O país com a mais longa fronteira com a China não teve nenhuma morte por covid-19

Jerome Favre / EPA

A Mongólia partilha com a China a mais longa fronteira de mundo. No entanto, a sua resposta altamente centralizada à pandemia foi tão eficaz que nem uma única pessoa morreu de covid-19.

Davaadorj Rendoo, epidemiologista do Centro Nacional de Saúde Pública em Ulaanbaatar, explicou, em entrevista à Technology Review, a estratégia nacional da Mongólia para controlar o novo coronavírus.

Segundo o especialista, o país ouviu falar do vírus pela primeira na véspera de Ano Novo. Em 10 de janeiro, a Mongólia emitiu o seu primeiro comunicado, pedindo aos seus habitantes para usar máscara. Isto porque, segundo Rendoo, o país não tem um “ótimo sistema de saúde pública” nem ventiladores.

“É por isso que os nossos administradores temiam tanto a covid-19. Estávamos realmente com medo de que, se tivéssemos transmissão na comunidade, pelo menos uma vez, seria um desastre para nós”, referiu Rendoo.

A Mongólia tem a fronteira terrestre mais longa do mundo com a China – 4.600 quilómetros – bem como um fluxo humano contínuo para educação e negócios da China à Mongólia.

O país de cerca de 3,2 milhões de habitantes tem um clima severo, seco e frio. Segundo o especialista, todos os anos, entre novembro e fevereiro, há uma “temporada de gripe horrível“. Por isso, o Ministério da Saúde incentiva sempre as pessoas a praticarem uma boa higiene e a lavar as mãos, principalmente as crianças pequenas.

A Mongólia começou a testar a sua população em janeiro, começando uma triagem aleatória de pacientes com pneumonia, mas nunca encontrou um paciente infetado com covid-19. Em fevereiro, começaram a trazer mongóis que viviam no exterior de volta para o país e a testá-los.

O país não detetou um único caso doméstico até 9 de março. Descobriu-se que um cidadão francês que trabalhava na província de Dornogovi, no sul do país, estava infetado com o novo coronavírus. Desde aquele dia, o Ministério da Saúde tem realizado diariamente briefings de situação para falar sobre quantos casos foram importados e quais são as áreas de risco.

Depois do primeiro caso ter sido anunciado, as pessoas ficaram ainda mais obedientes às diretrizes.

A Mongólia abriu ainda uma linha direta de atendimento de 24 horas. As pessoas estavam a receber todo o tipo de informações erradas nas redes sociais – por exemplo, o facto de os mongóis se alimentarem de forma muito saudável e viverem em estilos de vida nómadas tradicionais permitiria que não ficariam infetados pelo vírus ou que o vírus não sobreviveria no país, por ser frio e seco.

O especialista disse ainda que o povo da Mongólia “está cada vez menos procupado”. Ainda assim, o país tem “diversos controles de temperatura em locais de recreação” e quase todos os espaços públicos, comos os shoppings e farmácias, ainda exigem máscaras.

Rendoo afirmou ainda que ainda não se sabe quanto tempo vai durar o estado de emergência. “Até ao final deste verão, não estamos a facilitar a quarentena. Mas as escolas terão de começar em setembro. O que ainda recomendamos todos os dias ao público é estar preparado, porque a transmissão da comunidade pode estar ao virar da esquina“.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas medem temperatura a 4 mil borboletas (e revelam a influência do clima no seu habitat)

Um grupo de cientistas do Reino Unido recolheu 4 mil borboletas selvagens para medir a sua temperaturas, alertando que algumas das espécies mais reconhecidas do país estão em ameaça de colapso, e em risco de …

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …