Voluntários finlandeses terão participado no assassinato de judeus na 2ª Guerra Mundial

As autoridades na Finlândia publicaram um relatório que concluiu que voluntários finlandeses “muito provavelmente” terão participado no assassinato de judeus.

Efraim Zuroff, historiador do Holocausto do Centro Simon Wiesenthal, elogiou a determinação do Arquivo Nacional da Finlândia ao divulgar as conclusões, mesmo que isso fosse “doloroso e desconfortável” para a Finlândia. Zuroff chamou a decisão de um “exemplo de coragem cívica única e exemplar”.

O governo da Finlândia encomendou o relatório independente de investigação de 248 páginas, que foi tornado público na sexta-feira. Segundo o relatório, 1.408 voluntários finlandeses trabalharam com a Wiking Division da SS Panzer durante 1941 a 1943, a maioria deles de 17 a 20 anos de idade.

É muito provável que eles tenham participado no assassinato de judeus, outros civis e prisioneiros de guerra como parte das tropas alemãs da SS”, disse Jussi Nuorteva, diretor-geral do Arquivo Nacional.

Uma parte significativa do estudo foi baseada em diários mantidos por 76 dos voluntários finlandeses da SS. Oito dos voluntários finlandeses da SS ainda estão vivos, disse Nuorteva.

A Finlândia foi invadida por Moscovo em novembro de 1939. Os combates naquilo que ficou conhecido como a Guerra de Inverno entre a Finlândia e a União Soviética duraram até março de 1940, quando uma Finlândia oprimida e em menor número concordou com um amargo tratado de paz. O pequeno país nórdico perdeu vários territórios, mas manteve a sua independência.

Isolada do resto da Europa e com medo de outro ataque soviético, a Finlândia fez uma aliança com a Alemanha, recebendo armas e outras ajudas materiais de Berlim.

Como parte do pacto, o chefe da SS nazi, Heinrich Himmler, insistiu que a Finlândia enviasse soldados para a Wiking Division, semelhante aos voluntários que exigia da Bélgica ocupada pelos nazi, Dinamarca, Holanda, Noruega e outros lugares.

Relutantemente, a Finlândia acatou e secretamente recrutou o primeiro grupo de 400 voluntários da SS a serem enviados para treinos na primavera de 1941. A grande maioria deles não tinha simpatias ideológicas com o regime nazi, segundo o relatório.

Quando a Alemanha nazi invadiu a União Soviética em junho de 1941, sob a Operação Barbarossa, as tropas do Exército regular finlandês lutaram de forma independente ao lado dos soldados da Wehrmacht na frente nordeste. Em 1941, os finlandeses avançaram na região da Carélia, fora de Leningrado.

Os soldados finlandeses não estavam sob comando nazi e a liderança do país foi motivada principalmente pelo desejo de recuperar os territórios perdidos para Moscovo.

“No início do ataque, os finlandeses não sabiam da meta dos alemães de erradicar os judeus”, disse Nuorteva. “Os finlandeses estavam, acima de tudo, interessados em lutar contra a União Soviética” devido a suas experiências brutais na Guerra de Inverno e a perceção da ameaça de Moscovo.

Desta forma, “o ponto de partida para o envolvimento dos finlandeses foi diferente em comparação com a maioria dos outros países que se juntaram aos voluntários estrangeiros da SS”, disse ele.

Voluntários finlandeses da SS com a Wiking Division operaram na frente leste até 1943, entrando no interior da Ucrânia.

Os principais historiadores militares finlandeses que empreenderam o estudo do papel do país em tempos de guerra escreveram que os voluntários finlandeses da SS provavelmente participaram no assassínio em massa de judeus e outros civis, bem como testemunharam atrocidades cometidas pelos alemães.

Os voluntários voltaram à Finlândia depois de o governo finlandês perceber que a maré da guerra se voltava contra os alemães. Muitos deles serviram no exército finlandês até o final da 2ª Guerra Mundial.

Uma cópia do relatório de sexta-feira foi entregue a Paula Lehtomaki, secretária de Estado do governo finlandês, que disse ser uma contribuição valiosa para o estudo existente “sobre eventos históricos difíceis e significativos” durante a complexa história da 2ª Guerra Mundial na Finlândia. “Partilhamos a responsabilidade de garantir que tais atrocidades nunca sejam repetidas”, disse Lehtomaki.

A investigação histórica foi iniciada após o pedido de Zuroff em janeiro de 2018 ao presidente finlandês Sauli Niinisto. O movimento da Finlândia contrasta com a atitude de alguns países do leste europeu que tentaram diminuir a sua culpa no Holocausto.

Na Polónia, o atual governo de direita tem trabalhado para destacar casos de polacos que agiram heroicamente e salvaram judeus, bem como o grande número de polacos que morreram e sofreram durante a ocupação alemã.

ZAP // Time

PARTILHAR

RESPONDER

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …

“É a desilusão”. PSD queria novos ministros na Saúde, Educação e Justiça

  O PSD defendeu esta quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …

Dobradinha poderá render 1,6 milhões de euros a Bruno Lage

Caso consiga alcançar a dobradinha, isto é, vencer o campeonato e a Taça de Portugal, o treinador do Benfica, Bruno Lage, receberá em prémios cerca de 1,6 milhões de euros brutos, avança a imprensa desportiva. A …

Lisboa aumenta seis vezes IMI de prédios devolutos nos centros

A Câmara de Lisboa vai aumentar, em 2020, seis vezes a taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para os prédios devolutos nas zonas de maior pressão urbanística, anunciou esta quarta-feira o vereador das Finanças, …