Voluntários finlandeses terão participado no assassinato de judeus na 2ª Guerra Mundial

As autoridades na Finlândia publicaram um relatório que concluiu que voluntários finlandeses “muito provavelmente” terão participado no assassinato de judeus.

Efraim Zuroff, historiador do Holocausto do Centro Simon Wiesenthal, elogiou a determinação do Arquivo Nacional da Finlândia ao divulgar as conclusões, mesmo que isso fosse “doloroso e desconfortável” para a Finlândia. Zuroff chamou a decisão de um “exemplo de coragem cívica única e exemplar”.

O governo da Finlândia encomendou o relatório independente de investigação de 248 páginas, que foi tornado público na sexta-feira. Segundo o relatório, 1.408 voluntários finlandeses trabalharam com a Wiking Division da SS Panzer durante 1941 a 1943, a maioria deles de 17 a 20 anos de idade.

É muito provável que eles tenham participado no assassinato de judeus, outros civis e prisioneiros de guerra como parte das tropas alemãs da SS”, disse Jussi Nuorteva, diretor-geral do Arquivo Nacional.

Uma parte significativa do estudo foi baseada em diários mantidos por 76 dos voluntários finlandeses da SS. Oito dos voluntários finlandeses da SS ainda estão vivos, disse Nuorteva.

A Finlândia foi invadida por Moscovo em novembro de 1939. Os combates naquilo que ficou conhecido como a Guerra de Inverno entre a Finlândia e a União Soviética duraram até março de 1940, quando uma Finlândia oprimida e em menor número concordou com um amargo tratado de paz. O pequeno país nórdico perdeu vários territórios, mas manteve a sua independência.

Isolada do resto da Europa e com medo de outro ataque soviético, a Finlândia fez uma aliança com a Alemanha, recebendo armas e outras ajudas materiais de Berlim.

Como parte do pacto, o chefe da SS nazi, Heinrich Himmler, insistiu que a Finlândia enviasse soldados para a Wiking Division, semelhante aos voluntários que exigia da Bélgica ocupada pelos nazi, Dinamarca, Holanda, Noruega e outros lugares.

Relutantemente, a Finlândia acatou e secretamente recrutou o primeiro grupo de 400 voluntários da SS a serem enviados para treinos na primavera de 1941. A grande maioria deles não tinha simpatias ideológicas com o regime nazi, segundo o relatório.

Quando a Alemanha nazi invadiu a União Soviética em junho de 1941, sob a Operação Barbarossa, as tropas do Exército regular finlandês lutaram de forma independente ao lado dos soldados da Wehrmacht na frente nordeste. Em 1941, os finlandeses avançaram na região da Carélia, fora de Leningrado.

Os soldados finlandeses não estavam sob comando nazi e a liderança do país foi motivada principalmente pelo desejo de recuperar os territórios perdidos para Moscovo.

“No início do ataque, os finlandeses não sabiam da meta dos alemães de erradicar os judeus”, disse Nuorteva. “Os finlandeses estavam, acima de tudo, interessados em lutar contra a União Soviética” devido a suas experiências brutais na Guerra de Inverno e a perceção da ameaça de Moscovo.

Desta forma, “o ponto de partida para o envolvimento dos finlandeses foi diferente em comparação com a maioria dos outros países que se juntaram aos voluntários estrangeiros da SS”, disse ele.

Voluntários finlandeses da SS com a Wiking Division operaram na frente leste até 1943, entrando no interior da Ucrânia.

Os principais historiadores militares finlandeses que empreenderam o estudo do papel do país em tempos de guerra escreveram que os voluntários finlandeses da SS provavelmente participaram no assassínio em massa de judeus e outros civis, bem como testemunharam atrocidades cometidas pelos alemães.

Os voluntários voltaram à Finlândia depois de o governo finlandês perceber que a maré da guerra se voltava contra os alemães. Muitos deles serviram no exército finlandês até o final da 2ª Guerra Mundial.

