Tancos. Operação da PJM tinha “atenção das altas esferas do Estado”

Mário Cruz / Lusa

Bruno Ataíde, militar do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da GNR de Loulé e um dos arguidos do processo de Tancos, mencionou o ex-ministro Azeredo Lopes, mais do que uma vez. “[O conhecimento e o interesse do Governo] é que nos dava segurança”, disse na fase de instrução que começou em janeiro. 

Quando questionado pelos jornalistas sobre a cumplicidade das hierarquias da GNR através do conhecimento do plano de recuperação do armamento, à saída do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, o advogado de Bruno Ataíde – que optou pelo silêncio enquanto não foi formalmente acusado -, respondeu: “Presumimos que sim”.

“Se não, estaríamos aqui perante outro crime – de desobediência”, indicou Fernando Cabrita, citado pelo Público.

Ao juiz Carlos Alexandre e aos advogados de defesa, Bruno Ataíde, constituído arguido por ter participado na operação montada para reaver o armamento, indicou que havia “um grande interesse por parte do Governo, na pessoa do ministro da Defesa”, em que a recuperação acontecesse.

“O que nos era transmitido – a mim, ao sargento Lima Santos, ao guarda José Gonçalves – era que tudo era reportado quase em tempo real ao coronel Estalagem e ao diretor-geral da PJM [Polícia Judiciária Militar]”, referiu Bruno Ataíde, sobre a operação da PJM e da GNR, paralela à investigação da PJ.

E continuou: “Várias vezes era-nos mencionado que isto estava a ter uma atenção das altas esferas do Estado, inclusive do ministro da Defesa”. “Isto era uma conversa recorrente por parte dos investigadores da PJM”.

Bruno Ataíde sublinhou que essa “era uma conversa recorrente”, por parte “dos inspetores da PJM, mas no sentido de que isto era importante por haver um grande interesse por parte do Governo, na pessoa do ministro da Defesa, em que isso acontecesse. Isto estava feito ao mais alto escalão”.

O militar é acusado de cinco crimes: associação criminosa, tráfico e mediação de armas, falsificação ou contrafação de documentos, denegação de justiça e prevaricação e favorecimento pessoal praticado por funcionário.

“Eu não sabendo que estava a participar numa operação ilegal, dúvidas não tinha de que estava autorizado superiormente”, disse ainda, concluindo não saber se “quem autorizou” tinha ou não conhecimento de que a atuação da PJM não estava autorizada.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. isto parece tudo muito mal contado,qual era o destino do material ? seria um tal grupo terrorista ,que o seu braço armado esta inativo !? ou iria o material apoiar alguma ditadura da america latina ,africa ou medio oriente ;-(

RESPONDER

Israel e Emirados Árabes Unidos alcançam "acordo histórico" mediado pelos Estados Unidos

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta quinta-feira que Israel e os Emirados Árabes Unidos concordaram em estabelecer relações diplomáticas plenas, como parte de um acordo para impedir a anexação israelita de terras ocupadas pelos …

Em contingência, Câmaras de Lisboa passam a definir horários do comércio. O (pouco) que muda este sábado

A generalidade de Portugal continental continuará em situação de alerta e a Área Metropolitana de Lisboa em situação de contingência até ao final do mês devido à pandemia de covid-19, anunciou o Governo. Segundo explicou esta …

Três meses depois do anúncio, o apoio de emergência às Artes ainda não chegou

Cinquenta das 311 entidades abrangidas pela Linha de Apoio de Emergência às Artes, dotada de 1,7 milhões, ainda não tinham esta quinta-feira recebido o valor que lhes foi atribuído, três meses depois do anúncio dos …

Avaliação dos professores, "mock exams" e testes no outono. Britânicos podem "escolher" as próprias notas

O Governo britânico deu aos estudantes de liceu três alternativas diferentes para obterem o resultado das suas avaliações deste ano letivo, que foi atípico devido à pandemia de covid-19. De acordo com o jornal britânico The …

Governo reitera que não há exceções para a Festa do Avante. Críticas multiplicam-se

A ministra de Estado e da Presidência destacou que o Governo “não tem competências legais ou constitucionais” para proibir iniciativas políticas como a Festa do Avante!, mas salientou que não serão admitidas exceções às regras. Na …

Trabalhadores que estiveram em lay-off durante pelo menos 30 dias também vão ter bónus

O Conselho de Ministros aprovou um decreto-lei que clarifica que os trabalhadores que estiveram em lay-off por mais de 30 dias consecutivos, mesmo sem completar um mês civil, vão receber o complemento de estabilização. "Criado com …

Marcelo pede tolerância zero contra o racismo (e pede “sentido nacional” a Governo e oposição)

O Presidente da República recomendou esta quinta-feira aos democratas “tolerância zero” e “sensatez” para combater o racismo, ao comentar as ameaças de que foram alvo três deputadas e outros sete ativistas. “Os democratas devem ser muito …

43% das escolas no mundo sem condições de higiene para reabertura segura

Mais de 40% das escolas no mundo não têm acesso a condições básicas de higiene, como água para lavar as mãos e sabão, aumentando os riscos de reabertura no contexto da pandemia de covid-19, alertam …

Mais seis mortes, 325 novos casos e 237 recuperados

Portugal regista esta quinta-fira mais seis mortes por covid-19, 325 novos casos de infeção e mais 237 pessoas dadas como recuperadas em relação a quarta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …

"Filme fantástico". Novo livro revela cartas entre Kim Jong-un e Donald Trump

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, qualificou o seu relacionamento com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como um “filme fantástico”, segundo os editores de um livro a ser publicado, que revela a correspondência entre …