Voluntários finlandeses terão participado no assassinato de judeus na 2ª Guerra Mundial

As autoridades na Finlândia publicaram um relatório que concluiu que voluntários finlandeses “muito provavelmente” terão participado no assassinato de judeus.

Efraim Zuroff, historiador do Holocausto do Centro Simon Wiesenthal, elogiou a determinação do Arquivo Nacional da Finlândia ao divulgar as conclusões, mesmo que isso fosse “doloroso e desconfortável” para a Finlândia. Zuroff chamou a decisão de um “exemplo de coragem cívica única e exemplar”.

O governo da Finlândia encomendou o relatório independente de investigação de 248 páginas, que foi tornado público na sexta-feira. Segundo o relatório, 1.408 voluntários finlandeses trabalharam com a Wiking Division da SS Panzer durante 1941 a 1943, a maioria deles de 17 a 20 anos de idade.

É muito provável que eles tenham participado no assassinato de judeus, outros civis e prisioneiros de guerra como parte das tropas alemãs da SS”, disse Jussi Nuorteva, diretor-geral do Arquivo Nacional.

Uma parte significativa do estudo foi baseada em diários mantidos por 76 dos voluntários finlandeses da SS. Oito dos voluntários finlandeses da SS ainda estão vivos, disse Nuorteva.

A Finlândia foi invadida por Moscovo em novembro de 1939. Os combates naquilo que ficou conhecido como a Guerra de Inverno entre a Finlândia e a União Soviética duraram até março de 1940, quando uma Finlândia oprimida e em menor número concordou com um amargo tratado de paz. O pequeno país nórdico perdeu vários territórios, mas manteve a sua independência.

Isolada do resto da Europa e com medo de outro ataque soviético, a Finlândia fez uma aliança com a Alemanha, recebendo armas e outras ajudas materiais de Berlim.

Como parte do pacto, o chefe da SS nazi, Heinrich Himmler, insistiu que a Finlândia enviasse soldados para a Wiking Division, semelhante aos voluntários que exigia da Bélgica ocupada pelos nazi, Dinamarca, Holanda, Noruega e outros lugares.

Relutantemente, a Finlândia acatou e secretamente recrutou o primeiro grupo de 400 voluntários da SS a serem enviados para treinos na primavera de 1941. A grande maioria deles não tinha simpatias ideológicas com o regime nazi, segundo o relatório.

Quando a Alemanha nazi invadiu a União Soviética em junho de 1941, sob a Operação Barbarossa, as tropas do Exército regular finlandês lutaram de forma independente ao lado dos soldados da Wehrmacht na frente nordeste. Em 1941, os finlandeses avançaram na região da Carélia, fora de Leningrado.

Os soldados finlandeses não estavam sob comando nazi e a liderança do país foi motivada principalmente pelo desejo de recuperar os territórios perdidos para Moscovo.

“No início do ataque, os finlandeses não sabiam da meta dos alemães de erradicar os judeus”, disse Nuorteva. “Os finlandeses estavam, acima de tudo, interessados em lutar contra a União Soviética” devido a suas experiências brutais na Guerra de Inverno e a perceção da ameaça de Moscovo.

Desta forma, “o ponto de partida para o envolvimento dos finlandeses foi diferente em comparação com a maioria dos outros países que se juntaram aos voluntários estrangeiros da SS”, disse ele.

Voluntários finlandeses da SS com a Wiking Division operaram na frente leste até 1943, entrando no interior da Ucrânia.

Os principais historiadores militares finlandeses que empreenderam o estudo do papel do país em tempos de guerra escreveram que os voluntários finlandeses da SS provavelmente participaram no assassínio em massa de judeus e outros civis, bem como testemunharam atrocidades cometidas pelos alemães.

Os voluntários voltaram à Finlândia depois de o governo finlandês perceber que a maré da guerra se voltava contra os alemães. Muitos deles serviram no exército finlandês até o final da 2ª Guerra Mundial.

Uma cópia do relatório de sexta-feira foi entregue a Paula Lehtomaki, secretária de Estado do governo finlandês, que disse ser uma contribuição valiosa para o estudo existente “sobre eventos históricos difíceis e significativos” durante a complexa história da 2ª Guerra Mundial na Finlândia. “Partilhamos a responsabilidade de garantir que tais atrocidades nunca sejam repetidas”, disse Lehtomaki.

A investigação histórica foi iniciada após o pedido de Zuroff em janeiro de 2018 ao presidente finlandês Sauli Niinisto. O movimento da Finlândia contrasta com a atitude de alguns países do leste europeu que tentaram diminuir a sua culpa no Holocausto.

Na Polónia, o atual governo de direita tem trabalhado para destacar casos de polacos que agiram heroicamente e salvaram judeus, bem como o grande número de polacos que morreram e sofreram durante a ocupação alemã.

ZAP // Time

PARTILHAR

RESPONDER

Tondela vs Porto | Dragões garantem vantagem para o Clássico

O FC Porto fez o que lhe competia para garantir que chegava ao “clássico” do próximo sábado, com o Benfica, no primeiro lugar do campeonato. Na visita ao Tondela, os “dragões” não deram grandes veleidades …

Enfermeiras suspeitas de sabotar hospital com baratas. Queriam emprego melhor

Enfermeiras das emergências de um hospital italiano terão, alegadamente, libertado baratas no seu departamento. O objetivo era conseguirem uma transferência para outro hospital. As autoridades sanitárias da região de Nápoles abriram uma investigação a um caso …

Cancro do colo do útero pode ser extinto até 2100

Todos os anos, o cancro do colo do útero é a causa de morte de mais de 300 mil mulheres em todo o mundo - mas pode ser extinto até 2100. No ano passado, o diretor-geral …

Fortnite retira anúncios do YouTube para fugir aos predadores sexuais

A produtora de videojogos que criou o Fortnite, muito popular entre jovens e crianças, decidiu retirar os anúncios publicitários do YouTube por temer que estes apareçam ao lado de comentários publicados por pedófilos. A empresa norte-americana …

O alpinista sem pernas que chegou ao cume do Everest foi premiado com o "Momento do Ano"

Um alpinista chinês de 69 anos, que tem ambas as pernas amputadas, conseguiu chegar ao topo do Evereste em maio de 2018. A perseverança de Xia Boyu valeu-lhe nesta semana um prémio.  Em 1975, Xia Boyu …

Numa empresa neozelandesa só se trabalham quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores. Quase um …

Portugueses não sabem fazer queixa contra discriminação (e acham que não vale a pena)

Quase toda a gente já ouviu falar de discriminação ou crimes de ódio, mas a maioria tem dificuldade em distinguir os conceitos, desconhece o que fazer perante um caso ou a quem recorrer para fazer …

Imigrantes que entraram ilegais em Portugal terão visto desde que tenham um ano de descontos

Os imigrantes que se encontram em Portugal a trabalhar e a descontar para a Segurança Social há pelo menos 12 meses vão poder ter a autorização de residência mesmo que não tenham entrado no país …

Estudantes no Porto até aos 15 anos vão andar gratuitamente de metro e autocarro

A Câmara do Porto vai garantir passes gratuitos para residentes estudantes na cidade até aos 15 anos, complementando a medida do Governo que prevê a gratuitidade do título de transporte até aos 12 anos. O anúncio …

Ryanair e Wizz Air multadas por restrições na bagagem de mão

A autoridade da concorrência italiana aplicou nesta quinta-feira uma multa de três milhões de euros à companhia aérea Ryanair e de um milhão de euros à Wizz Air, outra low cost, pelo suplemento aplicado à …