“Se alguma vez fosse destituído, todos ficariam muito pobres”

Jim Lo Scalzo / EPA

Em entrevista à cadeia de televisão Fox News, Donald Trump afirmou, sem qualquer margem de dúvidas, que, caso fosse destituído, os mercados e a economia dos Estados Unidos ficaram extremamente afetados.

“Se alguma vez fosse destituído, os mercados cairiam. Todos ficariam muito pobres, porque, sem este raciocínio, veríamos números inacreditáveis no sentido inverso”, afirmou o Presidente dos EUA numa entrevista exclusiva no programa Fox & friends.

Donald Trump prossegue, afirmando que não percebe por que motivo seria algum dia alvo de um processo de destituição. “Não sei como se pode destituir alguém que tem feito um trabalho tão bom“, justificou.

Apesar das constantes críticas ao seu executivo, Trump considera que tem feito um bom trabalho, especialmente na área da Economia, acrescentando que “se a Hillary Clinton e os Democratas tivessem conseguido entrar, o crescimento seria negativo”.

“Dou a mim mesmo a nota de ‘A+’. Ainda nem passaram dois anos e tivemos os maiores cortes de impostos da história. Há dois novos e incríveis juízes no Supremo. Tenho a certeza Brett Kavanaugh vai ser aprovado e Neil Gorsuch tem sido uma estrela”.

Ainda não há um pedido generalizado para um processo de destituição, mas alguns membros do partido Democrático têm abordado essa possibilidade. Uma hipótese que, para já, não passa disso mesmo, dado que os republicanos reúnem a maioria no Congresso.

A entrevista de Trump surge na mesma semana em o seu ex-advogado, Michael Cohen, se assumir como culpado de vários crimes de evasão fiscal e de violação da lei eleitoral na campanha para as presidenciais de 2016. Cohen admitiu ainda ter pagado a duas mulheres a pedido do Presidente, implicando-o assim no processo.

O Presidente dos EUA reagiu, insistindo que o dinheiro para silenciar as duas mulheres com quem teve relações é da sua fortuna e não dos fundos da campanha eleitoral.

Também nesta semana, o antigo diretor da campanha Paul Manafort foi condenado por oito crimes fiscais. Trump pondera um perdão presidencial ao ex-líder de campanha, tendo alegando sempre que Manafort é “um homem de bem” e que a sua condenação faz parte da “caça às bruxas”, expressão que utiliza repetidamente designar a investigação sobre um eventual conluio entre Moscovo e a sua equipa de campanha nas eleições presidenciais.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Só disse a verdade. Bolsa aumentou 40%, desemprego em niveis historicamente baixos, PIB a crescer 4,1% depois dos 1,3% do Obama, burocracia inutil cortada, Trump a presidente de Portugal em vez do presidente beijinho no dói-dói e deixava o país de ser miseravelmente pobre como é.

  2. Mais um insubstituível! Por bom que possa ser nalgumas áreas há que ter cuidado com gente desta espécie normalmente agarram-se demasiado ao Poder e asneiras também fazem que baste.

  3. As bolsas já sofreram vários ajustes desde que este energúmeno subiu ao poder. Basta ver o que acontece cada vez que aplica novas taxas a importações…

RESPONDER

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …

Marcelo remete diretamente para o Governo limites ao ruído nos prédios

O chefe de Estado incluiu o detalhe "decreto-lei do Governo", no novo decreto para a renovação do estado de emergência, para permitir que o Executivo limite o ruído nos prédios. No último decreto que executou o …