Teletrabalho pode “aplanar as horas de ponta” na curva da mobilidade, dizem especialistas

As horas perdidas no trânsito das grandes cidades transformaram-se em tempo produtivo com o confinamento ditado pela covid-19 e o teletrabalho é agora visto como instrumento para “aplanar as horas de ponta” na curva da mobilidade, defenderam especialistas contactados pela agência Lusa.

Em declarações à Lusa, Paula Teles, especialista em Mobilidade, encontrou na expressão “aplanar a curva”, tantas vezes repetida pela Direção-Geral de Saúde (DGS) relativamente à pandemia, a melhor explicação para o que faz falta à mobilidade: acabar com os picos das horas de ponta, sendo o teletrabalho uma das estratégias, a par de novos horários laborais, modos suaves (bicicleta, por exemplo) e serviços indispensáveis a distâncias a pé de zonas residenciais.

Álvaro Costa, professor na Universidade do Porto, considerou o teletrabalho “uma grande solução”, que poderá deslocar pessoas para “cidades de média dimensão”, onde mais facilmente circulam a pé, sobretudo se o “atual receio de contágio nos transportes públicos” aumentar o uso do automóvel, “bloqueando as grandes cidades”.

“Não acho que vá haver menos congestionamentos, mesmo mantendo algum teletrabalho”, avisou. Para o especialista, “atualmente o transporte público só é viável se aumentar muito a oferta para as pessoas se sentirem confortáveis”.

Modos suaves de deslocação, como a bicicleta, “não são alternativa” para Álvaro Costa: “As pessoas vão ficar mais pobres, o transporte público e uma maior oferta têm mesmo de ser a solução”.

Rosário Macário, professora e investigadora do Instituto Superior Técnico, apontou o “transporte partilhado” como solução para “o problema sério de receio” de circular nos transportes públicos. Para a especialista em Transportes, o teletrabalho vai permanecer com “uma utilização muito mais intensa”, nomeadamente em “reuniões internacionais”.

“As ferramentas estavam disponíveis. A resistência era cultural. A covid-19 trouxe essa evidência: em menos de 48 horas toda a gente se adaptou ao teletrabalho”, destacou.

Antes da pandemia, uma percentagem significativa da população perdia “uma 01:00 a 01:30 para cada lado em transportes”, com custos “económicos, de qualidade de vida e desgaste, com impacto na produtividade”, nota Rosário Macário.

“A perceção dos especialistas é que a produtividade aumentou com o teletrabalho. O desgaste e as horas perdidas estão a ser aproveitados para outras coisas, incluindo trabalhar”, assinalou.

Paula Teles é acérrima defensora da bicicleta e da circulação a pé. Apontou-os como “o futuro”, assim se criem corredores seguros para esta opção dois-em-um, que poupa emissões de carbono e exercita o corpo. Em todo o caso, sustentou que o teletrabalho “veio para ficar”, até por ser “uma das áreas em que se pode atuar rapidamente”.

Outra solução é “mudar horas de trabalho” e Paula Teles defendeu que “o Estado tem de dar o exemplo”, colocando quem não tem filhos ou já os tem autónomos com horários distintos dos restantes funcionários, para “aplanar as horas de ponta”. Urgem também “políticas de planeamento urbano mais multidisciplinar”.

“Seja nas cidades dormitório, seja nas grandes cidades, devem existir minicidades com tudo: café, farmácia, papelaria, mercearia… Pequenas áreas de proximidade para, pelo menos por alguns dias, não sair da nossa zona de conforto”, descreveu.

O momento para agir é agora. “As pessoas foram para casa [devido à covid-19] e as cidades ficaram transformadas em monstros. No betão onde agora faltam carros, que se implementem outras soluções”, sublinhou.

A especialista referiu a criação de corredores para modos suaves de deslocação, “sem grandes custos” ou perspetivas definitivas. “Não podemos estar todos a tratar dos doentes e dos enfermos”, criticou.

“Estamos em guerra. Quem tem competências no ordenamento do território e proteção do ambiente já devia estar a trabalhar. O excesso de deslocações motorizadas é um problema de saúde pública. As cidades têm de mudar, tornar-se mais resilientes, e este é o tempo para o fazer. Não precisam de medidas eternas”, propôs.

Lusa //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. …dasse… é preciso ser especialista para dizer isso?! O mundo está mesmo todo nivelado por baixo.
    Adianto também uma outra novidade: O Teletrabalho pode reduzir o consumo de combustível.
    E ainda outra: Se estiver à chuva é provável que se molhe.
    Ora f$%&#

RESPONDER

Atletas que sorriem durante as corridas gastam menos oxigénio

Os atletas que sorriem gastam menos oxigénio, trabalham de forma mais económica e têm um nível de esforço menor, refere um estudo realizado pelas universidades de Ulster e Swansea, divulgado esta terça-feira. Os investigadores pediram a …

OMS analisa possíveis primeiros casos de infeção de animais para o homem

A Organização Mundial de Saúde (OMS) admite que pelo menos três infeções por Covid-19 nos Países Baixos possam ser os primeiros casos conhecidos de transmissão do novo coronavírus dos animais para o homem, tendo martas …

Na Suíça, é possível estar em teletrabalho e a empresa pagar parte da renda

O Tribunal Federal da Suíça condenou uma empresa de contabilidade a pagar parte da renda de casa a um funcionário que se encontrava em teletrabalho. Segundo revelou na segunda-feira o swissinfo e o Tages-Anzeiger, citados pelo …

Governo negoceia até mais 35 milhões em apoios para agricultura

A ministra da Agricultura disse hoje que está em curso a negociação de medidas adicionais para apoiar o setor agrícola, face ao impacto da covid-19, através do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), que podem mobilizar …

Moro não assinou exoneração de ex-diretor da Polícia, admite Presidência do Brasil

A Secretaria-Geral da Presidência brasileira admitiu na segunda-feira que o agora ex-ministro da Justiça Sergio Moro não assinou o decreto de exoneração de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal, confirmando a versão original do …

Norte foi região que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho no país

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou na segunda-feira a Comissão de Coordenação e …

Vai nascer uma praia fluvial nas margens do Alqueva em 2021

Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, devendo começar a funcionar no verão do próximo ano. Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, junto à aldeia …

Câmara de Bragança vai ajudar com até 100 euros a pagar renda

As famílias mais vulneráveis do concelho de Bragança vão poder contar com um apoio financeiro até 100 euros mensais para pagar a renda. A Câmara de Bragança vai ajudar as famílias do concelho em situação vulnerável …

Parlamento chumba lay-off para sócios-gerentes, mas acaba com teto de faturação ao apoio

A Comissão de Economia chumbou, esta terça-feira, o alargamento do lay-off simplificado aos sócios-gerentes. Por outro lado, aprovou o fim do teto de faturação para aceder ao apoio a estes portugueses. A proposta do PSD, BE …

Comissão Europeia admite que Portugal fica "em desvantagem" nas ajudas estatais

Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia, admite que países como Portugal, com menor capacidade orçamental do que Estados-membros como Alemanha ou França, fiquem “em desvantagem” nas ajudas estatais em altura de crise gerada pela …