11 anos depois, Marcelo levou Dia de Portugal ao Porto (e já tem retrato oficial)

José Coelho / Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do Dia de Portugal, no Porto.

Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do Dia de Portugal, no Porto.

Foi o presidente dos afectos, a quebrar o protocolo, que presidiu às comemorações do Dia de Portugal que voltou, neste sábado, ao Porto, 11 anos depois. E na passagem pela Invicta, Marcelo Rebelo de Sousa surpreendeu com a escolha do seu retrato oficial.

O chefe de Estado presidiu à cerimónia militar comemorativa do Dia de Portugal que se realizou na zona do Molhe, junto ao mar, no Porto, que há 11 anos já tinha sido palco destas celebrações oficiais.

As comemorações arrancaram na sexta-feira com a realização de sete iniciativas públicas, mas o dia ficou marcado pela passagem de Marcelo pelo atelier do pintor António Bessa, na rua do Almada.

Marcelo Rebelo de Sousa foi ver o seu retrato pintado há já cerca de dois meses por mestre Bessa, como é conhecido, e ficou tão rendido à imagem que o adquiriu para ser o seu “retrato oficial” quando terminar o mandato, para ilustrar a Galeria dos Presidentes no Museu da Presidência.

“Apanhou-me muito bem”, confessou o Presidente aos jornalistas que ficaram surpreendidos pela escolha, nomeadamente por estar em causa um pintor pouco conhecido.

José Coelho / Lusa

Mestre Bessa junto do quadro que Marcelo Rebelo de Sousa escolheu como o seu "retrato oficial" para quando terminar o mandato.

Mestre Bessa junto do quadro que Marcelo Rebelo de Sousa escolheu como o seu “retrato oficial” para quando terminar o mandato.

Quebra do protocolo para cumprimentar ex-militares e populares

Já durante a cerimónia do Dia de Portugal, neste sábado, Marcelo quebrou o protocolo, cumprimentando antigos militares da guerra do Ultramar e populares que assistiram às celebrações, antes de ter notado que o país deve muito aos ex-combatentes, elogiando-os como heróis.

“Devemos-lhes muito. São uns heróis. São um exemplo [para os jovens]. É uma homenagem às Forças Armadas portuguesas”, afirmou Marcelo, no meio da multidão que o envolveu no fim da cerimónia, justificando por que motivo cumprimentava toda a gente que o abordava.

“Grande Presidente!”, “Presidente, dê-me um beijo” e “Presidente, tire uma fotografia comigo” foram algumas das interpelações feitas pelas centenas de pessoas que assistiram às celebrações junto ao Molhe, na Foz do Porto.

Um Portugal “independente e livre”

No seu discurso do Dia de Portugal, Marcelo sublinhou a importância de afirmar que se pretende no futuro um país “independente e livre”.

Independente do atraso, da ignorância, da pobreza, da injustiça, da dívida, da sujeição. Livre da prepotência, da demagogia, do pensamento único, da xenofobia e do racismo”, disse.

Num discurso de cerca de cinco minutos, Marcelo dedicou também uma palavra especial às comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, desse “outro Portugal que nos faz universais”.

Depois da cerimónia, Marcelo Rebelo de Sousa partiu para o Brasil, onde tem encontro marcado com a comunidade portuguesa em São Paulo, na continuação das celebrações do Dia de Portugal.

À imagem do que aconteceu no ano passado, o dia é repartido entre terras lusas e um país estrangeiro. Em 2016, as celebrações realizaram-se pela primeira vez em França.

A “extraordinária diversidade genética” dos portugueses

Antes de Marcelo discursar, falou o presidente da Comissão Organizadora do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Sobrinho Simões, que salientou como os portugueses são um povo com características genético culturais “sui generis“.

“Não estou a sugerir que há genes portugueses, não há, o que os portugueses têm é uma mistura notável de genes com as mais variadas origens, se há algo único, ou quase único em nós, é essa mistura genética“, referiu durante a sua intervenção.

