UNICEF assinala “década mortífera”. Ataques contra crianças aumentaram em zonas de conflito

A década que agora termina foi “mortífera” para as crianças que vivem nas várias zonas de conflito no mundo, denunciou no domingo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), revelando que, desde 2010, foram registadas mais de 170 mil violações graves contra menores.

Em plena contagem decrescente para o fim de 2019, a UNICEF alertou que as crianças continuam a pagar um “preço mortal” à medida que os conflitos armados avançam em todo o mundo e que o ano que está prestes a acabar conclui uma “década mortífera” que testemunhou “uma média de 45 violações graves por dia contra crianças”.

Segundo os dados da UNICEF, avançados pela agência Lusa, os ataques contra crianças aumentaram quase três vezes desde 2010. A agência da ONU identifica como violações graves seis situações: assassínio e mutilação de crianças; recrutamento e utilização de crianças por forças e grupos armados; violência sexual contra crianças; ataques contra escolas ou hospitais; rapto de crianças e negação do acesso humanitário às crianças.

Num comunicado divulgado no domingo, a organização frisou que, desde a adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança (em 1989), nunca houve tantos países em conflito, com dezenas de focos armados violentos que matam, mutilam e forçam as crianças a abandonarem as casas.

“Em todo o mundo, os conflitos estão a durar mais tempo, causando mais derramamento de sangue e ceifando mais vidas de crianças”, afirmou a diretora executiva da UNICEF, Henrietta Forre.

E frisou: “Os ataques contra crianças continuam sem abrandar, enquanto as partes em conflito desrespeitam uma das mais básicas regras em cenário de guerra: a proteção das crianças. Por cada ato de violência contra crianças que chegam aos jornais e geram ondas de indignação, há muitos mais que não são reportados”.

Já em 2018, a UNICEF tinha denunciado a situação de fragilidade em que viviam milhões de menores afetados por conflitos em todo o mundo, tendo criticado na altura os líderes mundiais por não serem capazes de evitar os atos de violência cometidos contra essas crianças e de falharem na responsabilização dos autores de tais agressões.

De acordo com a UNICEF, em 2018, foram registadas mais de 24 mil violações graves contra crianças, o que já representava então “um número duas vezes e meio superior ao registado em 2010”. Ainda em relação a 2018, os dados recolhidos apontam para mais de 12 mil crianças mortas ou mutiladas.

Mohammed Badra / EPA

Uma criança a chorar no hospital em Ghouta Oriental, Síria

“O uso continuado e generalizado de ataques aéreos e de armas explosivas (como minas terrestres, morteiros, dispositivos explosivos improvisados, ataques com mísseis, armas de fragmentação e artilharia) é a principal causa de vítimas infantis em conflitos armados”, indicou a organização.

A UNICEF afirmou ainda que este cenário não se alterou em 2019, denunciando que, só durante os primeiros seis meses do ano, foram contabilizadas mais de 10 mil violações contra crianças. A agência da ONU admitiu, no entanto, que os números reais devem ser “provavelmente muito maiores”.

Da Síria ao Iémen, passando também pelo Iraque, Afeganistão, Burkina Faso ou pelo leste da Ucrânia, a UNICEF relata várias situações que ao longo dos 12 meses de 2019 afetaram violentamente as crianças e que fizeram vítimas entre os mais jovens.

“Num único fim de semana em agosto, 44 civis foram mortos devido a ataques aéreos no noroeste da Síria, incluindo 16 crianças e 12 mulheres”, recordou a agência da ONU, lembrando ainda que, no início do mês de dezembro, “cinco crianças foram mortas quando homens armados abriram fogo no interior de um local de culto no Burkina Faso”.

Perante tal panorama, a agência da ONU pede a todas as fações envolvidas nos conflitos para que “cumpram as respetivas obrigações ao abrigo do Direito Internacional” e “coloquem um fim imediato às violações contra crianças e aos ataques contra infraestruturas civis, incluindo escolas, hospitais ou infraestruturas hídricas”.

“A UNICEF apela também aos Estados com influência sobre as partes em conflito que utilizem essa ascendência para protegerem as crianças”, conclui o comunicado da organização internacional.

Criada em 1946, a UNICEF está presente em 190 países e territórios, prestando no terreno serviços de saúde, nutrição, educação e proteção às crianças mais vulneráveis.

A Convenção sobre os Direitos da Criança foi adotada em 1989 e tornou-se na primeira convenção internacional vinculativa a consagrar os direitos humanos de todas as crianças. O documento especifica que todas as crianças, em qualquer parte do mundo, têm o direito a sobreviver, a desenvolver-se e a serem protegidas de todas as formas de violência.

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Época balnear arranca no sábado, mas começa mais tarde no Norte

A época balnear arranca no próximo sábado, 6 de junho, mas não em todo o país. No Norte de Portugal só começa a 27 de junho. Segundo o despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República, …

Um terço das empresas de restauração não reabriu

Cerca de um terço das empresas de restauração não retomou a atividade e quase metade tem registado uma faturação média inferior a 10%, revelou a associação representativa do setor. A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares …

Ministério Público alemão assume que Maddie McCann está morta

O procuradores do Ministério Público alemão acreditam que Madeleine McCann foi assassinada. O investigador Christian Hoppe, do Bundeskriminalamt, revelou que a criança pode ter sido alvejada quando o suspeito assaltava o apartamento da família. O procuradores do …

Nadadores-salvadores devem privilegiar salvamento "sem entrar na água"

A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores divulgou hoje alguns dos procedimentos que os vigilantes devem adotar na época balnear face à pandemia, como privilegiar o salvamento “sem entrar na água” ou abordar o náufrago pelas costas. “Ainda …

Confederação do Turismo propõe Lay-off simplificado, banco de horas e horário concentrado

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) propôs ao Governo 99 medidas para mitigar as consequências "gigantescas" que a pandemia está a ter no sector, apontando um cenário de "eclipse total e asfixia". Segundo noticiou esta …

Coreia do Norte ameaça romper acordo militar com Seul

A Coreia do Norte ameaçou hoje romper o acordo militar com a Coreia do Sul e fechar o gabinete de ligação transfronteiriça, se Seul não impedir que ativistas continuem a enviar panfletos através da fronteira. A …

Moratórias no crédito prolongadas até 31 de março de 2021

O Governo decidiu estender a moratória nos empréstimos dos bancos às famílias e empresas afetadas pela crise. As prestações e juros só voltarão a ser pagos depois de 31 de março de 2021, apurou o …

Santana Lopes deixou funções executivas no Aliança. Mas não "deserta"

O fundador do partido Aliança deixou, recentemente, as suas funções executivas por "motivos profissionais", mas promete "não desertar", "muito menos em alturas difíceis". No passado dia 15 de maio, Pedro Santana Lopes pediu a suspensão das …

Pela primeira vez em 30 anos, Hong Kong proíbe vigília em memória de Tiannamen

Pela primeira vez em 30 anos, tanto Hong Kong como Macau não vão ter vigílias em homenagem às vítimas do massacre de Tiananmen. A Polícia de Hong Kong proibiu a vigília em memória do massacre de …

Portugal com mais 8 mortos e 331 casos positivos em 24 horas

Portugal registou mais oito mortes e 331 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Esta quinta-feira, Portugal registou 1.455 mortes por …