Tweet de Elon Musk afunda bitcoins (e dá força à criptomoeda que nasceu como meme)

tedconference/ Flickr

Elon Musk, CEO da Tesla e SpaceX

A Tesla vai deixar de aceitar bitcoins como forma de pagamento. A revelação foi feita por Elon Musk numa publicação no Twitter e levou à queda do valor da criptomoeda no mercado. A par disso, Musk admite apostar antes nas Dogecoins que nasceram como uma piada inspirada num meme.

O mercado de criptomoedas está ao rubro depois de Musk ter anunciado, no seu perfil do Twitter, que a Tesla não vai, afinal, aceitar bitcoins como forma de pagamento.

É um volte-face e que, em apenas alguns minutos, levou a uma queda de 5% no preço das bitcoins, caindo para o patamar dos 45 mil dólares.

O anúncio, em Fevereiro passado, feito pelo mesmo Musk de que a Tesla aceitava bitcoins levou a uma valorização na cotação desta criptomoeda. Nessa altura, a Tesla anunciou também ter adquirido cerca de 1,5 mil milhões de dólares em bitcoins.

Mas, agora, Musk revela que “a Tesla suspendeu a compra de veículos usando Bitcoin” porque, na empresa, estão “preocupados com o rápido aumento do uso de combustíveis fósseis para mineração e transacções” desta criptomoeda, especialmente pelo uso de carvão que “tem as piores emissões” poluentes.

Como é feita a mineração de bitcoins

As bitcoins são sustentadas pelo chamado processo de mineração que é essencial para manter a blockchain, ou seja, a rede de blocos criptografados que mantém o histórico de todas as transacções da criptomoeda. Essa mineração exige grandes gastos de energia.

No fundo, os “mineradores” fazem o papel de um Banco, através de programas informáticos específicos, supervisionando as transacções de bitcoins e garantindo que o processo decorre sem falhas através de um protocolo do tipo “proof-of-work” (ou seja, prova de trabalho).

Nesse processo, os “mineradores” são recompensados com mais bitcoins pelo seu trabalho.

Basicamente, é como tentar encontrar uma solução completamente aleatória para um problema, o que implica milhões de tentativas e erros. E é esse processo que requer grandes gastos energéticos e que merece as críticas de Musk.

Mas “a criptomoeda é uma boa ideia a muitos níveis” e “tem um futuro promissor”, assume o empreendedor numa publicação no Twitter, realçando que “isso não pode vir a grande custo para o meio ambiente“.

Tesla já está “a analisar outras criptomoedas”

O empreendedor assegura ainda que “a Tesla não venderá nenhuma Bitcoin”, pois pretende “usá-la para transacções logo que a mineração faça a transição para uma energia mais sustentável”.

Entretanto, a empresa está “a analisar outras criptomoedas” que usam menos “1% de energia”, refere ainda Musk.

A Tesla tem beneficiado da febre em torno das criptomoeadas. Um relatório divulgado em Abril passado aponta que os lucros com a venda de bitcoins permitiram à empresa ter um “impacto positivo” de 101 milhões de dólares, conforme avança a CNBC.

Musk volta a dar impulso às Dogecoins

Entretanto, Musk volta a falar das Dogecoins através de uma sondagem no seu perfil do Twitter, onde pergunta aos seguidores se querem que a Tesla aceite estas criptomoedas. Nas respostas, mais de 78% dos participantes dizem que sim.

Musk foi um dos principais responsáveis pela ascensão das Dogecoins no mercado das criptomoedas. É a “criptomoeda do povo”, chegou a dizer o magnata.

E já há quem antecipe que depois de ter abandonado as bitcoins, Musk anuncie, muito em breve, que a Tesla aceitará pagamentos em Dogecoins.

O que é certo é que as palavras do empreendedor e visionário têm muito impacto no mercado das criptomoedas. Veja-se que depois de ter participado no programa de televisão “Saturday Night Live”, onde fez piadas com as Dogecoins, assumindo que era “um golpe” num sketch humorístico, esta criptomoeda sofreu uma queda de 30% no seu preço.

Mas os mais recentes tweets de Musk estão a inverter a tendência de queda e a dar novo impulso às Dogecoins.

A criptomoeda que nasceu como meme

As Dogecoins foram criadas em 2013 pelo programador Billy Markus, ex-engenheiro informático da IBM. Foram desenvolvidas como uma piada a partir do meme de Doge, um cão da raça Shiba Inu, cuja imagem começou a surgir nas redes sociais a par de frases com erros gramaticais.

