UNICEF assinala “década mortífera”. Ataques contra crianças aumentaram em zonas de conflito

A década que agora termina foi “mortífera” para as crianças que vivem nas várias zonas de conflito no mundo, denunciou no domingo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), revelando que, desde 2010, foram registadas mais de 170 mil violações graves contra menores.

Em plena contagem decrescente para o fim de 2019, a UNICEF alertou que as crianças continuam a pagar um “preço mortal” à medida que os conflitos armados avançam em todo o mundo e que o ano que está prestes a acabar conclui uma “década mortífera” que testemunhou “uma média de 45 violações graves por dia contra crianças”.

Segundo os dados da UNICEF, avançados pela agência Lusa, os ataques contra crianças aumentaram quase três vezes desde 2010. A agência da ONU identifica como violações graves seis situações: assassínio e mutilação de crianças; recrutamento e utilização de crianças por forças e grupos armados; violência sexual contra crianças; ataques contra escolas ou hospitais; rapto de crianças e negação do acesso humanitário às crianças.

Num comunicado divulgado no domingo, a organização frisou que, desde a adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança (em 1989), nunca houve tantos países em conflito, com dezenas de focos armados violentos que matam, mutilam e forçam as crianças a abandonarem as casas.

“Em todo o mundo, os conflitos estão a durar mais tempo, causando mais derramamento de sangue e ceifando mais vidas de crianças”, afirmou a diretora executiva da UNICEF, Henrietta Forre.

E frisou: “Os ataques contra crianças continuam sem abrandar, enquanto as partes em conflito desrespeitam uma das mais básicas regras em cenário de guerra: a proteção das crianças. Por cada ato de violência contra crianças que chegam aos jornais e geram ondas de indignação, há muitos mais que não são reportados”.

Já em 2018, a UNICEF tinha denunciado a situação de fragilidade em que viviam milhões de menores afetados por conflitos em todo o mundo, tendo criticado na altura os líderes mundiais por não serem capazes de evitar os atos de violência cometidos contra essas crianças e de falharem na responsabilização dos autores de tais agressões.

De acordo com a UNICEF, em 2018, foram registadas mais de 24 mil violações graves contra crianças, o que já representava então “um número duas vezes e meio superior ao registado em 2010”. Ainda em relação a 2018, os dados recolhidos apontam para mais de 12 mil crianças mortas ou mutiladas.

Mohammed Badra / EPA

Uma criança a chorar no hospital em Ghouta Oriental, Síria

“O uso continuado e generalizado de ataques aéreos e de armas explosivas (como minas terrestres, morteiros, dispositivos explosivos improvisados, ataques com mísseis, armas de fragmentação e artilharia) é a principal causa de vítimas infantis em conflitos armados”, indicou a organização.

A UNICEF afirmou ainda que este cenário não se alterou em 2019, denunciando que, só durante os primeiros seis meses do ano, foram contabilizadas mais de 10 mil violações contra crianças. A agência da ONU admitiu, no entanto, que os números reais devem ser “provavelmente muito maiores”.

Da Síria ao Iémen, passando também pelo Iraque, Afeganistão, Burkina Faso ou pelo leste da Ucrânia, a UNICEF relata várias situações que ao longo dos 12 meses de 2019 afetaram violentamente as crianças e que fizeram vítimas entre os mais jovens.

“Num único fim de semana em agosto, 44 civis foram mortos devido a ataques aéreos no noroeste da Síria, incluindo 16 crianças e 12 mulheres”, recordou a agência da ONU, lembrando ainda que, no início do mês de dezembro, “cinco crianças foram mortas quando homens armados abriram fogo no interior de um local de culto no Burkina Faso”.

Perante tal panorama, a agência da ONU pede a todas as fações envolvidas nos conflitos para que “cumpram as respetivas obrigações ao abrigo do Direito Internacional” e “coloquem um fim imediato às violações contra crianças e aos ataques contra infraestruturas civis, incluindo escolas, hospitais ou infraestruturas hídricas”.

“A UNICEF apela também aos Estados com influência sobre as partes em conflito que utilizem essa ascendência para protegerem as crianças”, conclui o comunicado da organização internacional.

Criada em 1946, a UNICEF está presente em 190 países e territórios, prestando no terreno serviços de saúde, nutrição, educação e proteção às crianças mais vulneráveis.

A Convenção sobre os Direitos da Criança foi adotada em 1989 e tornou-se na primeira convenção internacional vinculativa a consagrar os direitos humanos de todas as crianças. O documento especifica que todas as crianças, em qualquer parte do mundo, têm o direito a sobreviver, a desenvolver-se e a serem protegidas de todas as formas de violência.

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …

Braço de ferro entre Costistas e Nunistas novamente adiado

O PS voltou a adiar, agora de 31 de Outubro para 7 de Novembro, a reunião da Comissão Nacional que decidirá a orientação do partido face às eleições presidenciais. Fica assim adiado o braço-de-ferro entre …

Cercas sanitárias e recolher obrigatório. Governo avalia novas medidas na próxima semana

O Ministério da Saúde, liderado por Marta Temido, vai voltar a reunir na próxima semana com o Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP), num encontro em que serão discutidas novas medidas para travar a propagação …

Presidenciais EUA. Biden promete vacina gratuita para todos, Trump apela ao voto latino

Joe Biden e Donald Trump continuam em campanha eleitoral para a corrida à Casa Branca, numas eleições que estão agendadas para 3 de novembro. O candidato presidencial democrata Joe Biden prometeu esta sexta-feira que a vacina …

Há 72 concelhos com risco "muito elevado" de contágio. Governo esconde mapas de perigo

O Governo insiste em não divulgar os mapas de perigo com o risco de contágio por coronavírus que foram feitos por peritos da Direcção Geral de Saíde (DGS). Isto numa altura em que o Expresso …

Nuno Melo estuda candidatura à liderança do CDS

O eurodeputado Nuno Melo não excluiu uma candidatura à liderança do CDS, avança este sábado o semanário Expresso. Confrontado pelo jornal, o eurodeputado não excluiu uma eventual candidatura à liderança dos centristas, dizendo apenas que "não …

Testes de diagnóstico já podem ser requisitados através do SNS24

O modelo de requisição de testes de diagnóstico à covid-19 através da linha de saúde 24 começou esta sexta-feira a funcionar, à semelhança dos meses mais complexos de março e abril, avançou a ministra da …