Mais de um terço dos portugueses não vai vacinar-se contra a covid-19

Mais de um terço dos portugueses afirmam não querer vacinar-se contra a covid-19 por não acreditarem na eficácia do medicamento que deverá chegar a Portugal em janeiro, segundo um estudo da Eurosondagem divulgado este sábado.

À questão “quando houver uma vacina contra a covid-19, acredita nela e vai vacinar-se?”, 48,5% dos inquiridos respondem que “sim”, 37,2% “não” e 14,3% têm dúvidas, não sabem ou não querem revelar o que farão.

Neste estudo da Eurosondagem para o Porto Canal e o semanário Sol, a maioria dos entrevistados que se opõem à vacina são do sexo feminino (37,2%), contra 36,9% do sexo masculino.

Entre os homens a vacina tem mais apoio (49%) do que entre as mulheres (48%). A Eurosondagem não estratificou as respostas a esta questão por grupos etários.

Outra questão colocada na sondagem foi a recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa a Presidente da República, com 72% a responder que “fez bem”, 15,5% “não fez bem” e 12,5% a manifestar dúvidas ou não responder.

O estudo incluiu também uma questão sobre a “grande controvérsia entre as atuais operadoras de telecomunicações e a ANACOM sobre o 5G”. Nas respostas, só 15,2% dos entrevistados disseram concordar com “um leilão aberto a novos operadores”. A “melhoria e universalidade da atual rede móvel em 3G e 4G e voz” foi a opção escolhida por 65,5% dos inquiridos, com 19,3% a não responder.

No tradicional barómetro das legislativas, o PS continua na frente, com 38,8%, subindo quase na mesma proporção (2,4 pontos percentuais) da descida do BE (2,3 pontos percentuais) relativamente aos resultados das últimas legislativas.

O BE cai mais de um ponto percentual (1,1) relativamente à sondagem de novembro, o PS sobe 0,5 p.p. e o PSD 0,3 p.p.

O PSD recolhe agora 29,4% das preferências, o BE 7,2%, a CDU 5,3%, o Chega 5,2%, o CDS 2,5%, o PAN 2,0% e a Iniciativa Liberal 1,1%.

O estudo da Eurosondagem foi realizado entre o segunda e quinta-feira através de 1020 entrevistas telefónicas validadas para fixos e móveis e tem um erro máximo de 3,07% para um grau de probabilidade de 95%.

  // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A Imunização por via de vacinação, contra certas Doenças, não é un acto “contemporâneo”. Ao longo da Historia da humanidade, fomos assistindo ao aparecimento de inúmeras doenças de origem viral. O desenvolvimento de Vacinas e a sua administração, permitem de preservar a vida Humana na sua grande maioria, isso é um “Facto”, incontestável!. Em relação a esta nova estirpe de Coronavirus, que se avera mais virulenta e letal, e o desenvolvimento de uma Vacina (eficaz) em tempo recorde, com todas as contradições, inquietantes afirmações, duvidas e hipotéticas probabilidades quanto a sua eficácia e segurança, todas estas informações emitidas por a C.S e mesmo por as mais diversas Autoridades na matéria, muitas das vezes polémicas; instalam inevitavelmente a desconfiança numa parte da População. Por mim, espero que independentemente de qualquer laboratório que seja, as vacinas produzidas venham a ser “a” Solução, mais uma vez para travar e aniquilar este invisível inimigo. Ou estaremos condenados a um Dantesco desastre Humanitário!…

RESPONDER

Rui Rio, presidente do PSD

Rio apresenta recandidatura. "Seria muito prejudicial para o país se o PSD mudasse agora de líder"

O presidente do PSD apresentou, esta sexta-feira, na cidade do Porto, a sua recandidatura à liderança, tendo considerado que "seria muito prejudicial", não só para o país como para o partido, mudar agora de líder. Rui …

"Conquistem a vaga no relvado": aviso à UEFA sobre a nova Liga dos Campeões

Associação das Ligas Europeias contra vagas garantidas para clubes que não terminarem o campeonato nacional num dos primeiros lugares. A reunião da Associação das Ligas Europeias de futebol terminou com o reforço de posições públicas contra …

Bloco diz que as suas nove propostas foram rejeitadas. Governo aponta avanços em sete

O Bloco considerou, esta sexta-feira, que o Governo recusou as suas nove propostas para chegar a acordo no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). O Executivo, por sua vez, considera que há avanços negociais em …

Comissão de inquérito ao Novo Banco. PSD frisa "maioria popular", PS queixa-se de "partidarite"

Os partidos apreciaram, esta sexta-feira, o relatório final da comissão de inquérito ao Novo Banco, aprovado em julho, com o PSD a destacar a "maioria popular" nas conclusões e o PS a criticar a "partidarite" …

"Falta de respeito". Patrões abandonam Concertação Social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …

Parlamento aprova diplomas para alargar gratuitidade das creches e "direito ao esquecimento"

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, um projeto-lei para o alargamento da gratuitidade das creches e de soluções equiparadas e ainda um diploma que consagra o "direito ao esquecimento". A Assembleia da República aprovou um projeto-lei do …

Costa está muito empenhado num acordo pelo OE, mas não "a qualquer preço"

O primeiro-ministro disse, esta sexta-feira, que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), mas advertiu que "um acordo não se obtém …

Evergrande escapa por um triz ao default e garante o pagamento de juros de 71.7 milhões de euros

A gigante imobiliária chinesa conseguiu cumprir com o pagamento dos juros no limiar do fim da extensão do prazo. No entanto, persistem os receios sobre a possibilidade da crise na China contagiar a economia mundial. A …

Pessoas a andar na rua em Viena, Áustria

Em caso de apagão geral, Áustria é o primeiro país europeu a ter um Plano B(lackout)

E se houvesse um apagão que afetasse todo o continente europeu? O cenário é o argumento que o Ministério da Defesa austríaco tem usado para enviar um aviso à população desde o início deste mês. A …

Só um terço das empresas em Portugal têm gestores com um curso superior

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos refere que este valor é negativo para o país já que a formação superior dos gestores está associada à produtividade e há maior probabilidade da empresa começar …