Um terço dos fogos deste ano tiveram como causa queima e queimadas

Um terço dos incêndios florestais registados este ano e investigados tiveram como causa queimadas e queimas, revela o último relatório do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O relatório provisório de incêndios rurais, referente ao período entre 01 de janeiro e 15 de outubro, indica que, até à data, as causas mais frequentes em 2019 são o “incendiarismo – imputáveis” (29%) e “queimadas de sobrantes florestais ou agrícolas (16%), representando, conjuntamente, as várias tipologias de queimadas e queimas 33% das causas apuradas.

O ICNF precisa também que os reacendimentos representam 10% do total de causas apuradas, num valor inferior face à média dos 10 anos anteriores.

Segundo aquele organismo, foram investigados até 15 de outubro 80% dos incêndios rurais, permitindo a investigação atribuir uma causa a 65% dos fogos.

O relatório dá conta que se registaram, entre 01 de janeiro e 15 de outubro de 2019, 10.841 incêndios rurais, que resultaram em 41.622 hectares (ha) de área ardida, entre povoamentos (21.163 ha), matos (15.782 ha) e área agrícola (4.677 ha).

Os dados mostram que o número de incêndios e a área ardida em Portugal baixou este ano pelo segundo ano consecutivo, sendo a “primeira vez” que tal acontece desde 2009.

“Comparando os valores do ano de 2019 com o histórico dos 10 anos anteriores, assinala-se que se registaram menos 46% de incêndios rurais e menos 70% de área ardida relativamente à média anual do período. O ano de 2019 apresenta, até ao dia 15 de outubro, o segundo número mais reduzido de incêndios e a segunda mais reduzida área ardida”, lê-se no documento.

O ICNF destaca também que setembro foi o mês com o maior número de incêndios rurais (2.344), correspondendo a 22% do número total registado este ano.

Julho foi o mês que registou a maior área ardida este ano, com 14.034 hectares (34% do total de área ardida deste ano).

De acordo com o ICNF, 85% dos fogos que deflagraram até 15 de outubro uma área ardida inferior a um hectare, tendo, até essa data, ocorrido dois incêndios com uma área ardida superior ou igual a 1.000 hectares.

O incêndio que ocorreu em 20 de julho no concelho de Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco, foi o que mais área consumiu este ano, um total de 9.249 hectares, seguido do fogo que se registou no concelho de Águeda (Aveiro), com 1.633 hectares.

O ICNF sublinha que se registaram, até 15 de outubro, 62 “grandes incêndios”, sendo esta designação dada aos fogos com uma aérea ardida igual ou superior a 100 hectares.

O ICNF indica ainda que o maior número de incêndios ocorreu nos distritos do Porto (1.843), Aveiro (924) e Braga (912), mas na sua maioria foram de reduzida dimensão e não ultrapassam um hectare de área ardida.

Em área ardida, o distrito mais afetado foi Santarém, com 6.711 hectares, cerca de 16% da área total ardida até à data, seguido de Castelo Branco com 6.391 hectares (16% do total) e de Vila Real com 3.243 hectares (8% do total).

O relatório provisório faz também uma análise de severidade meteorológica (conjugação de temperaturas, vento, ausência de chuva e humidade), concluindo que a área ardida no ano de 2019 “é consideravelmente inferior à expectável” tendo em conta a severidade meteorológica verificada.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PSP alerta para o aumento do número de burlas com o MB WAY

A PSP alertou, esta segunda-feira, para o facto de as burlas relacionadas com a aplicação de pagamentos MB WAY estarem a aumentar. De acordo com a publicação feita na sua página oficial do Facebook, a Polícia …

Rui Moreira admite fazer projetos "de renda acessível" no Porto. Mas Estado tem que financiar 50%

O presidente da Câmara do Porto admitiu na segunda-feira que se o Estado comparticipar com 50% o fundo de investimento para habitação social e renda acessível, a autarquia fará "todos os projetos públicos de renda …

Lalanda e Castro terá "lavado" 70 milhões de euros em sete anos

Paulo Lalanda e Castro, o principal arguido do caso Máfia do Sangue e ex-administrador em Portugal da farmacêutica Octapharma, continua a ser investigado pelas autoridades por suspeitas de fraude fiscal. Segundo avançou o Correio da Manhã, …

Embrulhos com cocaína dão à costa desde outubro no sudoeste de França

Desde outubro, dezenas de embrulhos com cocaína têm dado à costa nas praias do oeste de França, tendo já sido recuperados pelo menos 760 quilogramas desde a região de Saint-Nazaire ao País Basco. Apesar das fortes …

Há uma nova doença a atacar os castanheiros em Portugal

Um investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) alertou esta terça-feira para a podridão da castanha, uma “nova doença” que está a atacar os castanheiros e que atingiu “especial evidência” este ano em …

Descoberta a causa das 39 mortes após uso de cigarros eletrónicos nos EUA

O acetato de vitamina E foi identificado como a causa provável das 39 mortes devido à utilização de cigarros eletrónicos nos EUA, na passada sexta-feira. O uso deste substituto do tabaco também já fez mais de …

Polícia francesa retira manifestantes catalães da autoestrada na fronteira

Manifestantes catalães bloquearam a AP-7, autoestrada que liga Espanha e França, esta segunda-feira, em protesto contra a condenação judicial de vários independentistas.  Segundo o Observador, que cita o jornal espanhol El País, a polícia francesa já …

Ex-Presidente dos EUA Jimmy Carter internado para intervenção cirúrgica

O antigo Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter foi hospitalizado na segunda-feira e será esta terça-feira submetido a uma cirurgia para aliviar a pressão craniana causada por hemorragias após recentes quedas, anunciou a porta-voz. O procedimento …

Caso EDP: António Costa levanta segredo de Estado

O primeiro-ministro autorizou o Ministério Público a aceder a documentos que estavam em segredo de Estado no âmbito do processo da EDP que investiga Manuel Pinho. Estão em causa documentos relacionados com negócios efectuados pela …

"Milhares de famílias" podem sofrer agravamento do IRS com propostas do Governo

O alerta é do ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais durante o Governo de Passos Coelho. Paulo Núncio constata que as propostas do actual Governo para acentuar a progressividade do IRS, através da revisão dos …