De 15.800 testes rápidos feitos nas escolas, 50 eram positivos

Rodrigo Antunes / Lusa

Dos 15.800 testes rápidos feitos nas escolas, em dois momentos distintos, só foram detetados 50 casos positivos. Tiago Brandão Rodrigues usou estes números para assegurar que as escolas são um local seguro.

“As escolas são locais seguros. Temos de voltar às escolas e esta tem de ser a nossa preocupação”, disse, esta quarta-feira, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. Para o sustentar, o governante segurou-se aos resultados das testagens feitas em dois momentos diferentes.

Antes do encerramento dos estabelecimentos de ensino, as secundárias dos concelhos com maior incidência de novos casos tinham iniciado a utilização de testes rápidos. Nessa pequena amostra de três mil testes feitos durante os dias 20 e 21 de janeiro, foram detetadas 25 infeções (0,8%) entre estudantes do secundário e trabalhadores.

Durante as duas semanas de pausa letiva, em que estiveram abertas 700 escolas para acolher filhos de profissionais de serviços essenciais, foram realizados 12.800 testes rápidos, junto de professores e funcionários, com 25 a darem positivo (0,2%).

Segundo o Expresso, apesar de não ter avançado uma data, o ministro usou estes dados para sustentar que as escolas são um local seguro e que a prioridade é retomar o ensino presencial. Quando as escolas reabrirem, é quase certo que o regresso deverá começar pelos mais novos e que haverá testes feitos de forma mais regular.

Os partidos da oposição confrontaram o ministro com os problemas do ensino à distância, como a “falta de preparação”, a falta de computadores face ao inicialmente prometido, a tarifa social de Internet atrasada, as escolas que replicam os horários como se os alunos estivessem em sala de aula ou os professores sem meios para o ensino à distância.

Apesar de ter admitido as falhas, Brandão Rodrigues garantiu que “estamos inegavelmente melhor agora do que no ano passado“.

O Bloco, o PAN e o PCP pediram um reajustamento à extensão dos programas, dos horários e da avaliação dos alunos, incluindo a eliminação dos exames do 9º ano. Contudo, o ministro garantiu já ter dado orientações sobre as aprendizagens essenciais que têm de ser feitas e avaliação externa “em coerência”, deixando apenas para os exames do secundário ajustamentos mais profundos.

A 1ª fase já foi adiada para julho e a 2ª fase para setembro. Além disso, os alunos só devem realizar os exames nacionais exigidos nos cursos superiores aos quais queiram concorrer, uma solução também adotada no ano passado.

Aumentar funcionários no 1.º ciclo

O ministro da Educação indicou ainda que a revisão da portaria de rácios, que vai permitir a contratação de dois mil funcionários para as escolas, pretende reforçar o número de assistentes operacionais nos estabelecimentos do 1.º ciclo. “Queremos reforçar o número de assistentes operacionais no 1.º ciclo, algo que tem sido apontado como uma preocupação”, disse Tiago Brandão Rodrigues.

A revisão da portaria de rácios, que já tinha sido noticiada na semana passada, vai permitir a contratação de mais dois mil não-docentes, alguns dos quais para o 1.º ciclo. Além desse critério, o Governo pretende também que cada agrupamento de escolas tenha um assistente técnico exclusivamente dedicado ao plano de transição digital.

A revisão do documento que define o número de auxiliares que cada escola tem de ter vai ainda permitir o aumento do número de assistentes operacionais que apoiam as residências escolares, nas escolas de referência para a educação bilingue e do domínio da visão, e naquelas onde os pavilhões desportivos estão localizados fora das instalações.

“Essa é a nossa proposta e obviamente que estamos a ultimar a portaria de rácios para poder ser publicada e aí lançar este novo concurso de dois mil assistentes operacionais para podermos efetivamente cumprir o Orçamento do Estado para 2021″, afirmou.

Brandão Rodrigues respondia à deputada comunista Ana Mesquita, que questionou “quando chegam todos os trabalhadores que estão em falta às escolas”, argumentando que esses funcionários são necessários para “ser sequer possível planear o regresso em segurança”.

Depois de explicar os critérios da nova portaria de rácios, o ministro da Educação continuou considerando que, nessa área em concreto, o executivo tem trabalhado para reforçar consecutivamente o trabalho de assistentes.

“Os números do INE [Instituto Nacional de Estatística] são incontornáveis e dizem que só no mundo da Educação temos mais 33 mil empregos criados e que entre docentes e não docentes temos um número muito significativo de crescimento”, referiu, acrescentando que dessa forma o Governo fez “uma inversão completa daquilo que vinha a acontecer”.

Liliana Malainho, ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Claro que sim!
    Basta apresentar os resultados que vos der jeito!
    Aqui há gato e ainda não descobri porque é que dá jeito a este ministro ter a as escolas abertas!
    Para além da obvia falta de respeito para com a saúde dos professores e alunos há algo mais!

  2. Pois é… Fecharam as escolas e o número de infectados baixou muito significativamente… Se calhar era melhor reabrir já as escolas, afinal não é significativo o número de infetados, fazendo os testes a todos estamos totalmente seguros.

RESPONDER

Computador quântico ajuda a criar um computador quântico melhor

Um computador quântico foi usado para projetar um qubit aprimorado que poderá alimentar a próxima geração de computadores quânticos mais pequenos, de alto desempenho e mais confiáveis. Da mesma forma que um bit binário é a …

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …