Um doente com 134 anos e homens grávidos. Estudo arrasa DGS por dados errados sobre covid-19

Mário Cruz / Lusa

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Os dados disponibilizados pela Direcção Geral de Saúde (DGS) aos cientistas que têm analisado a evolução da covid-19 em Portugal, e que têm servido de base ao Governo e aos médicos para decidir como combater a pandemia, contêm erros graves e alguns até caricatos.

O alerta é dado por um grupo de 12 investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto num estudo que foi publicado numa revista científica internacional.

Este estudo debruçou-se, em concreto, sobre uma outra investigação realizada em torno do “papel das pré-condições de saúde nas mortes por covid-19 em Portugal“, que teve como base os dados do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) recolhidos quanto aos primeiros 20.293 casos de infecção.

Aquela primeira pesquisa concluiu que a idade era o principal factor de risco para a morte por covid-19, enquanto que “comorbidades como as doenças cardíacas e renais, e as desordens neuro-musculares, tiveram muito menos peso no aumento das probabilidades de morte” e a “diabetes não foi significativamente associada com a mortalidade, o que é inesperado”, como vinca a investigação agora publicada no Journal of Clinical Medicine.

O estudo já tinha sido divulgado em Agosto, mas só foi publicado no final de Outubro, após ser alvo de revisão científica.

A análise que tem como primeira autora a investigadora Cristina Costa Santos, do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS) e do Departamento de Medicina da Comunidade da Universidade do Porto, conclui que “os dados extremamente altos para a idade e os baixos efeitos de algumas comorbidades estão, provavelmente, relacionados com a pobre qualidade da base de dados utilizada”.

Em declarações à TSF, Cristina Costa Santos explica que há casos de homens com covid-19 registados como “grávidos” e que há um doente com 134 anos. Além disso, 19 infectados terão sido registados como tendo tido a doença antes de o primeiro caso ter sido diagnosticado em Portugal, e, portanto, antes de se terem começado a registar os dados.

“Em Março, a base de dados tem mais casos e mais mortes do que estão nos boletins [diários da DGS] e não conseguimos justificar muito bem porquê, e em Junho, não temos mesmo nenhuma morte e de facto, se formos ver aos boletins, encontramos 155 mortos”, revela ainda a investigadora à TSF.

A DGS só disponibilizou aos investigadores a parte das informações do SINAVE, embora haja outros dados recolhidos pela entidade.

Mas Cristina Costa Santos repara que esta forma de actuar é “perigosa”, pois pode levar a “artigos científicos que tiram conclusões enviesadas” e que são “importantes para tomar decisões políticas e médicas de como vamos gerir a pandemia”.

Comorbidades podem ter maior impacto nas mortes

No estudo publicado no Journal of Clinical Medicine, os investigadores apontam que os dados da DGS disponibilizados aos cientistas têm “problemas importantes de qualidade“.

A título de exemplo, apontam algumas discrepâncias registadas após “uma actualização da base de dados, apresentando os mesmos casos mais os que testaram positivo para covid-19 em Maio e Junho e corrigindo alguma informação”.

“Na versão actualizada da base de dados, a proporção de pessoas sem comorbidades mudou massivamente, mesmo nos dados que já estavam disponíveis na primeira versão”, apontam os autores da pesquisa.

“Globalmente, na primeira versão da base de dados, 83% dos casos de covid-19 foram registados como “não tendo comorbidades” e não havia casos com informação em falta sobre se o paciente tinha ou não comorbidades, enquanto que na versão actualizada, apenas 32% dos casos foram registados como “não tendo comorbidades” e 46% dos casos tinham informação em falta sobre se o paciente tinha ou não comorbidades”, acrescentam.

Isto implica que na primeira versão da base de dados, os casos de covid-19 onde não havia informação sobre comorbidades “foram registados como não tendo comorbidades” e “isto pode explicar a inesperada alta taxa de probabilidade” de morte registada para as pessoas mais idosas “e o baixo impacto das comorbidades nas probabilidades de morte”, concluem os investigadores.

Pondo em causa “a confiabilidade” da informação, os autores da pesquisa reforçam os “perigos de modelar os factores de risco usando bases de dados de baixa qualidade”, considerando que é preciso melhorar a informação com a integração de “cientistas de dados treinados” no processo.

SV, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Conclusao>
    O cumulo da incompetencia no seu maximo explandor…!
    E, as dondocas carpideiras continuam diariamente a impingir o milagre… de Ourique!
    Parabens aos donos da loja pela disciplina.
    .

RESPONDER

Meteorito atinge casa de homem indonésio e transforma-o em milionário

O caso insólito aconteceu em Kolang, na Sumatra do Norte, Indonésia. Um fabricante de caixões de 33 anos encontrou um meteorito no seu jardim, depois deste atingir o telhado da sua casa em agosto. O protagonista …

Há 20 anos que ninguém sabe do paradeiro de dois cadernos de Charles Darwin

Dois dos cadernos do naturalista Charles Darwin, um dos quais com o rascunho da “Árvore da Vida” (1837), estão desaparecidos há cerca de 20 anos e terão sido muito provavelmente roubados, anunciou esta terça-feira a …

Cientistas reconstruiram explosão de Beirute através das redes sociais

Cientistas forenses recorreram a imagens partilhadas nas redes sociais para reconstruirem a explosão de Beirute, em agosto, que matou 191 pessoas. A 4 de agosto, uma série de explosões causadas por 2.750 toneladas de nitrato de …

Professor alemão do ensino básico é suspeito de canibalismo e homicídio

Depois de uma pilha de ossos ter sido encontrada por transeuntes no parque de Berlim, as autoridades alemãs descobriram que se tratava de uma vítima de canibalismo. As pistas conduziram-nas, mais tarde, à casa do …

Marselha 0-2 FC Porto | Dragão vence e abre porta dos "oitavos"

Basta apenas um ponto para que o FC Porto carimbe uma vaga nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Na noite desta quarta-feira, os “dragões” venceram o Marseille por 2-0 – com os contributos de Zaidu …

Mais de 100 mil crianças morreram com VIH e 320 mil ficaram infetadas. A pandemia pode piorar o cenário

De acordo com um relatório da UNICEF, a cada 100 segundos uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infetado pelo VIH no ano passado. Com os novos dados, o número total de …

Animação mostra como foram construídas as pontes do século XIV

Construir uma ponte sobre a água parece uma tarefa complicada e a verdade é que, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, os fundamentos pouco alteraram desde os tempos medievais. A Ponte Carlos tem 618 anos, mas não …

Médicos sem Fronteiras deixam hospital da Venezuela devido a restrições

A Médicos sem Fronteiras (MSF) vai se retirar de uma colaboração com um hospital venezuelano que visa tratar pacientes com covid-19 devido a restrições na entrada de especialistas no país, informou a organização na terça-feira. A …

O novo amplificador de guitarra tem maior capacidade de encaixe (e é mais poderoso)

Em 2016, o engenheiro eletrónico Chris Prendergast lançou um projeto Kickstarter para o amplificador de guitarra portátil JamStack. Este encaixava-se num pino de correia e emitia sons gerados por um smartphone. Agora foi lançada a …

Etiópia. Comissão de direitos humanos denuncia massacre de 600 civis na região de Tigré

A organização independente que investiga acusações de violência contra civis na Etiópia corroborou o relatório da Amnistia Internacional que denunciou a chacina de pelo menos 600 pessoas na região de Tigré, no Norte do país. Segundo …