Três vítimas mortais dos incêndios estão fora da lista oficial do Governo

Miguel A. Lopes / Lusa

As famílias de três pessoas que morreram nos incêndios de outubro passado queixam-se de que os seus familiares não foram incluídos na lista oficial de vítimas mortais divulgada pela Governo.

De acordo com a lista oficial de mortos nos incêndios de outubro passado, divulgada pelo Governo, contabilizam-se 45 mortes. No entanto, segundo o Jornal de Notícias, há quem garanta ter perdido familiares nos fogos, sem que os seus nomes apareçam na lista.

O JN adianta que são pelo menos três os casos conhecidos: Aristides Rocha, de 94 anos, Joaquim Costa, de 66, e Maria Oliveira, de 85. Nos dois primeiros casos, os idosos sofreram ataques cardíacos, um enquanto tentava proteger a sua casa das chamas e o outro quando estava num largo da aldeia, juntamente com os vizinhos, para se proteger.

No último caso, a idosa de 85 anos terá caído quando tentava fugir do fogo, acabando por ter perdido a consciência e falecer.

Segundo o jornal, os familiares já terão alertado o Ministério Público. Por sua vez, o Ministério da Justiça já prometeu que vai analisar todas as situações que lhe sejam comunicadas, mas que terão de ser solucionadas pela via judicial.

A lista oficial inclui pessoas que foram resgatadas dos incêndios já cadáveres ou que foram encaminhadas para os hospitais com vida, nomeadamente com queimaduras, intoxicações ou traumatismos, mas que acabaram por falecer, critérios que as três vítimas em causa não preenchem.

Ontem, o Expresso também noticiou que duas pessoas continuam desaparecidas: um homem de 49 anos, da vila de Folgosinho, no concelho da Guarda, e outro de 74, de uma pequena localidade na Sertã, em Castelo Branco.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Haja respeito pela verdade, pelos mortos e suas famílias.
    Já era tempo do Governo dizer a verdade sobre os incêndios trágicos de junho e outubro e não se esconder atrás de pareceres que não querem que o capítulo do Relatório sobre o incêndio de junho (Pedrógão) seja conhecido.
    Já agora não há ninguém independente a investigar e produzir um relatório como aconteceu em Pedrógão ou é para esquecer?
    E sobre Tancos, quando é que há relatório a divulgar ou faz falta o Presidente da República pressionar o Ministério Público para dizer o que se passou?
    E agora o que se passou com a legionella, quando é que se sabe o que se passou ou mais uma vez deixa-se arrastar no tempo para cair no esquecimento?
    Não há o assumir de responsabilidades ou varre-se tudo para baixo do tapete?

Responder a Oleb Cancelar resposta

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …

Virgin Galactic quer desenvolver avião comercial supersónico (que promete superar a velocidade do som)

A Virgin Galactic vai aliar-se à Rolls-Royce para criar um avião comercial supersónico, ainda mais rápido do que o mítico Concorde. A empresa de turismo espacial Virgin Galactic anunciou uma parceria com a Rolls-Royce para desenvolver …

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …