UE em rota de colisão com a Polónia. Em causa estão os crimes de ódio

John Thys / EPA

Ursula Von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia

A relação entre a União Europeia e a Polónia está cada vez mais comprometida. As duas partes têm chocado no que toca à discussão dos crimes de ódio.

No seu primeiro discurso sobre o estado de união como presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen falou denunciou o ódio e prometeu construir “uma união de igualdade”.

Embora as instituições europeias tenham estado na vanguarda da luta contra os crimes de ódio e a discriminação dentro e fora da UE, os estados-membros, incluindo a Polónia, têm sido mais lentos nas suas respostas ao racismo, homofobia e misoginia. Os planos de Von der Leyen significam que Governos desobedientes vão precisar de ceder ou lutar. E essa tensão pode acabar por piorar a situação.

Num discurso de confronto, von der Leyen mirou especialmente o governo polaco, que permitiu que dezenas de cidades se declarassem “livres da ideologia LGBT”. A presidente da CE classificou essas “zonas livres de LGBT” como “zonas livres de humanidade” e disse que elas não têm lugar na UE.

E à luz dos protestos Black Lives Matter na sequência do assassinato de George Floyd nos Estados Unidos, bem como as preocupações sobre o antissemitismo na Europa, a líder da Comissão afirmou que “ódio é ódio e ninguém deveria ter que aturar isso”. Ela prometeu que “lutar contra o racismo nunca será opcional” na UE.

No movimento para criar “uma união de igualdade”, von der Leyen anunciou a nomeação do primeiro coordenador antirracismo da Comissão Europeia. Dinheiro também será disponibilizado para combater a discriminação em áreas como educação, emprego, habitação e saúde.

Os planos vão complementar os esforços existentes por parte da UE para combater os crimes de ódio, o discurso de ódio e a desigualdade de tratamento. Isto inclui leis contra a discriminação, bem como medidas brandas, como investigação, monitorização, treino e campanhas.

É provável que alguns Governos particularmente problemáticos se oponham às ideias dela.

Poucos governos em toda a UE publicam estatísticas significativas de crimes de ódio detetados, mas vários destacam-se pelo seu fraco desempenho. A Irlanda foi criticada por não promulgar leis específicas para a violência motivada por preconceitos. Mas os políticos lá, pelo menos, parecem estar a promover movimentos para forçar mudanças ao adotar leis contra crimes de ódio.

O mesmo não pode ser dito da Polónia e de alguns outros países do extremo leste do bloco, que parecem estar mover-se na direção oposta.

Na Polónia, as marchas de orgulho gay ficaram sem proteção e foram atacadas pela extrema direita. Enquanto isso, países como a Roménia e a Hungria baniram os estudos de género. Este último também encerrou o reconhecimento legal de género para pessoas transexuais e intersexuais.

As tentativas de fazer cumprir as leis de crimes de ódio de Bruxelas podem vir a desencadear conflitos com países preocupados com a perda de soberania, incluindo estes três. Políticos de direita já acusam a Comissão Europeia de abusar do seu poder. Eles dizem que, ao promover as questões da igualdade, está a agir fora dos tratados da UE porque tem poderes limitados no que diz respeito ao direito penal e de família.

Bruxelas tem tido dificuldades nas suas relações com a Polónia e com a Hungria há algum tempo. A UE está empancada em discussões sobre o que fazer a respeito da tendência cada vez mais autoritária dos governos desses dois Estados membros, sem chegar a nenhuma solução. As ameaças de remover fundos da UE, a menos que cumpram as normas do Estado de Direito, tiveram pouco impacto.

Se as autoridades nacionais não cumprirem as políticas da UE, e Bruxelas retirar o financiamento como resultado, isto pode significar que algumas das comunidades mais pobres e regiões menos desenvolvidas da UE perderão milhões de euros de financiamento para educação ou infraestruturas.

Embora a UE possa ter boas intenções ao tomar estas decisões, disciplinar mecanismos desse tipo pode ter a consequência indesejada de alimentar o ódio, a discriminação e os sentimentos anti-UE.

PARTILHAR

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …