ADSE pode invocar interesse público para evitar saída de privados

A ADSE poderá invocar o interesse público para evitar que a José de Mello Saúde e a Luz Saúde suspendam as convenções com a ADSE a partir de meados de abril.

A hipótese está a ser avaliada no âmbito da resposta que o instituto que gere o sistema de assistência na doença da função pública irá dar aos grupos privados, anunciou João Proença, presidente do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE.

Em entrevista ao Jornal de Negócios, João Proença afirma que, embora as convenções assinadas entre os privados e a ADSE não prevejam a figura da suspensão, a lei dos contratos públicos permite essa suspensão. Mas para isso, os grupos privados de saúde terão de invocar o não cumprimento das convenções por parte da ADSE.

“É possível pedir a suspensão, a lei dos contratos públicos permite, mas têm que invocar que a ADSE não cumpriu as regras”, afirmou. “Além de questionar isso, a ADSE pode ainda invocar o interesse público para evitar a suspensão. Portanto, vai atuar-se nos termos da lei, vamos responder às cartas, veremos o que pode acontecer”, acrescentou.

Na perspetiva do presidente do CGS não houve qualquer incumprimento por parte da ADSE. “É evidente que não houve”, reforçou.

“Quando estão em causa dezenas, centenas de milhares de faturas, poderá haver um problema ou outro. Os privados, muitas vezes, apresentaram faturas fora do prazo que são aceites e outras coisas. Portanto há sempre alguma maleabilidade numa relação entre um grande prestador e a ADSE. Agora têm de justificar porque invocam o não-cumprimento da convenção pela ADSE”, desafiou.

Há algumas semanas, a José de Mello Saúde e a Luz Saúde anunciaram a suspensão das convenções a partir de meados de abril, o que significa que a partir de 12 e 15 de Abril, os beneficiários da ADSE que queiram recorrer aos hospitais destes grupos terão de pagar os cuidados e depois pedir o reembolso à ADSE.

Os grupos Hospital Particular do Algarve e Lusíadas ameaçaram seguir o mesmo caminho, mas não avançaram ainda para a suspensão ou denúncia das convenções.

Mesmo que estes grupos optem por denunciar as convenções, Proença lembra que o prazo para o fazer é variável. Algumas convenções têm um prazo mínimo de 30 dias, sem qualquer data, e a denúncia pode ocorrer em qualquer altura do ano. As grandes convenções impõem um prazo de 30 dias antes da data da denúncia fixada na convenção.

Na origem deste diferendo estão 38 milhões de euros que a ADSE reclama junto dos privados relativamente a catos médios, medicamentos e próteses faturadas acima da média em 2015 e em 2016.

Para João Proença, a verdadeira origem do problema é a negociação de tabelas com preços máximos nas intervenções cirúrgicas, próteses e medicamento hospitalares. “Queremos os preços máximos e queremos ao mesmo tempo o regime de autorizações prévias”, defendeu. O responsável voltou a reforçar que quando estas tabelas existirem “acabam as regularizações” e defendeu que se chegue rapidamente a um compromisso.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …

Japonês aluga-se a si próprio "para não fazer nada". E tem milhares de clientes

Um homem japonês que ganha a vida a alugar-se a si próprio “para não fazer nada” atraiu milhares de clientes. O negócio começou em 2018. Por 10.000 ienes (cerca de 79 euros) - mais despesas com …

Documentos de vacinas roubados por hackers também foram "manipulados"

A Agência Europeia do Medicamento, entidade reguladora da União Europeia (UE), informou este sábado que os documentos da vacina contra a covid-19 roubados e colocados na Internet por hackers foram também "manipulados". A manipulação aconteceu depois …

Há 11 anos que não se consumia tanta eletricidade num só dia. A culpa é do frio

O país está a bater recordes de energia, tanto em termos de pico como de consumo diário. A culpa é da vaga de frio que assolou Portugal neste Inverno. O consumo de eletricidade bateu, na quarta-feira, …

Dymka, a gata que perdeu as patas e recebeu próteses de titânio impressas em 3D

Dymka, uma gata russa, ganhou um novo estímulo na sua vida depois de um grupo de veterinários realizar uma cirurgia para substituir as suas patas por próteses feitas de titânio impressas em 3D. A universidade revelou …

Hélder Amaral: "O meu partido de sempre está a morrer"

Em declarações ao semanário Expresso, o antigo deputado do CDS-PP, Hélder Amaral, diz-se desiludido com o seu partido. O ex-deputado centrista Hélder Amaral, que foi também presidente da distrital de Viseu, não está feliz com o …

EDP antecipa pagamento a mais de mil fornecedores em Portugal e Espanha

A EDP vai antecipar o pagamento a mais de mil fornecedores, uma iniciativa que, à semelhança do que já aconteceu no último ano, irá manter-se para todos os pagamentos a fornecedores ao longo do primeiro …

Há centenas de pessoas em busca de tesouros que não existem na Índia (e a culpa é de um boato)

Moradores de pelo menos três vilas no distrito de Rajgarh, no estado indiano de Madhya Pradesh (MP), passaram a última semana à procura de um tesouro antigo que provavemente não existe. Centenas de aldeões estão a …

João Ferreira diz que Marcelo deixou jovens em situação de "vulnerabilidade" (e elogia lay-off a 100%)

João Ferreira criticou este sábado o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa por deixar os jovens em situação de "vulnerabilidade". O candidato presidencial João Ferreira afirmou, este sábado, que o Presidente da República, Marcelo …