Donald Trump / Instagram

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o Presidente do EUA, Donald Trump, dão um aperto de mão na “cimeira histórica” em Singapura

A cimeira entre o Presidente dos EUA e o líder da Coreia do Norte teve início esta terça-feira, em Singapura, assinalada por um histórico aperto de mão e pela assinatura de um acordo que promete ao mundo “uma grande mudança”.

Donald Trump foi o primeiro a chegar ao Capella Hotel, na cidade-Estado de Singapura, para a cimeira histórica que tinha como objetivo encontrar uma forma de proceder à desnuclearização da Coreia do Norte, seguindo-se depois a chegada de Kim Jong-un.

Este foi o primeiro encontro entre os líderes dos dois países depois de quase 70 anos de confrontos políticos no seguimento da Guerra da Coreia e de 25 anos de tensão sobre o programa nuclear de Pyongyang. O encontro entre os dois líderes começou com um simbólico aperto de mão.

No início da histórica cimeira em Singapura, o Presidente dos EUA disse “não ter dúvidas” de que vai ter um “ótimo relacionamento” com o líder norte-coreano. “Antigos preconceitos e velhos hábitos têm sido obstáculos, mas superámos todos para nos encontrarmos aqui hoje”, disse, por sua vez vez, Kim Jong-un.

Depois de uma reunião, Trump e Kim Jong-un anunciaram ter assinado um documento conjunto e tiveram um discurso marcado pela sintonia: “ambas as partes vão ficar muito impressionadas com os resultados”.

Kim Jong-un classificou a cimeira como “um encontro e um documento histórico”, garantindo que “o mundo verá uma grande mudança”. Já Donald Trump assegurou que “a relação com a Coreia do Norte e a península coreana vai melhorar”.

De acordo com a France Presse (AFP), que fotografou o documento, o texto não menciona a exigência norte-americana de “desnuclearização completa e irreversível”, mas reafirma um compromisso, mais vago, de “desnuclearização completa da Península da Coreia”.

Por outro lado, no mesmo texto, os EUA “garantem a segurança da Coreia do Norte”. “O Presidente Trump compromete-se a fornecer as garantias de segurança” à Coreia do Norte, indica a primeira informação sobre o documento conjunto.

“É um grande dia para a história mundial”

Depois da cimeira, o Presidente dos EUA deu uma conferência de imprensa aos jornalistas, na qual deixou uma “mensagem de esperança e visão”, cita o Jornal de Notícias.

“Quero agradecer ao general Kim pelo primeiro passo para o melhor futuro das pessoas do seu país. O encontro foi honesto, direto e produtivo“, começou por dizer Trump.

“É um grande dia para a história mundial”, acrescentou o chefe de Estado, agradecendo aos aliados asiáticos. “Quero agradecer a Singapura que tornou esta visita tão importante e agradável. Quero agradecer ao presidente Moon, da Coreia do Sul. Ao presidente do Japão e também ao presidente da China, um grande líder e um amigo”.

“Estamos preparados para construir uma nova História”, disse Trump. Recordando que “muitas pessoas morreram nos conflitos na Península coreana”, o Presidente dos EUA destacou que “o passado não pode definir o futuro” e, por isso, mostrou confiança no líder norte-coreano para “continuar a trabalhar pela paz”.

Kevin Lim / The Straits Times / EPA

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o Presidente do EUA, Donald Trump, na “cimeira histórica” em Singapura

“A paz vale sempre a pena. Isto deveria ter sido resolvido há muito tempo. “Qualquer pessoa poder criar guerra, mas só os corajosos podem construir a paz“, acrescentou.

No entanto, avança o ECO, as sanções económicas contra a Coreia do Norte vão continuar até que a ameaça nuclear tenha desaparecido por completo. Porém, Trump não admite sequer a possibilidade de que o acordo não seja cumprido porque ambas as partes têm a ganhar.

“Não há limite para o que a Coreia do norte pode alcançar” com este acordo. “O Presidente Kim tem perante si uma oportunidade única para ser recordado como alguém que abriu uma nova era de prosperidade e segurança”, afirmou Trump, citado pelo jornal.

Além disso, o Presidente revelou que vai pôr fim aos exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul e que pretende reduzir o número de militares mobilizados na região. “Temos 32 mil soldados na Coreia do Sul e eu quero trazê-los para casa“, explicou. “Não acredito que seja possível fazer isso agora, mas quero terminar com os jogos de guerra”.

O chefe de Estado deixou ainda críticas às administrações que o sucederam, considerando que “teria sido mais fácil se isto tivesse acontecido há dez anos”. “Não é uma crítica apenas a Barack Obama, mas a todos os que o antecederam. Fi-lo porque este é um tema prioritário para mim e isto nunca seria possível se não fosse uma prioridade”, frisou.

Trump admitiu ainda visitar Pyongyang no futuro e acrescentou também que já convidou o líder norte-coreano a ir aos EUA, tendo o convite sido aceite e garantindo que vai acontecer numa altura apropriada.

China fala de uma “nova história”

A China considerou que os EUA e a Coreia do Norte estão a “criar uma nova história”, depois da cimeira, e lembrou o seu contributo para a pacificação da península. “A China apoia, porque é aquilo que temos esperado”, afirmou o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang.

Geng lembrou o contributo da China para a resolução da questão norte-coreana, nomeadamente a proposta de “dupla suspensão”: o fim das manobras militares dos EUA e da Coreia do Sul na península coreana e, ao mesmo tempo, a paragem dos testes com armamento nuclear por parte da Coreia do Norte.

“A proposta de suspensão por suspensão é a correta e foi concretizada”, afirmou Geng, lembrando que Pequim “tem vindo a apelar aos dois lados para que mantenham o diálogo diplomático”.

O porta-voz lembrou ainda a importância de os EUA “levarem seriamente e atenderem as preocupações com a segurança da Coreia do Norte”. “A outra parte deve também tomar medidas construtivas”, afirmou.

As expetativas e as incertezas em torno do encontro eram elevadas, após três meses de acidentadas negociações, em que a cimeira chegou mesmo a ser cancelada por Trump.

O regime norte-coreano mostrou-se disposto a abandonar o seu programa nuclear durante a cimeira que as duas Coreias realizaram a 27 de abril, na zona desmilitarizada da fronteira, pretendendo um processo de desarmamento progressivo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Nobel para os dois.
    Afinal o Obama recebeu o Nobel da paz só por ter sido eleito presidente dos US of A.
    Estes já fizeram mais em menos tempo.

  2. Acordos assinados entre dois loucos valem pouco, mas vamos lá ver!…
    O Trampa até agora só tem rasgado e desrepeitado acordos e parceiros…
    O porquinho da Coreia surpreender-me ao dar uma lição de inteligência ao porco americano… o gajo é tão palerma (ele e não só! ), que até pensa que o mérito deste encontro é dele e não da mediação da China!…

  3. Gostava de estar tão optimista como vocês…
    Estou com algumas reticências….
    Espero que assim seja mas temos que convir que eles são dois loucos e não sei se o Trump está a ser inteligente ou se estaremos todos a cair numa cilada!
    Só o tempo dirá! Não temos outro remédio senão aguardar….

RESPONDER

Afinal comer um ovo por dia é mau outra vez

Afinal, comer um ovo por dia não é assim tão bom para a saúde como estudos recentes sugeriam. O maior consumo de ovos e colesterol pode aumentar o risco de doenças cardíacas e de morte …

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …