Ambientalistas reclamam demissão de Matos Fernandes por “encenação” no caso do aterro em Valongo

Manuel Araújo / Lusa

A associação ambientalista Jornada Principal reclama a “demissão imediata” do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, acusando-o de “criar uma encenação técnica” para permitir a manutenção da atividade da Recivalongo no aterro em Sobrado, em Valongo.

“Visto que o ministro do Ambiente não tomou nenhuma medida que salvaguardasse os interesses da população de Sobrado e apenas se limitou a criar uma ‘encenação técnica’ patrocinada pela Recivalongo, e visto que o que se passa em Sobrado é um atentado ambiental, um atentado à saúde pública e um atentado aos direitos humanos, resta-nos solicitar a sua demissão imediata”, sustenta a associação num comunicado divulgado ao final da noite de sexta-feira.

Acusando Matos Fernandes de “desconsideração para com o povo de Sobrado” e todas as entidades envolvidas na Comissão de Acompanhamento (CA) ao funcionamento do aterro (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte — CCDR-N, Agência Portuguesa do Ambiente — APA e Autoridade Regional de Saúde do Norte — ARS-N) de “desrespeito”, a Jornada Principal diz que estão a “ignorar o sofrimento diário e todas as queixas e manifestações públicas” da população local.

Esta posição da associação ambientalista – que desde 2019 tem vindo a denunciar o aterro como sendo um “crime ambiental” – surge após a CA ter concluído na sexta-feira, após uma quarta reunião, estarem em cumprimento as três medidas determinadas a 18 de dezembro de 2019 e que permitem à Recivalongo manter-se em atividade.

“Sendo o aterro de Sobrado um aterro de resíduos não perigosos e não existindo condições físicas que permitam o depósito independente de resíduos de amianto (resíduo considerado perigoso segundo a Lista Europeia de Resíduos), como podem as entidades do Estado compactuar com esta ilegalidade?”, vem agora questionar a associação.

“Quem garante que a saúde da população de Sobrado e das freguesias vizinhas não está em risco, uma vez que foi permitido pela APA, durante anos, a deposição na mesma célula de amianto e resíduos biodegradáveis? E se agora não é permitido, vão continuar a enterrar os resíduos nas células que já contém amianto?”, acrescenta.

Para a Jornada Principal, “o facto de as entidades públicas não terem acatado a sugestão da Câmara Municipal de Valongo para integrar um membro da associação e o professor António Guerner na Comissão de Acompanhamento só serviu para branquear a atividade da entidade [Recivalongo] e para muscular e legalizar os interesses da empresa, protegendo os mais fortes em detrimento dos mais vulneráveis”.

A associação questiona, nomeadamente, “como é possível” a empresa estar a cumprir as três medidas determinadas pela CA, “se precisamente desde o mês de dezembro os odores se têm intensificado de tal forma ao ponto de serem insuportáveis”.

“Resta-nos concluir que as medidas são inócuas e insuficientes, menosprezando o sofrimento diário de um povo que perdeu toda a sua qualidade de vida”, sustenta.

A Jornada Principal diz ainda ter questionado se a CA realizou alguma fiscalização ao aterro em período noturno, já que os odores se intensificam “sobretudo a partir das 18h″, tendo os respetivos técnicos respondido “que não trabalhavam fora do horário laboral”.

Assegurando que a Recivalongo “efetua a recirculação do lixiviado em período noturno, com a finalidade de evaporar o lixiviado e reduzir o volume do efluente”, a associação alerta que o faz, assim, “isenta de qualquer fiscalização, o que lhe permite alegar que os odores são ‘pontuais’”.

Debaixo das críticas da associação está também o facto de o relatório de levantamento do estudo de insetos ser “apresentado pela própria entidade gestora do aterro, principal parte interessada”, pondo em causa a “fiabilidade” do documento.

E — acrescenta — “sendo este um problema de interesse público, onde estão os relatórios realizados à água, ao ar e à saúde, feitos pelos organismos responsáveis do Governo? Ou será que o valor recebido pelo estado proveniente da Taxa de Gestão de Resíduos não pode suportar estas análises técnicas?”