Uma cópia do relatório de sexta-feira foi entregue a Paula Lehtomaki, secretária de Estado do governo finlandês, que disse ser uma contribuição valiosa para o estudo existente “sobre eventos históricos difíceis e significativos” durante a complexa história da 2ª Guerra Mundial na Finlândia. “Partilhamos a responsabilidade de garantir que tais atrocidades nunca sejam repetidas”, disse Lehtomaki.

A investigação histórica foi iniciada após o pedido de Zuroff em janeiro de 2018 ao presidente finlandês Sauli Niinisto. O movimento da Finlândia contrasta com a atitude de alguns países do leste europeu que tentaram diminuir a sua culpa no Holocausto.

Na Polónia, o atual governo de direita tem trabalhado para destacar casos de polacos que agiram heroicamente e salvaram judeus, bem como o grande número de polacos que morreram e sofreram durante a ocupação alemã.

ZAP // Time

PARTILHAR

RESPONDER

Juventus é campeã pela oitava vez consecutiva. E Ronaldo estava lá

A Juventus conquistou este sábado a Serie A pela oitava vez consecutiva, depois de vencer em casa a Fiorentina por 2-1, em jogo da 33ª jornada. Poucos dias após a eliminação nos quartos de final da …

Coletes Amarelos: novo sábado de violência em Paris

Mobilizados há mais de cinco meses, os "coletes amarelos" voltaram este sábado às ruas para o seu "acto XXIII" marcado por uma nova escalada da tensão entre manifestantes e forças de autoridade. Tiros de gás lacrimogéneo, …

Porto vs Santa Clara | Dragão suficiente assume liderança

O FC Porto venceu hoje o Santa Clara por 1-0, em partida da 30.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, que permite aos ‘dragões' regressarem, à condição, ao comando do campeonato. O FC Porto cumpriu …

Notre-Dame pode não ser a única. Vários monumentos em todo o mundo estão em risco

O incêndio na catedral de Notre-Dame, em Paris, levantou questões sobre a forma como os órgãos responsáveis pelo património cultural realizam políticas de conservação e detetam possíveis problemas. Além disso, a Unesco indicou que vários locais de …

Hubble espreita aglomerado cósmico azul

Os enxames globulares são objetos inerentemente belos, mas o alvo desta imagem do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA, Messier 3, é frequentemente reconhecido como um dos mais esplêndidos de todos. Contendo, incrivelmente, meio milhão de estrelas, …

Comer carne vermelha (mesmo moderadamente) aumenta risco de cancro do intestino

O maior estudo alguma vez realizado no Reino Unido sugere que devemos reduzir (ainda mais) o consumo de carne vermelha. Um estudo financiado pela Cancer Research UK e desenvolvido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, …

Gémeas alemãs nascem com 3 meses de diferença (e em anos distintos)

Um hospital alemão anunciou na segunda-feira o caso de duas meninas que, apesar de serem gémeas, nasceram com três meses de diferença e em anos distintos. Com apenas 26 semanas de gravidez, a 17 de novembro …

Avião hospital da Luftwaffe levou doze feridos da Madeira para a Alemanha

Doze feridos do acidente com um autocarro turístico partiram hoje do Aeroporto da Madeira, cerca das 12:00, a bordo de um avião alemão equipado com meios hospitalares, com destino a Colónia, após operação de transferência …

Família desalojada e nove casas atingidas em queda de grua no Porto

Uma grua caiu hoje em cima de várias habitações na rua da Corticeira, na zona das Fontainhas, na cidade do Porto, mas não há feridos a registar, disse fonte dos Bombeiros Sapadores do Porto. A grua …

Mulheres são quase metade dos “100 mais influentes” da Time

Há 48 mulheres na lista das 100 personalidades mais influentes do mundo publicada esta quarta-feira pela revista norte-americana Time. A lista, publicada anualmente desde 2004, junta personalidades das mais diferentes áreas distribuídas por cinco categorias: “Pioneiros”, …