O fundador do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular e Celular da Universidade do Porto (IPATIMUP) destacou que esta “extraordinária diversidade genética” do povo português se deve à incorporação, ao longo de Séculos, de judeus e berberes vindos de Espanha e do Norte de África, de árabes, porque teve escravatura de povos da África subsariana no país e nas colónias.

“E também porque fomos através do mar para tudo quanto era sítio na África, na Ásia e na América do Sul e de lá voltámos com filhos e, sobretudo, filhas”, acrescentou.

Tudo isto para salientar que “a incorporação de genes foi acompanhada pela incorporação das respectivas culturas, criando uma sociedade de gentes muito variadas, tolerante em termos religiosos, avessa aos extremismos pseudo-identitários que irrompem um pouco por todo o lado”, vincou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Centeno já cativou mais de 1025 milhões de euros no Orçamento de 2020

As cativações no Orçamento do Estado (OE) para 2020 ascendem a 1025,5 milhões de euros, revelou o boletim da Direção-Geral do Orçamento relativo a abril, montante inferior ao do OE 2019. Segundo avançou o Expresso esta …

Supremo Tribunal anula presidência parlamentar de Juan Guaidó

Esta terça-feira, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela reconheceu como presidente do parlamento Luís Parra, um dissidente da oposição. O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) declarou nula a junta de direção da Assembleia …

Há 285 novos casos de covid-19. São quase todos na Grande Lisboa

A região de Lisboa continua a registar o maior número de novos casos de covid-19 registados no país. A Direcção Geral de Saúde (DGS) anuncia hoje 31.292 infectados com o coronavírus, mais 285 do que …

Com bens arrestados e a filha a pagar contas, é quase impossível cobrar multa de 3,7 milhões a Ricardo Salgado

O Tribunal Constitucional confirmou a multa de 3,7 milhões de euros que foi aplicada pelo Banco de Portugal ao banqueiro Ricardo Salgado, mas é quase impossível cobrar esse valor. O ex-presidente do BES tem os …

França suspende tratamentos com hidroxicloroquina

O Governo francês decidiu esta quarta-feira suspender os tratamentos à base de hidroxicloroquina para pacientes infetados com a covid-19. O Executivo revogou o decreto de 11 de maio que autorizava a prescrição e a administração …

Decisão unânime. Deputados vão pedir para ver contrato de venda do Novo Banco (e para ouvir Carlos Costa)

Os deputados da comissão de orçamento e Finanças aprovaram esta quarta-feira por unanimidade o requerimento do Bloco de Esquerda para que seja entregue ao parlamento o contrato de venda do Novo Banco ao Lone Star. Segundo …

Portugal poderá receber 26,3 mil milhões de Bruxelas. 15,5 mil milhões a fundo perdido

Portugal poderá receber 26,3 mil milhões de euros em subvenções e empréstimos no âmbito do Fundo de Recuperação da União Europeia (UE), após a crise da covid-19, que ascende a um total de 750 mil …

"Taxa covid" cobrada por clínicas e hospitais privados não é ilegal (e pode alastrar ao comércio)

Aumentaram, nos últimos dias, as queixas à DECO, a Associação de Defesa do Consumidor, relacionadas com o pagamento de taxas adicionais no acesso a hospitais e clínicas privadas. Taxas que se destinam a pagar os …

O Banif deixou de ser um banco em 2015, mas continua sem haver relatório obrigatório por lei

Os credores aguardam há quatro anos e meio que seja divulgado o relatório que diga qual a percentagem de recuperação a que têm direito por lei. A 20 de dezembro, completaram-se quatro anos desde que o …

FC Porto revela tempo mínimo de paragem de Marcano

O futebolista Iván Marcano, que sofreu uma uma rotura do ligamento cruzado, vai ficar afastado dos revelados pelo menos durante três meses. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o FC Porto …