Trump diz que dinheiro para silenciar mulheres é seu e não da campanha

Gage Skidmore / Flickr

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O Presidente dos EUA insistiu que o dinheiro para silenciar as duas mulheres com quem teve relações é proveniente da sua fortuna e não dos fundos da campanha eleitoral.

“Os dinheiros não vieram da campanha, vieram de mim”, disse Donald Trump em entrevista à Fox que será transmitida amanhã e da qual já foram conhecidos alguns excertos.

“Na verdade, a primeira coisa que perguntei foi se estes dinheiros vieram da campanha, o que poderia ter sido um pouco nebuloso”, acrescentou Trump.

O Presidente norte-americano tinha acusado o seu ex-advogado pessoal, Michael Cohen, de “inventar histórias” para conseguir um “acordo” judicial.

Numa mensagem no Twitter, Trump referia-se à audiência de terça-feira, num tribunal federal, em que Cohen admitiu ter pagado a duas mulheres “a pedido do candidato” Donald Trump e “com a intenção de influenciar as eleições” presidenciais de 2016.

A admissão de Cohen implica que o Presidente norte-americano poderá ter cometido um crime, mas Trump disse que as ações de Cohen “não são crime”.

“Michael Cohen declarou-se culpado de duas acusações de violação das leis de financiamento das campanhas, que não são um crime“, escreveu.

“O Presidente [Barack] Obama teve uma importante violação das leis de financiamento e isso foi facilmente resolvido“, acrescentou.

Nas mensagens que publicou, Trump diz também sentir-se “muito mal” com a condenação, também na terça-feira, do seu ex-diretor de campanha Paul Manafort por crimes financeiros.

“A ‘Justiça’ pegou num caso de impostos com 12 anos, entre outras coisas, exerceu enorme pressão sobre ele e, ao contrário de Michael Cohen, ele recusou ‘vergar’ – inventar histórias para conseguir um ‘acordo'”, escreveu Trump.

Trump diz ainda, sobre Manafort, ter muito respeito por “um homem tão corajoso!”.

Num outro tweet, o chefe de Estado diz que não recomendaria os serviços do seu antigo advogado: “Se alguém procura um bom advogado, sugiro vivamente que não contrate os serviços de Michael Cohen!”.

Cohen, advogado e empresário, deu-se como culpado em cinco acusações de fraude fiscal, uma de fraude bancária e duas de violação das leis de financiamento das campanhas eleitorais, numa audiência no tribunal federal de Manhattan, Nova Iorque.

O advogado, que trabalhou mais de dez anos para Trump, precisou ter pagado as quantias de 130 mil e 150 mil dólares a duas mulheres que afirmavam ter tido uma relação com Donald Trump em troca do respetivo silêncio, “a pedido do candidato” e “com a intenção de influenciar as eleições” Presidenciais, de que Trump sairia vencedor.

Michael Cohen não forneceu os nomes das mulheres, mas os montantes correspondem aos pagamentos já conhecidos feitos a Stormy Daniels, atriz de filmes pornográficos que afirma ter tido uma breve ligação com Trump em 2006, e a Karen McDougal, uma ex-modelo da revista Playboy que afirma também ter tido uma ligação com o multimilionário em 2006-2007.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Câmara dos Representantes condena "comentários racistas" de Trump

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou na terça-feira uma moção na qual condena o presidente Donald Trump pelos "comentários racistas" dirigidos a quatro mulheres congressistas, sugerindo-lhes que "regressassem aos seus países de origem". A …

PCP quer creches gratuitas e passes sociais em todo o país

O secretário-geral comunista destacou sete compromissos, incluindo a ideia de uma rede de creches gratuitas e o limite máximo de 40 euros para os passes sociais, na apresentação do programa eleitoral do partido, num hotel …

Governo retira estatuto do antigo combatente na véspera de votação

O Governo retirou a proposta de lei sobre o estatuto do antigo combatente por dificuldades no modelo de sustentabilidade financeira resultantes das propostas apresentadas pelos partidos no Parlamento. O anúncio da retirada da proposta foi feito …

Bolsonaro "está decidido". Vai indicar filho para embaixador nos Estados Unidos

Jair Bolsonaro disse que "está decidido" que irá indicar o filho Eduardo Bolsonaro para embaixador em Washington, capital dos Estados Unidos da América. Esta terça-feira, o Presidente do Brasil disse que “está decidido” a indicar o …

Sindicato dos motoristas aprovou aumentos salariais mais baixos dos que agora reclama

A reunião de segunda-feira entre os sindicatos de motoristas e a associação de empresas de transporte de mercadorias (Antram) acabou sem acordo para evitar a greve anunciada para 12 de agosto. Porém, de acordo com o …

"Lei dos primos" corre o risco de ser adiada para depois das eleições

A aprovação da lei do PS que aperta as regras de nomeações governamentais está em dúvida na maratona de votações de sexta-feira. Os sociais-democratas ainda não decidiram o sentido de voto. Na primeira versão, o PS …

Aprovadas multas entre os 25 e os 250 euros para quem atirar beatas ao chão

A partir de terça-feira, atirar uma beata para o chão passou a custar pelo menos 25 euros, podendo o valor chegar aos 250 euros. Um novo diploma aprovado no Parlamento obriga ainda empresas a disponibilizarem …

Arranca o concurso de acesso ao Ensino Superior. Cursos muito concorridos com mais 107 vagas

A primeira fase de candidatura ao ensino superior começa esta quarta-feira e termina no início de agosto, com 50.860 vagas no concurso nacional de acesso, um total praticamente inalterado face a 2018. Segundo dados oficiais, o …

Morreu o escritor italiano Andrea Camilleri, "pai" do inspetor Montalbano

O escritor italiano, considerado uma referência do romance policial, morreu esta quarta-feira em Roma, aos 93 anos, na sequência de uma paragem cardíaca. Andrea Camilleri, nascido a 6 de setembro de 1925 em Porto Empedocle, Itália, …

Rio quer financiar hospitais do SNS em função da eficiência (e mudar nome do Ministério)

O PSD defendeu esta terça-feira um novo modelo de gestão dos hospitais públicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), sem fechar a porta às PPP, e a mudança simbólica do nome do Ministério da Saúde …