Nem a traição de Merkel conseguiu derrotar o “Ponto G” Guterres

UNHCR / Flickr

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres

António Guterres bateu tudo e todos, derrotando até as pressões de Angela Merkel e as movimentações secretas da União Europeia, e vai ser o líder da ONU graças às suas qualidades pessoais que o tornam no “Ponto G das relações internacionais”, como diz um jornalista.

A eleição de António Guterres como secretário-geral da ONU, já aprovada pelo Conselho de Segurança, vai ser oficialmente concretizada na próxima quinta-feira, 13 de Outubro.

O ex-primeiro-ministro português derrotou toda a concorrência e surge como uma escolha quase óbvia, aos olhos de muitos, apesar das movimentações políticas que se fizeram nos bastidores.

A União Europeia terá dado “instruções secretas a favor de Georgieva”, avança o Expresso, referindo-se à vice-presidente da Comissão Europeia que entrou na corrida à última da hora, depois de pressões de Angela Merkel.

A chanceler alemã não sai nada bem na fotografia neste processo, não só por ter perdido a “batalha” que visava a nomeação de uma candidata mulher e da Europa de Leste, mas também porque terá “prometido neutralidade a Portugal” no processo, de acordo com o mesmo semanário.

A “facadinha nas costas” a Portugal, com as pressões exercidas para que o governo búlgaro retirasse o apoio a Irina Bolkova e apoiasse antes Kristalina Georgieva, como veio a suceder, acabou por não ter os efeitos desejados.

A Alemanha procura, desde há muito, aumentar a sua capacidade de influência no seio da ONU.

O país não está entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – China, EUA, França, Rússia e Reino Unido – e tem lutado, nos bastidores, pela ampliação deste leque.

Além destes cinco países com lugar garantido, o órgão da ONU é ainda composto por dez membros não permanentes, que são eleitos de dois em dois anos pela Assembleia Geral da organização.

Em 2004, a Alemanha estabeleceu com Brasil, Índia e Japão o chamado Grupo dos Quatro, que defende a ampliação tanto dos elementos permanentes como não permanentes.

A divisão europeia

Este processo eleitoral na ONU acaba também por evidenciar as “fractura” que existem no seio da (UE) em termos de política internacional.

É que, se por um lado Merkel e a base de liderança da UE, representada por Jean-Claude Juncker, apoiavam Georgieva, França esteve sempre do lado de Guterres.

Esta divisão europeia é bem patente nas palavras do ministro dos Negócios Estrangeiros da Eslováquia, Miroslav Lajcak, e um dos candidatos à liderança da ONU.

“[Georgieva] foi apresentada em alguns locais como a candidata oficial da União Europeia. Causou alguma confusão entre alguns membros do Conselho de Segurança, mas acabou por se virar contra Georgieva”, assumiu Lajcak, citado pela Sputnik.

Certo é que a Europa de Leste é agora a única região do mundo que ainda não teve qualquer representante à frente da ONU.

“O pontapé no traseiro” de que a ONU precisa

A nomeação de Guterres está a suscitar uma grande expectativa e há a ideia de que poderá imprimir uma verdadeira “revolução” na ONU, dando à organização “o tipo de pontapé no traseiro” de que precisa, conforme defendeu o especialista Richard Gowan, do Conselho Europeu para as Relações Internacionais, citado pela BBC.

Para o jornalista Timothy Bancroft-Hinchey, editor e director da versão portuguesa do site russo Pravda.ru, é evidente que Guterres “representa tudo aquilo que a comunidade internacional precisa neste delicado momento”.

Falando de Guterres como “a pessoa do povo”, o jornalista, visto como apoiante do governo da Rússia, destaca que o ex-primeiro-ministro tem trunfos como “diálogo, debate e discussão” que o tornam no “Ponto G das relações internacionais”.

Timothy Bancroft-Hinchey elogia Guterres como um “líder atencioso e pensativo” que “sente as questões sociais” e que favorece uma “sociedade inclusiva e igualitária”, realçando também que é “um homem de princípios, de valores, de acção e de coragem” e que “se levanta contra os lobbies“.

Não é um português suave, representa uma das nações mais antigas do mundo“, “a super potência dos 1500’s”, constata também o jornalista, vaticinando que Guterres pode, realmente, enformar a ONU no lema “nós os povos” que expressa no documento com a sua visão para a organização.

SV, ZAP

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …