Voluntários finlandeses terão participado no assassinato de judeus na 2ª Guerra Mundial

As autoridades na Finlândia publicaram um relatório que concluiu que voluntários finlandeses “muito provavelmente” terão participado no assassinato de judeus.

Efraim Zuroff, historiador do Holocausto do Centro Simon Wiesenthal, elogiou a determinação do Arquivo Nacional da Finlândia ao divulgar as conclusões, mesmo que isso fosse “doloroso e desconfortável” para a Finlândia. Zuroff chamou a decisão de um “exemplo de coragem cívica única e exemplar”.

O governo da Finlândia encomendou o relatório independente de investigação de 248 páginas, que foi tornado público na sexta-feira. Segundo o relatório, 1.408 voluntários finlandeses trabalharam com a Wiking Division da SS Panzer durante 1941 a 1943, a maioria deles de 17 a 20 anos de idade.

É muito provável que eles tenham participado no assassinato de judeus, outros civis e prisioneiros de guerra como parte das tropas alemãs da SS”, disse Jussi Nuorteva, diretor-geral do Arquivo Nacional.

Uma parte significativa do estudo foi baseada em diários mantidos por 76 dos voluntários finlandeses da SS. Oito dos voluntários finlandeses da SS ainda estão vivos, disse Nuorteva.

A Finlândia foi invadida por Moscovo em novembro de 1939. Os combates naquilo que ficou conhecido como a Guerra de Inverno entre a Finlândia e a União Soviética duraram até março de 1940, quando uma Finlândia oprimida e em menor número concordou com um amargo tratado de paz. O pequeno país nórdico perdeu vários territórios, mas manteve a sua independência.

Isolada do resto da Europa e com medo de outro ataque soviético, a Finlândia fez uma aliança com a Alemanha, recebendo armas e outras ajudas materiais de Berlim.

Como parte do pacto, o chefe da SS nazi, Heinrich Himmler, insistiu que a Finlândia enviasse soldados para a Wiking Division, semelhante aos voluntários que exigia da Bélgica ocupada pelos nazi, Dinamarca, Holanda, Noruega e outros lugares.

Relutantemente, a Finlândia acatou e secretamente recrutou o primeiro grupo de 400 voluntários da SS a serem enviados para treinos na primavera de 1941. A grande maioria deles não tinha simpatias ideológicas com o regime nazi, segundo o relatório.

Quando a Alemanha nazi invadiu a União Soviética em junho de 1941, sob a Operação Barbarossa, as tropas do Exército regular finlandês lutaram de forma independente ao lado dos soldados da Wehrmacht na frente nordeste. Em 1941, os finlandeses avançaram na região da Carélia, fora de Leningrado.

Os soldados finlandeses não estavam sob comando nazi e a liderança do país foi motivada principalmente pelo desejo de recuperar os territórios perdidos para Moscovo.

“No início do ataque, os finlandeses não sabiam da meta dos alemães de erradicar os judeus”, disse Nuorteva. “Os finlandeses estavam, acima de tudo, interessados em lutar contra a União Soviética” devido a suas experiências brutais na Guerra de Inverno e a perceção da ameaça de Moscovo.

Desta forma, “o ponto de partida para o envolvimento dos finlandeses foi diferente em comparação com a maioria dos outros países que se juntaram aos voluntários estrangeiros da SS”, disse ele.

Voluntários finlandeses da SS com a Wiking Division operaram na frente leste até 1943, entrando no interior da Ucrânia.

Os principais historiadores militares finlandeses que empreenderam o estudo do papel do país em tempos de guerra escreveram que os voluntários finlandeses da SS provavelmente participaram no assassínio em massa de judeus e outros civis, bem como testemunharam atrocidades cometidas pelos alemães.

Os voluntários voltaram à Finlândia depois de o governo finlandês perceber que a maré da guerra se voltava contra os alemães. Muitos deles serviram no exército finlandês até o final da 2ª Guerra Mundial.