No comunicado, a Jornada Principal acusa ainda “as entidades do Estado” de omitirem um pedido da Recivalongo para descarregar o lixiviado diretamente na ribeira do Vilar, deixando em aberto tratar-se de mais uma situação em que “o ministro do Ambiente está empenhado em defender interesses privados”.

“Como podem os técnicos da ARS omitir as queixas das populações, se esta associação já encaminhou diversos casos, quer para a ministra da Saúde, quer para a delegada de Saúde da ACES [Agrupamento de Centros de Saúde] Maia – Valongo, anexando várias evidências de relatórios médicos, receitas e faturas de fármacos e registos fotográficos?”, pergunta a associação.

Questionando se “o incêndio de grandes dimensões que deflagrou no interior do aterro não danificou as telas de impermeabilização” e se “a CCDR-N e a APA realizaram alguma monitorização das águas do piezômetros para aferir algum foco de contaminação”, a Jornada Principal afirma-se também preocupada com a eventual produção de um “composto perigoso” resultante da reação dos diversos resíduos depositados no aterro.

“Visto que os resíduos são depositados sem qualquer tipo de controlo e tratamento, como podem os técnicos da APA e CCDR-N determinar qual a fórmula química dos resíduos do aterro de Sobrado? Será que a reação de mais de 400 tipos de resíduos não está a produzir um composto perigoso”, pergunta.

Segundo a associação, “foi solicitado à Comissão de Acompanhamento que ordenasse uma amostragem em vários pontos do aterro, para despistar eventuais suspeitas de resíduos perigosos”, mas este pedido foi “ignorado”.

Instalada em Sobrado desde 2007 para tratar resíduos de indústria, a Recivalongo começou a ser em 2019 acusada de “crime ambiental” pela população e autarquia de Valongo após ter sido detetado que a empresa detinha “mais de 420 licenças para tratar todo o tipo de resíduos”.

Desde então, as queixas de “cheiro nauseabundo do ar” e a “poluição da ribeira de Vilar devido a descargas de lixiviado” têm sido recorrentes entre a população, originando o nascimento da Associação Jornada Principal, dinamizadora dos protestos.

  // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Onde andaram os Ambientalistas que desde 2007 que existe o aterro e só agora é que falam? Este País está podre tanto a nível da classe politica, Justiça ou falta dela, Organizações que se dizem independentes até aos Sindicalistas.

  2. Que ministro? Por acaso, mas sópor acaso, temos algum ministério do Ambiente, ou respectivo ministro? O que lá está finge que é ministro!

RESPONDER

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …

Preço da luz no mercado regulado deverá subir 0,2% em 2022

O preço da eletricidade para os consumidores do mercado regulado deverá subir 0,2% no próximo ano face à média do ano em curso, segundo a proposta da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) hoje anunciada. “Para …

Governo recua e anuncia redução de imposto sobre combustíveis. Gasolina desce dois cêntimos e gasóleo um

Com a subida abrupta do preço dos combustíveis, o Governo anunciou esta sexta-feira à tarde que irá reduzir o ISP. Na prática, ao consumidor isto significa que o preço da gasolina vai baixar dois cêntimos …

Bolsonaro admite que chora sozinho na casa de banho

Num encontro organizado pela igreja evangélica Comunidade das Nações, em Brasília, na quinta-feira, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, admitiu que costuma chorar na casa de banho. “Quantas vezes eu choro na casa de banho, em …

Jogadores em greve no Brasil, presidente no Estádio da Luz

Crise financeira grave no Cruzeiro, jogadores não apareceram para treinar e o presidente estava em Portugal. O plantel do Cruzeiro não apareceu no treino marcado para a tarde desta quinta-feira. Na véspera, os jogadores já tinham …

"É devastador": os millenials que querem ter filhos, mas não têm condições financeiras

Têm três empregos, querem mudar de carreira ou estão a mudar-se para zonas distantes para ter alojamento mais acessível. Assim é a vida dos millenials, que fazem tudo para juntar dinheiro suficiente para sustentar uma …

Milionário Robert Durst condenado a prisão perpétua por matar melhor amiga

O tribunal de Los Angeles condenou o excêntrico milionário de 78 anos a pena perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional, pelo homicídio em primeiro grau de Susan Berman (o equivalente a homicídio qualificado), segundo a …