Nessa altura, as bitcoins estavam envolvidas numa polémica por causa do seu uso em esquemas na Dark Web, o que beneficiou o crescimento das Dogecoins.

Além disso, Musk e outras figuras conhecidas do mundo tecnológico fizeram referências à nova criptomoeda, o que ajudou à sua expansão. Contudo, nos tempos iniciais, nem o seu próprio criador lhes deu muito crédito.

Em 2015, Billy Markus anunciou que tinha vendido todas as Dogecoins que tinha para comprar um Honda Civic. Em causa está um valor da ordem dos 10 mil dólares, o que é significativo se se considerar que falamos de uma criptomoeda que nasceu como um meme!

Contudo, foi uma má jogada do criador da criptomoeada, uma vez que a sua cotização no mercado subiu muito e, atualmente, chega a superar empresas como a Nintendo.

Entretanto, várias empresas têm dado um empurrão a estas criptomoedas, passando a usá-las nas suas transacções.

Nos EUA, segundo dados da Fortune, a equipa de basebol Oakland A’s terá começado a vender lugares no Estádio em troca de Dogecoins. E o multimilionário Mark Cuban anunciou também que a sua equipa de basquetebol, os Dallas Mavericks, completaram 6 mil transacções com a criptomoeda em Abril passado.

Por outro lado, há especialistas que consideram que as Dogecoins são uma moeda digital sem substância que representa um elevado risco.

De qualquer modo, têm como vantagem, relativamente às bitcoins, o facto de serem mais rapidamente “mineráveis”.

Porém, no capítulo das criptomoedas, é preciso considerar sempre que estão em causa investimentos com grande potencial de risco, pois dependem muito da especulação. Além disso, a inexistência de um mercado regulado facilita potenciais fraudes e manipulações.

Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Casos disparam: 1350 novas infeções e seis óbitos

Nas últimas 24 horas, houve 1.350 novos casos positivos de covid-19 e morreram seis pessoas, segundo os dados do boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou 1.350 novos casos e seis óbitos por covid-19 …

Parlamento vai ouvir Medina e ministro dos Negócios Estrangeiros

Fernando Medina e Augusto Santos Silva vão ser ouvidos no Parlamento sobre o caso da partilha de dados pessoais de ativistas russos. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o ministro dos Negócios …

Mudanças na lei laboral podem prejudicar a retoma, avisa Centeno

É crucial para a retoma que haja "estabilidade e previsibilidade na legislação laboral", de forma a estimular o investimento empresarial e o crescimento económico, afirmou esta quarta-feira o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Von der Leyen dá luz verde ao Plano de Recuperação e Resiliência português. E "não é por acaso"

O primeiro-ministro, António Costa, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciaram esta quarta-feira que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) foi aprovado por Bruxelas.  A presidente da Comissão Europeia, Ursula von …

Kim Jong-un reconhece que país enfrenta "situação de tensão alimentar"

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, reconheceu que o país está a enfrentar uma "situação de tensão alimentar", informaram hoje os meios de comunicação oficiais. O país, cuja economia é alvo de múltiplas sanções internacionais impostas em …

Iniciativa Liberal apoia recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto

A Iniciativa Liberal vai apoiar a recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto nas próximas eleições autárquicas, considerando “inquestionável a mudança e o desenvolvimento” da cidade desde que o independente assumiu a presidência do …

Comissária europeia diz que variante Delta “diminui” proteção da vacina

A comissária europeia para a Saúde disse esta terça-feira que estão a surgir provas que demonstram que a variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2 “diminui a força do escudo protetor” criado pelas vacinas, instando à aceleração …

DGS diz que demora de conclusões sobre eventos-piloto não é por erro técnico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) rejeitou, esta terça-feira, que tenha havido erro técnico no tratamento de dados dos eventos-piloto da Cultura, ocorridos em abril e maio, mas admitiu que o processo está demorado. Numa declaração enviada …

Governo quer fazer alterações na duração de cargos de dirigentes

As mudanças que estão a ser preparadas passam por reduzir a duração dos cargos em substituição e, por outro lado, pelo ajustamento do período das comissões do serviço em função da avaliação. Segundo o Jornal de …

Responsável pelas manifestações em Lisboa é coordenador no Gabinete de Apoio à Presidência da CML

O responsável pelas manifestações na cidade de Lisboa é coordenador técnico no Gabinete de Apoio à Presidência da Câmara liderada por Fernando Medina. De acordo com o semanário Expresso, António Santos tem sido, nos últimos …