Transportes públicos são “ponto nevrálgico” da transmissão da covid-19

Mário Cruz / Lusa

O infeciologista Jaime Nina defendeu hoje que é necessário quadruplicar a oferta dos transportes públicos para permitir a distância necessária entre os passageiros, considerando que são um “pontos nevrálgico” da transmissão da covid-19.

“Os transportes públicos é um dos pontos nevrálgicos da transmissão”, afirmou, defendendo que “para manter o distanciamento, os autocarros, os comboios e o Metro deviam ter fila sim, fila não, com passageiros”.

Mas para isso era preciso “ter quatro vezes mais carruagens, autocarros, e quatro vezes mais motoristas e maquinistas”, disse o infeciologista do Hospital Egas Moniz em entrevista à agência Lusa, a propósito do agravamento da situação epidemiológica da covid-19.

Se esta solução tivesse começado a ser pensada em maio, tinha havido tempo para reforçar a frota e ter “maquinistas e motoristas suficientes”. “É caro? É, mas ter a economia fechada não é mais caro”, questionou, argumentando que “só uma semana de economia fechada para tentar evitar [a propagação do vírus] pagava isto tudo e ainda sobrava muito dinheiro”.

O especialista lamentou que não haja “uma abordagem global” e que se esteja a ver “setor a setor”, prevendo “um problema com o inverno”.

“Enquanto que no verão as pessoas evitam os transportes públicos, têm as janelas abertas, se estiver uma chuva desgraçada não estou a ver ninguém a andar de carro com as janelas abertas, nem a andar muito na rua quando pode andar de autocarro”, disse o professor na Universidade Nova de Lisboa, no Instituto de Higiene e Medicina Tropical e da Faculdade de Ciências Médicas.

Sobre a evolução da epidemia, Jaime Nina disse que já está na segunda “onda”: “o agosto foi um bocado molhado, houve chuva, e isso teve logo uma repercussão em toda a Europa, não só em Portugal”.

Mas, nesta fase, está a atingir mais os jovens, uma situação que disse estar relacionada com o aumento de testes: “estão a apanhar pessoas infetadas que há três meses não eram apanhadas porque tinham uma doença mais ligeira, e como tal, a letalidade está a baixar porque há mais casos ligeiros”.

O infeciologista saudou o aumento da testagem, mas considerou que tem sido “muito lentamente” e “muito longe daquilo que deveria ser feito”.

A este propósito, fez uma analogia futebolística: “a tática que Portugal e a Europa está a usar é como se chamasse os 10 jogadores de campo tudo em frente da baliza de olhos fechados a tentar apalpar a bola e não a deixar passar”.

“Era muito mais preferível andar a correr pelo campo todo atrás da bola” e tentar apanhá-la e controlá-la.

Exemplificou com o que países como Singapura, Taiwan, Hong Kong e Coreia do Sul estão a fazer ao nível de testes para apanhar os casos ligeiros e cortar as cadeias de transmissão.

“Portugal fez cerca de dois milhões de testes, Singapura vai quase em 100 milhões para uma população um bocadinho mais pequena que a nossa”, disse, observando que, segundo dados da Organização Mundial da Saúde, Portugal tem mais de 1.900 mortes e Singapura tem 27, com um número de casos sensivelmente igual.

No seu entender, “há muita coisa que está a falhar no rastreio e no encaminhamento de casos” porque “o Ministério da Saúde está a utilizar quase exclusivamente os recursos próprios”.

“Depois não tem médicos e técnicos de saúde pública, não tem laboratórios de biologia molecular quando há um manancial enorme de pessoas disponíveis”, salientou.

Em abril e maio, contou, “quando toda a gente estava aflita porque não havia capacidade de fazer os testes todos”, os laboratórios de biologia molecular da Universidade Nova estavam fechados com as pessoas em teletrabalho, apesar da faculdade os ter colocado ao dispor.

Por outro lado, podiam chamar os estudantes de medicina: “Era bom para eles porque estavam a fazer um trabalho útil e relevante para o seu curso e, obviamente, era bom para o Ministério da Saúde porque triplicava ou quadruplicava a mão de obra necessária para fazer rastreio de casos”.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Ser dependente de grandes concentrações por necessidade diária, especialmente em ambientes fechados e exíguos, é um pouco o jogo da roleta Russa. Só uma solução…viajar de escafandro !

  2. E que tal abolirem os parquímetros nesta fase para se utilizar mais transportes privados? É que é tudo muito bonito mas nesta altura mais vale ter mais gente a andar de carro que a morrer no hospital por utilizar transportes públicos.

  3. No que eu entendo, a máscara previne o contágio quando o espaçamento não é possível.
    Não vejo viável aumentar a oferta de transportes, vai existir sempre a “hora de ponta” que nem 10 vezes a oferta de transporte irá colmatar. Além disso, mesmo que venha mais transportes estes continuarão a operar lotados, o povo que está à espera vão deixa de ocupar espaço quando o transporte aparece.
    Assim, a melhor solução é usar uma máscara eficiente nestas situações e esquecer o medo aterrorizante que nos querem impingir com notícias improváveis de colocar em prática.
    É a minha opinião.

RESPONDER

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …

Novo estudo diz que Remdesivir não tem "impacto significativo" nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional. Em …

Bebés alimentados por biberões ingerem milhões de micro plásticos por dia, sugere estudo

Um novo estudo vem agora alertar para os perigos da puericultura moderna. De acordo com a pesquisa, os bebés que são alimentados com biberões engolem milhões de partículas de micro plástico por dia. Normalmente os biberões …

Cortaram a água nas instalações da Tesla na Alemanha. Havia contas por pagar

A empresa pública alemã WSE cortou (e já restabeleceu) o fornecimento de água nas instalações da Tesla em Grünheide, onde nascerá a primeira gigafactory europeia da empresa, devido à falta de pagamento das contas. Na semana …

Trabalhadores remotos estão a encher pequenas cidades (que agora têm os problemas das grandes)

A pandemia de covid-19 está a levar a um novo fenómeno: a migração para "comunidades de passagem" - pequenas cidades próximas a grandes terras e estações de esqui - à medida que mais pessoas começam …

EUA vão retirar Sudão da "lista negra" de países apoiantes do terrorismo

O Sudão vai ser retirado da lista de países apoiantes do terrorismo, anunciou na segunda-feira o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, numa medida que permitirá ao país africano voltar a ter acesso a …

Trump testou positivo à covid-19 e Fauci não ficou nada surpreendido

Anthony Fauci, o principal especialista norte-americano em doenças infeciosas, revelou esta semana que não ficou nada surpreendido com o facto de o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter testado positivo à covid-19.  Em entrevista ao …

Benfica castigado com um jogo de interdição da Luz

O Benfica foi punido com um jogo de interdição do Estádio da Luz e uma multa de 10.200 euros pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), por apoio a claques não …

Homem muda a matrícula do carro para ficar "invisível", mas acaba com multas pendentes de 12 mil dólares

Um especialista em segurança cibernética norte-americano, conhecido como Droogie, trocou a matrícula do seu carro e pôs em prática um plano para tentar tornar o veículo indetetável nos leitores de matrículas e sistemas de bilhetes. …