A Terra ficou líquida no dia em que um asteróide dizimou os dinossauros

É difícil imaginar como  milhões de toneladas de rocha podem, de repente, comportar-se como um líquido, mas foi exatamente o que aconteceu quando um asteróide atingiu a Terra há 66 milhões de anos.

Assim afirmam cientistas americanos que conseguiram reconstruir em detalhes cada passo do impacto colossal que dizimou os dinossauros.

Amostras obtidas da cratera formada após a colisão permitiram concluir que as rochas sofreram um processo de “fluidificação”. Noutras palavras, o material pulverizado começou a comportar-se como uma substância semelhante à água.

Cientistas liderados por Molly Range, da Universidade de Michigan Ann Arbor, usaram dois modelos para a simulação. Um para o impacto inicial de um asteróide de 14 quilómetros de diâmetro em águas rasas e outro focado na consequente disseminação de água deslocada por todo o oceano antigo.

Inicialmente, seria criado quase instantaneamente um espaço côncavo de cerca de 30 quilómetros de profundidade e 100 quilómetros de diâmetro.

A instabilidade do terreno causaria mais tarde o colapso para dentro das margens da cratera. O colapso geraria, por sua vez, uma reação de ricochete do fundo da cratera a alturas superiores aos Himalaias.

Estes movimentos gigantescos iriam estabilizar num determinado momento – e o que restaria seria uma cratera de cerca de 200 quilómetros de diâmetro e 1 quilómetro de profundidade. Essa cratera é precisamente a que se encontra enterrada sob uma camada de sedimentos no Golfo do México, perto do porto de Chicxulub.

O modelo é chamado de “modelo de colapso dinâmico de formação de cratera”, e o impacto que descreve só é possível se as rochas, por um curto período, perderem a sua solidez e fluírem sem atrito.

Um novo estudo apresenta evidências deste processo, baseado em material de perfuração de rochas de um anel de pico no centro da depressão de Chicxulub. Os anéis de pico são formações de grandes crateras de impacto, criadas pela elevação do solo após as colisões.

“O que descobrimos ao examinar o material da rocha é que ela se tinha fragmentado”, disse Ulrich Riller, investigador da Universidade de Hamburgo, na Alemanha. “A rocha foi esmagada e partida em fragmentos minúsculos que tinham inicialmente milímetros. Isto produziu comportamento semelhante a um fluido que explica a base plana da cratera, algo que caracteriza o Chicxulub e outros casos de grandes impactos, como na Lua.”

A fluidificação não é um processo de derretimento da rocha, mas da fragmentação da mesma por imensas forças de vibração, explica Sean Gulick, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, e um dos líderes da equipa de perfuração.

“É um efeito de pressão, um dano mecânico. A quantidade de energia que passa por estas rochas é equivalente a terremotos de magnitude 10 ou 11. Estima-se que todo o impacto teve uma energia equivalente a 10 mil milhões de bombas de Hiroshima.”

Após a fragmentação e fluidificação, as rochas recuperaram a sua solidez para formar o anel da cratera. Este regresso ao estado sólido pode ser visto nas amostras obtidas.

ZAP // BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Duarte Lima perde último recurso e deve ser julgado pela morte de Rosalina Ribeiro em Portugal

O Supremo Tribunal brasileiro indeferiu um novo recurso de Duarte Lima que assim está mais próximo de ser julgado em Portugal, pelo homicídio de Rosalina Ribeiro, em Maricá, em 2009. Ao recurso extraordinário, interposto de uma …

Governo britânico cumprirá decisão do Supremo sobre suspensão do Parlamento

O Governo britânico cumprirá a decisão do Supremo Tribunal do Reino Unido sobre a legalidade ou ilegalidade da suspensão do Parlamento, uma decisão que deverá ser anunciada esta semana. A garantia foi dada este domingo à …

Bancos vendem créditos à habitação a Fundos de Investimento (e é "dramático" para muitas famílias)

Estão a chegar à DECO cada vez mais pedidos de ajuda de famílias que viram os seus créditos à habitação serem adquiridos aos Bancos por Fundos de Investimento e que estão a ser pressionadas para …

BE fará uma campanha "sem energia perdida, palavras ocas ou provocações"

Um partido que pretende ao mesmo tempo trilhar um "caminho de alternativa" e "caminhos de convergência". Assim definiu Catarina Martins a orientação do Bloco de Esquerda (BE) na campanha eleitoral. Ao discursar num almoço com agentes …

Jornalistas não podem ser condenados por violação de segredo de justiça, defende Costa

No primeiro dia da campanha eleitoral para as eleições legislativas de 06 de outubro, António Costa, primeiro-ministro e líder do PS, deu uma entrevista à CMTV e aproveitou para mostrar divergências em relação a Rui …

Défice fica nos 0,8% do PIB no primeiro semestre do ano

O défice situou-se em 0,8% do PIB no primeiro semestre deste ano, em contas nacionais, abaixo dos 2,2% registados no período homólogo, mas longe da meta para o conjunto do ano, de 0,2%. "No conjunto do …

Pelo menos sete crianças morreram após colapso de escola no Quénia

Pelo menos sete crianças morreram e 57 ficaram feridas após o colapso do edifício de uma escola em Nairobi, no Quénia, esta segunda-feira, confirmaram os serviços de socorro e as autoridades locais. "Depois do colapso do …

“Há uma mudança histórica na Madeira”

Este domingo, no seu espaço habitual de comentário, Luís Marques Mendes disse que, embora ainda não tenham sido apurados todos os resultados das eleições na Madeira, tudo aponta para que haja uma “mudança histórica” no …

O outono chegou e traz aguaceiros. Mas o calor ainda pode aparecer em outubro

O outono começou oficialmente às 8h50 desta segunda-feira. Este é o dia do equinócio, a data em que, segundo o saber popular, o dia e a noite têm a mesma duração. A data que assinala o …

Portugal não aderiu a programa da UE criado de propósito após os incêndios de 2017

No ano passado, a União Europeia criou um programa de proteção civil devido aos incêndios de 2017 em Portugal. Contudo, o país não aderiu ao mecanismo. Em 2017, Portugal viveu momentos difíceis devido aos incêndios que …