Os turistas estão a destruir os sítios que adoram. E o Porto não escapa

A revista alemã Der Spiegel dá o exemplo da cidade do Porto, mais concretamente da famosa Livraria Lello, para explicar como os “turistas estão a destruir os sítios que tanto adoram”.

As conclusões são de um artigo, publicado na terça-feira, pela Der Spiegel. A revista alemã aborda o facto de o turismo já não ser um bem de luxo como antigamente e de as companhias aéreas low cost como a Ryanair e a Easyjet terem contribuído para um fenómeno de turismo em massa em várias cidades da Europa.

Alguns desses exemplos são Barcelona, Roma e, no caso português, o Porto, cidades que, de acordo com a publicação, começam a fazer com que os próprios moradores se sintam mais “estrangeiros” do que os turistas que as visitam.

A revista começa por abordar o caso da Livraria Lello, um dos pontos turísticos mais emblemáticos da “invicta” e que, graças ao grande fluxo turístico, cobra agora entrada (valor dedutível caso o visitante queira comprar um ou mais livros no prazo máximo de um mês após a aquisição do bilhete).

Descrita no artigo como “um edifício neogótico de dois andares com muita madeira escura, abundância de livros antigos, ornamentação e vitrais, uma escada curva no meio (…) e por onde passou J.K. Rowling (criadora da saga Harry Potter) quando morava no Porto”, a Der Spiegel não deixa de lado os pontos negativos.

“O Porto não é uma grande cidade – cerca de 200 mil habitantes – e o centro histórico é facilmente fácil de conhecer. A primeira coisa que se vê quando chegamos à Livraria Lello são as longas filas à entrada. Turistas japoneses, mochileiros escandinavos, famílias de França, casais da China, americanos e alemães”, lê-se.

Para além das filas, a revista também se queixa das barreiras de controlo na loja, como se a entrada da livraria fosse uma espécie de “balcão de check-in de aeroporto” e fala daquilo que parece ser mais evidente no interior: ninguém quer saber dos livros, “parecem estar todos a tirar fotos com os seus smartphones”.

A revista recorda que, resultado da crise económica, a Lello esteve à beira da falência, há quatro anos. Os números atuais parecem uma loucura quando se olha para trás: durante o verão, a livraria recebe quatro e cinco mil pessoas por dia. Em 2017, o estabelecimento recebeu 1,2 milhões de visitantes e faturou mais de sete milhões de euros.

Segundo a Der Spiegel, o turismo na cidade já pode ser apelidado de “predador”, embora o Porto ainda não atinja os níveis de saturação de turistas de outras cidades europeias como Barcelona e Amesterdão.

Este é mais um aviso de que como o turismo em massa está a retirar o que há de mais genuíno nas cidades e a criar sérios problemas aos que lá habitam. No início do mês, o Diário de Notícias abordou a questão do lixo que “quase dá pelos pés” em Lisboa.

Sacos de lixo que se acumulam junto a contentores, copos de plástico com restos de bebidas, garrafas de vidro, sofás velhos no meio da rua e um cheiro nauseabundo são algumas das queixas feitas pelos moradores de alguns dos bairros mais turísticos da capital.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. O problema não são os turistas pois esses melhoram a economia do país.o problema são os labregos dos decisores políticos que nao se adaptam às novas realidades das cidades. Ao invés de renovarem os seus gabinetes e frotas de automóveis deveriam aumentar as frotas de carros do lixo contratar mais pessoal realizar limpezas com maos regularidade.. enfim basta irem a Espanha e aprendem qualquer coisa

  2. Não percebo a lógica da peça. Então os turistas são maus porque, verdadeiramente, asseguram a sobrevivência da Livraria Lello, é isso?
    Sim, porque se antes estava à beira da falência, pelo facto de os “locais” nem sequer comprarem lá livros, sem os turistas dificilmente ainda hoje existiria, ou então estaria tão degradada que nem quero imaginar…

  3. Concordo em absoluto – até fui ler o artigo original.
    É um artigo bastante interessante sobre um assunto pertinente e, qualquer pessoa minimamente atenta, percebe onde querem chegar!
    Quem não percebe é porque não entende… ou não quer entender!…

  4. Cada um que interprete a notícia como quiser ou for capaz.
    Eu acho que ela, notícia, descreve o que se vem passando. Exactamente o que também sinto.
    E quanto à livraria LELLO, que conheço muito bem, por mais de uma vez que lá não entrei à procura de certas obras (que não encontrava noutras livrarias) por falta de condições para o efeito, tantas eram os estrangeiros que atafulhavam aquele belo espaço livreiro.
    E como diz na peça, «ninguém quer saber dos livros». E eu acrescento, e também ninguém fica a conhecer a livraria. Em tais situações, não há tacto nem olfacto, nem olhos nem ouvidos que possam fruir o e do que quer que àquele espaço respeite. O que é pena!

  5. Tudo isto é verdade, no caso de lisboa é demais, o cheiro a mijo, das ruas na zona da expo, o mau cheiro das estações do metro, são sintomas de falta de limpeza, não basta recolher é preciso lavar.

  6. tipico portugues,quando tem fome quer o prato de sopa,depois de saciado cospe no mesmo! a imcompetencia da cameras e os contatos dubios com as empressas de recolha e tratamento de residuos,o turismo da emprego a muitos pobers ( que querem trabalhar)estamos a assistir a um boom de turismo pobre,do hostel,que dorme em camaratas,a preços do tipo 15 euros noite,fica 5 dias numa cidade e vai 3 vezes ao restaurante e nao 10 !nao aluga carro e evita taxi,anda em transportes publicos,sobrecarrega infraestruturas e deixa pouco dinheiro,deita-se por volta das 23h apesar de jovem !o dinheiro nao chega para sair muito a noite,faz compras no supermercado pois sai mais barato,diferente de outro turismo como por exemplo do golf,que deixa gorjetas de 30 euros,mas como tambem nao temos nem foram criadas condiçoes para atrair mais turismo de classe media alta e alta! ainda bem que temos estes !

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …

Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas. De acordo com o estudo publicado na …

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …

Com a ajuda de um radar, cientistas revelaram pegadas de mamutes e humanos pré-históricos

Espalhados pelo Monumento Nacional de White Sands, nos Estados Unidos, encontram-se os "rastos fantasma" de mamutes mortos há milhares de anos. Agora, investigadores conseguiram revelar pegadas de humanos. De acordo com o Science Alert, esta descoberta, …

A desertificação está progredir na Índia. Mas a solução pode estar no conhecimento tradicional

Quase 45% da área de Maharashtra está a transformar-se em deserto, assim como uma grande parte da Índia. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o ritmo da desertificação no país é agora …