Nem a traição de Merkel conseguiu derrotar o “Ponto G” Guterres

UNHCR / Flickr

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres

António Guterres bateu tudo e todos, derrotando até as pressões de Angela Merkel e as movimentações secretas da União Europeia, e vai ser o líder da ONU graças às suas qualidades pessoais que o tornam no “Ponto G das relações internacionais”, como diz um jornalista.

A eleição de António Guterres como secretário-geral da ONU, já aprovada pelo Conselho de Segurança, vai ser oficialmente concretizada na próxima quinta-feira, 13 de Outubro.

O ex-primeiro-ministro português derrotou toda a concorrência e surge como uma escolha quase óbvia, aos olhos de muitos, apesar das movimentações políticas que se fizeram nos bastidores.

A União Europeia terá dado “instruções secretas a favor de Georgieva”, avança o Expresso, referindo-se à vice-presidente da Comissão Europeia que entrou na corrida à última da hora, depois de pressões de Angela Merkel.

A chanceler alemã não sai nada bem na fotografia neste processo, não só por ter perdido a “batalha” que visava a nomeação de uma candidata mulher e da Europa de Leste, mas também porque terá “prometido neutralidade a Portugal” no processo, de acordo com o mesmo semanário.

A “facadinha nas costas” a Portugal, com as pressões exercidas para que o governo búlgaro retirasse o apoio a Irina Bolkova e apoiasse antes Kristalina Georgieva, como veio a suceder, acabou por não ter os efeitos desejados.

A Alemanha procura, desde há muito, aumentar a sua capacidade de influência no seio da ONU.

O país não está entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – China, EUA, França, Rússia e Reino Unido – e tem lutado, nos bastidores, pela ampliação deste leque.

Além destes cinco países com lugar garantido, o órgão da ONU é ainda composto por dez membros não permanentes, que são eleitos de dois em dois anos pela Assembleia Geral da organização.

Em 2004, a Alemanha estabeleceu com Brasil, Índia e Japão o chamado Grupo dos Quatro, que defende a ampliação tanto dos elementos permanentes como não permanentes.

A divisão europeia

Este processo eleitoral na ONU acaba também por evidenciar as “fractura” que existem no seio da (UE) em termos de política internacional.

É que, se por um lado Merkel e a base de liderança da UE, representada por Jean-Claude Juncker, apoiavam Georgieva, França esteve sempre do lado de Guterres.

Esta divisão europeia é bem patente nas palavras do ministro dos Negócios Estrangeiros da Eslováquia, Miroslav Lajcak, e um dos candidatos à liderança da ONU.

“[Georgieva] foi apresentada em alguns locais como a candidata oficial da União Europeia. Causou alguma confusão entre alguns membros do Conselho de Segurança, mas acabou por se virar contra Georgieva”, assumiu Lajcak, citado pela Sputnik.

Certo é que a Europa de Leste é agora a única região do mundo que ainda não teve qualquer representante à frente da ONU.

“O pontapé no traseiro” de que a ONU precisa

A nomeação de Guterres está a suscitar uma grande expectativa e há a ideia de que poderá imprimir uma verdadeira “revolução” na ONU, dando à organização “o tipo de pontapé no traseiro” de que precisa, conforme defendeu o especialista Richard Gowan, do Conselho Europeu para as Relações Internacionais, citado pela BBC.

Para o jornalista Timothy Bancroft-Hinchey, editor e director da versão portuguesa do site russo Pravda.ru, é evidente que Guterres “representa tudo aquilo que a comunidade internacional precisa neste delicado momento”.

Falando de Guterres como “a pessoa do povo”, o jornalista, visto como apoiante do governo da Rússia, destaca que o ex-primeiro-ministro tem trunfos como “diálogo, debate e discussão” que o tornam no “Ponto G das relações internacionais”.

Timothy Bancroft-Hinchey elogia Guterres como um “líder atencioso e pensativo” que “sente as questões sociais” e que favorece uma “sociedade inclusiva e igualitária”, realçando também que é “um homem de princípios, de valores, de acção e de coragem” e que “se levanta contra os lobbies“.

Não é um português suave, representa uma das nações mais antigas do mundo“, “a super potência dos 1500’s”, constata também o jornalista, vaticinando que Guterres pode, realmente, enformar a ONU no lema “nós os povos” que expressa no documento com a sua visão para a organização.

SV, ZAP

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Há três dias que os casos aumentam em Itália. Espanha endurece medidas

Os casos de novas infeções com o novo coronavírus aumentaram pelo terceiro dia consecutivo, em Itália, onde nas últimas 24 horas se registaram mais 276 contaminações, comparando com 229, 193 e 138, nos dias anteriores. O …

MP investiga juiz acusado de pagar por sexo enquanto ouvia menores abusados (ele alega que o querem tramar)

O Ministério Público (MP) instaurou um inquérito à denúncia feita, no Parlamento, pela dona de uma casa de prostituição que revelou que um juiz pedia para lhe fazerem sexo oral enquanto via vídeos dos menores …

Câmara de Sintra admite 700 casos confirmados que ainda não foram contactados

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, admitiu que existem cerca de 700 casos positivos de covid-19 no concelho que, apesar de identificados, não foi ainda possível contactar. Em entrevista ao jornal Público …

Jesus quer regressar ao Benfica. Acordo deve ficar fechado nas próximas horas

O futuro de Jorge Jesus continua a fazer correr muita tinta. Em Portugal, diz-se que o treinador tem um acordo quase fechado para regressar ao Benfica, enquanto que no Brasil há garantias de que ficará …

Erdogan anuncia que Santa Sofia volta a ser uma mesquita. UNESCO lamenta profundamente

O Presidente turco anunciou que as primeiras orações coletivas muçulmanas serão realizadas em 24 de julho em Santa Sofia, convertida em mesquita, acrescentando que o edifício permanecerá aberto a visitantes de todos os credos. "Vamos fazer …

PSD tem um substituto para o modelo Infarmed: reuniões no Parlamento transmitidas na televisão

O PSD considera que o "modelo Infarmed" já deu o que tinha a dar e, por isso, propõe substituí-lo por encontros públicos. O Expresso teve acesso a um projeto de resolução do PSD, entregue esta sexta-feira, …

José Mourinho diz que já não celebra golos (e explica porquê)

O treinador português José Mourinho diz que já não celebra os golos marcados pelo Tottenham, atribuindo as culpas deste seu comportamento ao VAR. "Eu já não celebro os golos, porque eu nunca sei se vai ser …

“O que aí vem ainda será pior”, avisa Costa e Silva

O diretor diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, convidado pelo Governo para estudar um plano de retoma económica para o período pós-pandemia, acredita que "o que vem aí será pior". Em declarações ao jornal …

Países Baixos processam Rússia por envolvimento no derrube do voo MH17

O Governo dos Países Baixos anunciou que vai processar a Rússia perante o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) “pelo seu envolvimento na destruição do voo MH17”, abatido em 2014 quando sobrevoava a Ucrânia. A …

Barba-Negra encalhou o seu navio pirata de propósito (e já se sabe porquê)

O pirata britânico Barba-Negra deliberadamente encalhou o seu navio pirata, Queen Anne's Revenge, propõe um investigador. A embarcação estaria em péssimas condições. Edward Teach, mais conhecido como Barba-Negra, é talvez o mais famoso pirata de todos …