovação científica contra a covid-19. As declarações de Jair Bolsonaro foram …

"É fácil despedir". PCP quer mudar regime de despedimento coletivo e extinção de postos de trabalho

O PCP vai entregar na Assembleia da República esta sexta-feira um projeto de lei que visa limitar os despedimentos coletivos e a extinção de postos de trabalho, eliminando o despedimento por inadaptação. O objetivo do partido …

Páginas ocultas do PRR revelam "reedição da troika" na reforma aos hospitais

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) prevê uma concentração das urgências da Grande Lisboa e Grande Porto, cortes nos gastos e uma gestão dos hospitais mais vigiada com imposição de objetivos financeiros. O jornal Expresso …