Trump garante que tudo foi feito para “deter o assalto” de migrantes hondurenhos

David Maxwell / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O presidente norte-americano, Donald Trump, garantiu neste domingo que tudo foi feito para “deter o assalto” de milhares de migrantes hondurenhos, a caminho dos Estados Unidos, a partir do sul do México.

“Todos os esforços estão a ser feitos para impedir o ataque de migrantes ilegais de cruzar a nossa fronteira a sul. As pessoas têm que solicitar primeiro asilo no México e, se não o fizerem, os EUA irão recusá-las”, lê-se numa publicação de Trump no Twitter.

Num segundo tweet, o presidente norte-americano afirmou que “as caravanas são uma desgraça para o Partido Democrata”, exigindo que “mudem as leis da imigração AGORA!”, depois de ter acusado os democratas, em minoria no Congresso norte-americano, de encorajarem as migrações em massa para os Estados Unidos.

“Devo pedir ao México que pare este assalto — e se não for capaz, chamarei o exército americano para fechar a nossa fronteira a sul”, tinha já afirmado o presidente norte-americano na passada quinta-feira.

Neste domingo, cerca de três mil hondurenhos retomaram a marcha em direção aos Estados Unidos, a partir de Ciudad Hidalgo, no sul do México, enquanto outro milhar aguardava num ponto de fronteira para poder entrar de forma legal no país.

Inicialmente, as autoridades mexicanas conseguiram bloquear a ‘caravana’, que estimam ser composta por cerca de quatro mil pessoas, mais muitos migrantes entraram ilegalmente no país pelo rio Suchiate, que separa o México da Guatemala.

Esta grande movimentação de migrantes, que mobiliza famílias inteiras, começou quando cerca de dois mil migrantes hondurenhos saíram a pé de San Pedro Sula, a cerca de 180 quilómetros a norte da capital das Honduras, Tegucigalpa, em resposta a um apelo publicado nas redes sociais.

Fugir da miséria, da violência de grupos criminosos organizados nas Honduras e alcançar o ‘sonho americano’ são as principais motivações destas pessoas. A caravana foi apelidada de “Marcha dos Migrantes” por vários países da América Central.

Maduro pede a Trump que abra a fronteira

O Presidente da Venezuela pediu no sábado ao seu homólogo norte-americano que abra as fronteiras para receber os milhares de migrantes que estão na fronteira entre a Guatemala e o México, rumo aos Estados Unidos.

“Vejo com dor o que está a acontecer na América Central, milhares dizem que já existem mais de oito mil homens e mulheres da América Central que iniciaram uma grande marcha em direção aos Estados Unidos, trazendo a sua dor, a sua miséria, a sua pobreza”, disse Nicolás Maduro durante um evento político em Caracas.

Num discurso transmitido obrigatoriamente por todas as emissoras de rádio e televisão, o Presidente venezuelano disse que o “capitalismo neocolonialista” é responsável por esta crise migratória que começou há uma semana, quando milhares de hondurenhos iniciaram uma marcha pela América Central em direção aos Estados Unidos, onde esperam encontrar empregos e escapar da violência que sofrem nos seus lugares de origem.

Também no sábado, o Presidente das Honduras, Juan Orlando Hernández, afirmou que esta era uma situação “sem precedentes”. Hernández esteve reunido com o Presidente da Guatemala, Jimmy Morales, tendo acordado por em prática um “plano de regresso seguro”, para que pelo menos três mil hondurenhos voltem ao seu país.

“Nas Honduras e na região da América Central sempre existiu migração (…), mas o que vimos nestes dias não tem precedentes”, sublinhou Hernández.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …

Governador de Nova Iorque "reescreveu relatório" para esconder mortes em lares

  Assistentes do governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, terão reescrito um relatório das autoridades de saúde locais, no verão de 2020, que apontava para um número de mortes por covid-19 nos lares de idosos muito …

"Europa vai andar para trás". Pandemia faz "descarrilar conquistas de igualdade"

Empregos perdidos, horários de trabalho reduzidos e violência doméstica crescente provam que o impacto da pandemia foi mais forte nas mulheres e fez “descarrilar as conquistas de igualdade”, alerta o Instituto Europeu para a Igualdade …