Vacinação de crianças divide peritos. Mas sem a inoculação dos mais novos a imunidade pode não chegar

Na sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde anunciou que recomenda que a vacinação contra a covid-19 de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades. No entanto, o tema está a gerar controvérsia e divide opiniões de especialistas.

De acordo com o anúncio feito por Graças Freitas, diretora-geral da Saúde, no dia de ontem, só as crianças que têm doenças de risco para a covid-19 – as chamadas comorbilidades – é que passam a ser prioritárias na vacinação.

No que diz respeito aos restantes jovens entre os 12 e os 15 anos, a DGS referiu que precisa de mais informação para decidir, principalmente no que toca aos casos de inflamação cardíaca (miocardite e pericardite) detetados em adolescentes após a toma da vacina da Pfizer e da Moderna.

Segundo Graça Freitas “ainda não há tempo para saber se há miocardites e pericardites na União Europeia”, sustentou depois de anunciar a decisão.

Contudo, este argumento não é válido na perspetiva de Nuno Vale.

O investigador de farmacologia explicou ao Expresso que os casos de inflamações cardíacas foram muito raros, destacando ainda que tanto a vacina da Pfizer como a da Moderna foram aprovadas pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Neste sentido, o especialista considera que dizer que faltam mais da UE contradiz as duas aprovações da agência europeia. “Temos indicação da EMA de que as crianças entre os 12 e os 15 podem ser vacinadas, não é que devem, mas que podem ser vacinadas. O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças [CDC] dos EUA também foi claro no comunicado que fez”, realça.

De recordar que o fármaco da Pfizer para menores dos 12 aos 15 já foi aprovado no final de maio pela Agência Europeia de Medicamentos. Os resultados dos testes clínicos mostram que a vacina é eficaz nesta faixa etária e não levanta “grandes preocupações” quanto a possíveis efeitos secundários.

Na última sexta-feira, a EMA também aprovou o imunizante da Moderna para jovens dos 12 aos 17 anos, depois de concluir que a resposta de anticorpos produzida nesta faixa etária é comparável à do grupo imediatamente a seguir, dos 18 aos 25 anos.

Por exemplo, nos Estados Unidos, “o CDC recomenda que todas as pessoas com 12 anos ou mais devem receber uma vacina para ajudar a proteger contra a covid-19”, pode ler-se na página oficial da agência de saúde.

Por existirem vários dados que provam que as vacinas são seguras, Nuno Vale diz que o parecer da Direção-Geral da Saúde “custa a aceitar, não é sensato”.

Para o matemático Carlos Antunes, a decisão da DGS de não vacinar uma grande percentagem da população abaixo dos 16 anos coloca em causa a possibilidade do país atingir a imunidade de grupo.

“Com a impossibilidade de vacinar 100% das pessoas com 16 anos ou mais e com apenas a franja dos jovens dos 12 aos 15 com comorbilidades (cerca de 1%), não será possível chegar aos 85% de cobertura vacinal”, a meta fixada para que Portugal atinja supostamente a imunidade de grupo.

Esta visão é partilhada por Nuno Vale que avisa que estar a fragmentar a população para que uma parte não seja vacinada pode ser um erro. “Sabemos até de experiências anteriores que com a covid-19 é melhor não arriscar e ver o que acontece, principalmente nas crianças.”

Por outro lado, aguardar por mais dados científicos na União Europeia é uma decisão “prudente”, considera Paulo Paixão, presidente da Sociedade Portuguesa de Virologia.

O especialista destaca que desta forma se “ganha mais tempo e vamos sabendo mais dados”, afirma. Por isso, apesar de ser a favor da vacinação universal dos 12 aos 15, não acha que a decisão seja errada nesse sentido.

Ainda assim, o virologista pede uma maior transparência, sugerindo a publicação de um relatório detalhado que pudesse ser consultado, com os dados em que foi baseada a decisão, para saber como é que se chegou a esta conclusão.

Apesar da posição tomada pela DGS, a Madeira começa este sábado a vacinar contra a covid-19 jovens a partir dos 12 anos, numa altura em que mais de metade da população adulta residente no arquipélago já está inoculada com a segunda dose. Os Açores ainda não têm previsão.

ZAP //

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Cada cabeça sua sentença, que está tudo cada vez mais uma trapalhada lá isso é verdade, que o número de casos aumenta todos os dias também!

    • Aumentar o número de casos, não significa doença, tentar vacinar as crianças com o objectivo de proteger os adultos ou tentar atingir a imunidade de grupo para satisfazer os matemáticos vai contra os princípios básicos dos direitos da criança.

      O princípio 7 diz claramente:
      “ O interesse superior da criança deve ser o princípio directivo de quem tem a responsabilidade da sua educação”

      Uma vacina que tem um risco de criar problemas cardíacos em crianças deve ter uma decisão mais ponderada tendo em conta o interesse superior da criança e não do resto da sociedade.
      Nos adultos o risco mínimo de problemas cardíacos é um mal menor sendo que o risco de morte por doença resultante da infeção é bastante superior.

      No entanto o risco de morte ou doença prolongada em crianças sem comorbilidades é praticamente nulo, na realidade existem mais casos de problemas cardíacos por vacina do que óbitos nas crianças, e tendo em atenção que houve mais crianças com infeção do que crianças vacinadas, pode-se esperar ainda mais casos a serem detectados now próximos meses.

      Ter ainda em conta que o certificado verde obtido através de vacinação, ao ser obrigatório leva a discriminação.
      Uns vão poder entrar em restaurantes e outros estabelecimentos com um passe verde enquanto outros por decisão dos pais em respeitar o princípio 7 dos direitos da criança vão acabar sendo descriminados ao não poderem entrar sem um teste a cada 2 dias.
      Isto acaba por ir contra o princípio 10:
      “ A criança deve ser protegida contra as práticas que possam fomentar a discriminação racial, religiosa ou de qualquer outra natureza.”

      Mas enfim, a sociedade parece estar preparada para perder todos os direitos adquiridos ao longo das últimas décadas por medo de um vírus.

RESPONDER

Há uma rua no Texas onde todas as casas foram impressas em 3D

Esta é a primeira comunidade de casas impressas em 3D nos EUA que está pronta a receber habitantes. A construção torna as habitações mais resistentes ao fogo e a inundações. Chama-se East 17th Street e fica …

A filha de Picasso doou nove obras do artista espanhol a França

A família de Pablo Picasso doou nove obras do artista ao Estado francês, que serão agora integradas no Museu Picasso, em Paris. Maya, a filha de Pablo Picasso, doou nove obras do artista como parte de …

Dormir bem? Depois da pandemia, não

O novo coronavírus criou uma "nação" de pessoas com insónias. Trabalhar menos horas pode ajudar. Insónias. Já eram um problema para muita gente até ao início de 2020 mas a pandemia que mudou o mundo também …

"Não posso ficar sentado a ver-nos voltar a 1972". Médico desafia a lei no Texas e admite que já fez um aborto

Um médico texano escreveu uma coluna de opinião no Washington Post a admitir que já fez um aborto no estado, depois da lei que proíbe interromper as gravidezes após seis semanas ter entrado em vigor. Em …

A cidade mais segura do mundo foi revelada (e é europeia)

Copenhaga foi eleita a cidade mais segura do mundo em 2021 pelo Índice de Cidades Seguras (SCI), da Economist Intelligence Unit. Quando se trata de escolher o destino a visitar, a segurança é um dos aspetos …

Benfica 3-1 Boavista | Águia evolui com Darwin para a vitória

Desde 1982/83 que o Benfica não vencia os primeiros seis jogos no Campeonato. Pois bem, na noite desta segunda-feira, os encarnados venceram o duelo ante o Boavista e fizeram xeque-mate graças ao bis de Darwin …

Milhões de pessoas em risco de tráfico e escravidão devido à crise climática, revela relatório

Milhões de pessoas forçadas a deixar as suas casas por causa da seca severa e ciclones correm o risco da escravidão moderna e de tráfico humano nas próximas décadas, alertou um novo relatório publicado esta …

Mercado teme corrida ao imobiliário com o fim dos vistos gold

A partir de janeiro, segundo as novas regras aplicáveis aos vistos gold, vão deixar de estar abrangidos os investimentos em imobiliário com destino a habitação em Lisboa, no Porto e no litoral. O regime que visa …

Desempregados inscritos no IEFP caem 10% em agosto

O número de desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) voltou a cair, pelo quinto mês consecutivo. Agosto fechou com 368.404 desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego De acordo com os dados …

Agora que a catedral de Notre-Dame está estabilizada, pode dar-se início à reconstrução

Dois anos e meio após o incêndio que devastou a catedral de Notre-Dame, o edifício encontra-se seguro para iniciar o processo de reconstrução, que se espera estar concluído em 2024. Os trabalhos de segurança e consolidação …