Uma cópia do relatório de sexta-feira foi entregue a Paula Lehtomaki, secretária de Estado do governo finlandês, que disse ser uma contribuição valiosa para o estudo existente “sobre eventos históricos difíceis e significativos” durante a complexa história da 2ª Guerra Mundial na Finlândia. “Partilhamos a responsabilidade de garantir que tais atrocidades nunca sejam repetidas”, disse Lehtomaki.

A investigação histórica foi iniciada após o pedido de Zuroff em janeiro de 2018 ao presidente finlandês Sauli Niinisto. O movimento da Finlândia contrasta com a atitude de alguns países do leste europeu que tentaram diminuir a sua culpa no Holocausto.

Na Polónia, o atual governo de direita tem trabalhado para destacar casos de polacos que agiram heroicamente e salvaram judeus, bem como o grande número de polacos que morreram e sofreram durante a ocupação alemã.

ZAP // Time

PARTILHAR

RESPONDER

Vaticano destitui ex-cardeal dos Estados Unidos por acusações de abusos sexuais

A Congregação para a Doutrina da Fé expulsou do sacerdócio o ex-cardeal e arcebispo emérito de Washington Theodore McCarrick depois de este ser acusado de abusos sexuais de menores e seminaristas, anunciou o Vaticano. Num comunicado, …

Maré de água suja atingiu a já debilitada Grande Barreira de Coral

Um enorme manto de água poluída oriunda das recentes inundações que se registaram no nordeste da Austrália penetrou em partes da já debilitada Grande Barreira de Coral, o maior recife de coral do mundo. Estas camadas …

É oficial: Pedro Marques é o cabeça-de-lista socialista às europeias

O atual ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, é o cabeça de lista dos socialistas às eleições europeias. Era uma notícia já avançada por vários órgãos de comunicação social e hoje António Costa confirmou-a. …

Governo espanhol aprova ordem de exumação de Franco

O Governo espanhol aprovou a ordem para exumar o ditador Francisco Franco do seu atual lugar de enterro, o monumento do Vale dos Caídos, medida à qual a família ainda se opõe. Os familiares de Franco …

Sonda da NASA aperta órbita em preparação para a missão Marte 2020

A missão MAVEN (Mars Atmosphere and Volatile Evolution) da agência espacial norte-americana, já com 4 anos, está a embarcar numa nova campanha para apertar a sua órbita em torno de Marte. A operação vai reduzir …

Trump precisa de oito milhões de dólares para o muro e a Casa Branca explica onde os vai buscar

A Casa Branca identificou esta sexta-feira os fundos federais que serão utilizados pela administração de Donald Trump para conseguir financiar a construção do muro na fronteira com o México. O Presidente norte-americano declarou esta sexta-feira estado …

Desativação de bomba da II Guerra Mundial paralisa e evacua Paris

Mais de mil moradores e trabalhadores evacuados, comboios urbanos, nacionais e internacionais cancelados, estradas fechadas, rotas de autocarro desviadas e pelo menos uma estação de metro encerrada em Paris. Também o bairro de porte de La …

Pouco se sabe sobre a morte de Khashoggi. Mas há um homem que diz ter muito para contar

Neste momento, as informações aparecem a conta-gotas. Foi a estratégia usada pelas autoridades turcas, desde o primeiro momento, para gerir a forma como revelaram informações sobre o assassinato de Jamal Khashoggi. Khashoggi morreu dentro do consulado …

Enfermeiros marcam greve nacional para 8 de março

A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) vai decretar greve nacional para dia 8 de março, para permitir a participação dos profissionais numa marcha em homenagem à enfermagem que está programada para Lisboa. O anúncio foi …

Octogenário espanhol usava bancos portugueses para lavar dinheiro

Duas agências bancárias situadas no Porto e em Valença do Minho foram usadas por um narcotraficante espanhol para lavar o dinheiro que ganhava com a venda de estupefacientes e ainda no contrabando de tabaco. Uma investigação …